Guia de Usados: Fiat 500

Bom de dirigir, é ideal para solteiros - ou casados sem filhos - que desejam estilo a baixo custo

Fiat 500 Sport Air e 500 Cult

Quando chegou ao Brasil no final de 2009, o Fiat 500 era o carro de nicho que ninguém precisava, mas todos queriam: importado da Polônia, fez a alegria de solteiros e jovens casais ávidos por estilo. Combinava o charme do design retrô a um generoso pacote de equipamentos: ABS com EBD, controles de estabilidade e tração, computador de bordo, sensor de ré, sistema de interface Blue&Me e sete airbags (frontais, laterais, de cortina e para os joelhos do motorista).

O esperto motor de 1.4 16V de 100 cv garantia boa agilidade com o câmbio manual de seis marchas. Firme e estável, ficava ainda mais divertido na função Sport: a direção (elétrica) recebia menos assistência e o acelerador ficava mais arisco. Tudo isso vinha de série na versão Sport, com opcionais como o câmbio automatizado Dualogic (de cinco marchas), teto solar, bancos de couro e rodas de aro 16. A Lounge adicionava teto de vidro, ar-condicionado digital e acabamento com abundância de cromados.

Os 63 700 reais da versão básica faziam dele um brinquedo para poucos, mas em agosto de 2011 a Fiat aproveitou a isenção de imposto para importados do México e passou a oferecer aqui a versão Cult, por apenas 40 000 reais. O 500 perdia o câmbio de seis marchas e o motor passava a ser o do Uno, o Fire Evo 1.4 8V com 85/88 cv. Trazia de série airbags frontais, ABS, controles de estabilidade e tração, ar-condicionado, Hill Holder (auxílio de saída em rampa), computador de bordo e trio elétrico, um excelente pacote que o tornou um improvável suvesso de vendas em um país que costuma comprar carro por metro.

O novo motor MultiAir 1.4 16V de 105 cv a gasolina era exclusivo das versões Sport Air e Lounge. A Sport Air acrescentava faróis de neblina, rodas aro 16, apêndices aerodinâmicos e pinças de freio vermelhas, ao passo que a Lounge era caracterizada pelos cromados e pelo câmbio automático de série.  A Cabrio substituiu a Lounge em outubro de 2012: com sua capota de lona retrátil, tornou-se o conversível mais barato do país.

Fiat 500 Cabrio

No final de 2014, finalmente chegou a versão Abarth. Com turbo, o motor 1.4 passava a render 167 cavalos e 23 mkgf de torque a 2.500 rpm, tornando-se um legítimo pocket rocket, com aceleração de 0 a 100 km/h em 6,9 segundos e um ronco bravo, digno ds esportivos italianos. Suspensão, freios, visual e interior também ganharam upgrades.

Fiat 500 Abarth

Com alto grau de satisfação entre os donos, o Fiat 500 é uma boa opção para quem pode abrir mão do espaço interno. Seu único porém é o pós-venda deficiente, muito aquém do esperado por seu público exigente.

FIQUE DE OLHO

Fuja do modelo polonês: a manutenção é complexa, nem todas as concessionárias possuem peças para pronta entrega e algumas nem sequer conseguem consultar o sistema pela numeração do chassi. Com pouco mais de 2 000 unidades em circulação, ele vendeu em um ano o que a versão mexicana vendeu em um mês.

ONDE O BICHO PEGA

Fiat 500 - câmbio Dualogic

Câmbio Dualogic – Nas versões com transmissão automatizada, verifique se o sistema faz a troca de marchas sem muitos trancos. Em casos excepcionais, será preciso reprogramar o sistema, o que só deve ser feito na autorizada.

Teto solar – Verifique seu funcionamento e fique atento a ruídos estranhos, que podem indicar a presença de sujeira nos trilhos. A lubrificação do sistema deve ser feita apenas com graxa à base de silicone.

Rodas e pneus – Nos carros com rodas de 16 polegadas, fique atento à presença de bolhas nos pneus e de amassados no aro. Com apenas 8,7 cm de flanco, os pneus 195/45 são muito sensíveis aos buracos.

Faróis e lanternas – Procure por indícios de umidade nas peças: é um sinal claro de infiltração de água que afetou alguns modelos. Não sendo possível reparar a falha de vedação, a única solução é a troca do conjunto.

Amortecedores – Nos modelos poloneses oferecidos em 2010, é preciso cuidado extra com o estado da suspensão, em especial com os amortecedores, que sofrem bastante com as nossas ruas maltratadas.

Direção – No 500 mexicano, atenção em estalos e ruídos, em especial na versão Cult. Muitos vezes, o problema só é eliminado com a troca completa da coluna de direção e outras peças.

A VOZ DO DONO

Fiat 500

“Além de bonito, o 500 tem ótima relação custo-benefício: nenhum outro é tão equipado em sua faixa de preço, com destaque para o Blue&Me. Ele anda bem e gasta pouco, tanto na cidade quanto na estrada, e é ideal para casais jovens sem filhos. Só não aprovo o estepe mais fino e o mecanismo para rebater os bancos.” – Sharon Eve Smith, 33 anos, fotógrafa, São Paulo (SP).

O que eu adoro: “É muito ágil, principalmente nas arrancadas, e econômico: faço 10,5 km/l na cidade com o ar ligado. O painel é maravilhoso e  o banco traseiro dá mais versatilidade no uso urbano.” – Isabella Anghinetti, 28 anos, administradora de empresas, Belo Horizonte (MG).

O que eu odeio: “Ele não é frágil, mas os amortecedores sofrem com a buraqueira. A rede autorizada não tem o preparo adequado: só sabemtrocar peças, isso quando estão no estoque.” – Luiz Fernando Steilein Filho, 30 anos, engenheiro mecânico, Curitiba (PR).

NÓS DISSEMOS

Outubro de 2009: “O 500 não é tão espaçoso quanto o Smart longitudinalmente, mas oferece mais espaço lateral e tem duas fileiras de bancos, onde cabem quatro pessoas. (…) O porta-malas tem capacidade para 185 litros.(…) O motorista viaja em posição elevada, quase igual à do Mercedes Classe A. A alavanca do câmbio está bem próxima do volante, mas a manopla decepciona por ser uma peça de plástico e oca, apesar de cromada.”

Preço médio dos usados (FIPE)
2012 2013 2014 2015
Cult 1.4 8V M/T R$ 31.949 R$ 32.249 R$ 39.527 R$ 47.175
Sport 1.4 MultiAir M/T R$ 35.585 R$ 40.482 R$ 44.969
Lounge 1.4 MultiAir A/T R$ 38.308 R$ 44.859
Cabrio 1.4 MultiAir A/T R$ 47.224 R$ 55.121 R$ 57.121 R$ 60.929
Abarth 1.4 Turbo M/T R$ 74.883 R$ 81.584

PENSE TAMBÉM NUM…

Smart ForTwo: Na Europa ele é prático e racional, mas aqui ele virou um brinquedo divertido e cheio de charme. Apesar do tamanho ultracompacto (tem só 2,7 metros), ele também é muito seguro, mérito da estrutura reforçada e dos airbags frontais e laterais, que lhe garantiram 4 estrelas no crash–test EuroNCAP. O motor turbo de apenas 1 litro com 84 cv entrega bom desempenho e consumo, mas é preciso cautela: a suspensão sofre na buraqueira das cidades, além de ser muito sensível ao deslocamento de ar de grandes veículos na estrada. Outro ponto em comum com o Fiat 500 é a rede autorizada, despreparada.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Soueu Tonelli

    Quem tem sabe das qualidades deste carro, além do indiscutível charme.