Como o site nissan.com se tornou uma página de protesto contra a Nissan

Fabricante travou batalha de oito anos para tentar tomar o domínio de um empresário israelense cujo sobrenome também é... Nissan

A maior parte do site agora é dedicado a documentar a batalha com a Nissan

A maior parte do site agora é dedicado a documentar a batalha com a Nissan (Reprodução/Internet)

Em tempos pré-Google (atenção, jovens de 20 anos: essa época realmente existiu), ter um site com endereço atraente era um fator crucial para garantir mais destaque na World Wide Web.

Por isso a URL da maioria das páginas oficiais das fabricantes é, basicamente, o nome dela seguido pela extensão local (.com, .com.br, .co.uk etc). Exceto no caso da Nissan dos Estados Unidos.

Enquanto você abre em uma nova aba o www.nissan.com, nós contamos por que essa página de visual retrô, com direito a letreiros 3D, nada tem a ver com o site oficial da Nissan americana.

Em tempo: o endereço oficial da Nissan nos Estados Unidos é www.nissanusa.com.

Tudo começa em 1994, quando a internet era uma ilustre desconhecida. Mesmo assim, o empresário israelense Uzi Nissan resolveu investir em um novo negócio, de manutenção de computadores, e comprou um domínio (endereço na web) pra divulgar a empresa. Sim, você adivinhou: é o nissan.com lá de cima.

Até o final dos anos 80 a Nissan ainda era conhecida como Datsun nos EUA

Até o final dos anos 80 a Nissan ainda era conhecida como Datsun nos EUA (Reprodução/Internet)

Na mesma época a marca japonesa já vendia carros nos Estados Unidos, mas ainda era conhecida majoritariamente por Datsun, nome usado até o início da década de 90.

Na época, a empresa não dava lá tanta bola para a rede mundial de computadores, algo que só começou a mudar em 1999.

David vs. Golias

Em outubro daquele ano, Nissan (a pessoa, não a empresa) recebeu o primeiro contato dos advogados da montadora. A empresa queria comprar o domínio, mas nenhum valor oferecido atraiu o empresário.

“Eles não entendiam que eu não queria vender o endereço, e pedi US$ 15 milhões pela URL para deixar isso claro”, afirmou Nissan ao site Jalopnik em uma de suas raras entrevistas.

A montadora demorou um pouco para entender isso, mas, quando o fez, decidiu obter o site de outra forma: travando uma batalha judicial. Uma longa, cara e cansativa disputa nos tribunais americanos.

Com orçamento e equipe de advogados exponencialmente maiores, a Nissan acusou Nissan de uma série de crimes, incluindo violação de marca, de direitos autorais e até cybersquatting.

A página oficial da Nissan USA é, na verdade, essa

A página oficial da Nissan USA é, na verdade, essa (Reprodução/Internet)

O termo define a tática de registrar diversos sites que podem ser potencialmente valiosos e esperar que futuros interessados procurem por eles e paguem pequenas fortunas pelo direito de usá-los.

Só que Uzi (vamos chamá-lo pelo nome algumas vezes para não deixar a história tão confusa) não comprou o nissan.com para obter dinheiro.

A palavra Nissan não apenas é seu sobrenome legítimo, como um nome de família muito comum em Israel. Do lado poderoso da disputa, Nissan é a abreviação de “indústria japonesa”, ou Nihon Sangyo.

Mesmo tendo agido de maneira correta e lógica, Uzi enfrentou um périplo de quase dez anos indo a tribunais, visitando advogados e enfrentando as mais diferentes estratégias da Nissan para obter o site, o que incluiu um pedido de indenização de US$ 8 milhões.

A decisão final da justiça americana se deu em setembro de 2007, dando ganho de causa à Uzi. Ao Jalopnik, o empresário afirmou que não abriu mão do direito de usar seu próprio nome no site da sua empresa, mas que essa batalha o desgastou psicologica e financeiramente.

Uzi estima que tenha gasto quase US$ 3 milhões do próprio bolso pagando as custas dos processos.

Desde então a Nissan não pode mais fazer nenhuma exigência a Uzi, e só poderá usar o nissan.com caso o empresário venda o domínio à fabricante — algo que não deve acontecer.

Ironicamente, há mais de dez anos que o polêmico site não recebe atualizações.

Mantém apenas mensagens de protesto contra a já encerrada ação judicial da Nissan contra Nissan, além do visual retrô como uma espécie de herança de um tempo em que a inocência ainda reinava na internet.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s