Guia de Usados: Chevrolet Trailblazer é SUV parrudo para levar a família

Utilitário esportivo derivado da S10 é ótima escolha para quem compra carro por metro, com direito a 4x4, diesel, espaço para sete e robustez

Pelo preço de um SUV urbano novo, dá para comprar um utilitário maior e com força de picape

Pelo preço de um SUV urbano novo, dá para comprar um utilitário maior e com força de picape (Reprodução/Quatro Rodas)

Quase tão parruda quanto a S10, a Trailblazer chegou no final de 2012 para satisfazer quem achava a Captiva urbana demais para um utilitário esportivo.

O tradicional chassi de longarina, aliado à tração 4×4 com reduzida, trouxe a robustez para trafegar nas piores estradas.

A versão de maior sucesso é a LTZ a diesel. Seu motor 2.8 turbodiesel tem 180 cv a 3.800 rpm e 47,9 mkgf a 2.000 rpm para levar com facilidade sete pessoas e toda sua bagagem.

Agrada pela autonomia de 836 km, apesar do alto nível de ruído. Para quem roda pouco, a LTZ a gasolina é melhor.

Além de bem mais barata, seu V6 3.0 com comandos variáveis gera 239 cv a 6.600 rpm e 33,5 mkgf a 3.200 rpm. Apresenta um comportamento mais ágil e cativa pelo ronco esportivo, mas o consumo oscila de 4 a 8 km/l.

Ambas trazem freios ABS com EBD, controles de tração e estabilidade, ar digital, computador de bordo, piloto automático com comandos no volante, rodas de liga leve aro 18 com pneus 265/60 e sistema de som CD/MP3, Bluetooth e entradas auxiliares.

O acabamento interno apresenta plásticos de qualidade abaixo do aceitável, mas os bancos de couro claro garantem uma atmosfera sofisticada.

A tração 4×4 é acionada por um botão giratório e a segurança é reforçada por airbags frontais e de cortina.

É possível engatar a tração 4×4 a até 120 km/h e a reduzida a até 40 km/h

É possível engatar a tração 4×4 a até 120 km/h e a reduzida a até 40 km/h (Reprodução/Quatro Rodas)

O modelo 2014 trouxe o motor 2.8 turbodiesel de segunda geração, reformulado para 200 cv a 3.600 rpm e 51,0 mkgf a 2.000 rpm. Outra novidade foram os airbags laterais e o sistema multimídia MyLink com tela de 7 polegadas e câmera de ré integrada.

Em 2015, foi a vez de o V6 receber injeção direta, fazendo a potência saltar para 277 cv e o torque para 35,7 mkgf.

Atendendo às críticas de ruídos e desgaste de pneu, a suspensão dianteira foi recalibrada, a direção ficou mais direta e foi adotado um novo pacote de isolamento acústico.

Reestilizado, o modelo 2017 incorporou a nova identidade visual da GM, caracterizada por faróis com luzes diurnas.

Suspensão e freios receberam ajustes, a direção passou a ser elétrica e o MyLink agregou o serviço OnStar e as interfaces Android Auto e Apple CarPlay.

Mais rápido e econômico, o modelo 2018 recebeu o CPA (Centrifugal Pendulum Absorber), que reduz ruído e vibrações do conjunto motor/câmbio graças a contrapesos no conversor de torque.

Fuja da raríssima versão LT com motor 2.8 turbodiesel: ela perde a terceira fileira de bancos, o revestimento interno de couro, o ar-condicionado digital e o multimídia MyLink.

A versão básica vem com rodas de 16 polegadas de aço estampado e câmbio manual de seis marchas.

Onde o bicho pega

Mesmo sem a previsão de troca do fluido, vale a pena substituí-lo a cada 80.000 km.

Mesmo sem a previsão de troca do fluido, vale a pena substituí-lo a cada 80.000 km. (Reprodução/Quatro Rodas)

Tração 4×4: O sistema não tem diferencial central, indispensável no asfalto seco. Presença de limalha no óleo dos diferenciais é indício de mau uso do sistema. O nível do fluido na caixa de transferência deve ser verificado a cada três anos ou 80.000 km.

Motor : Baixo desempenho, marcha lenta irregular e consumo excessivo de óleo indicam anormalidade no funcionamento da válvula de recirculação dos gases (EGR). Há risco de danos na turbina e componentes do sistema de injeção mesmo a curto prazo.

Câmbio automático: Verificar nível do fluido e o funcionamento, que não deve apresentar trancos ou retenções desnecessárias. Mesmo sem a previsão de troca do fluido, vale a pena substituí-lo a cada 80.000 km.

Vibrações no volante: O empenamento dos discos de freio é comum e pode revelar a necessidade de troca. Se os discos forem novos, a vibração indica uma oscilação de média intensidade nas rodas dianteiras provocada pelo desgaste da suspensão.

Pneus : Sempre cheque-os antes da compra: um jogo de pneus novos de boa qualidade varia de R$ 3.600 a R$ 7.000 e pode ser um ótimo argumento na negociação.

Recalls: Foram quatro nos anos/modelos 2013 a 2016: cintos da terceira fileira de bancos, cabo da bateria, estrutura do encosto da segunda fila e airbags de cortina.

A voz do dono

  • Nome: Antônio Marcos Vidal
  • Idade: 58 anos
  • Profissão: professor
  • Cidade: Gonçalves (MG)

O que eu adoro

“A relação custo/benefício é das mais favoráveis: robustez de picape e sete lugares por um valor bem abaixo do da concorrência. O câmbio automático tem trocas suaves e o motor turbodiesel. oferece grande autonomia.”

O que eu odeio

“A suspensão dianteira sofreu alteração na geometria, o que provoca ruídos e desgaste acentuado dos pneus, mas foi reparada em garantia. O modelo 2017 perdeu os práticos porta-copos.”

Preço médio dos usados* (tabela KBB Brasil)

Modelo 2013 2014 2015 2016 2017 2018

Trailblazer LTZ 3.6 V6

79.765 88.252 103.219 115.873 135.386 151.246

Trailblazer LTZ 2.8 TDI

99.011 113.492 132.996 142.787 159.326 177.986

Preço das peças

Peças Original Paralelo

Para-choque dianteiro

R$ 2.429 R$ 1.390

Farol completo (cada um)

R$ 2.450 R$ 1.800

Disco de freio (par dianteiro)

R$ 710 R$ 400

Pastilhas de freio (par dianteiro)

R$ 1.990 R$ 470

Amortecedores (os quatro)

R$ 1.816 R$ 1.650

 

Nós dissemos

 (Arte/Quatro Rodas)

Dezembro de 2012: “Por ora a Trailblazer será vendida só na versão LTZ, com tração 4×4 e câmbio automático de seis marchas. O motor turbodiesel 2.8 de 180 cv vem da picape, mas um V6 3.6 a gasolina de 239 cv também pode ser adquirido. (…) A ideia é posicioná-la em um segmento de alto luxo, no patamar de Toyota SW4 e Mitsubishi Pajero Dakar.”

Pense também em um…

 (Marco de Bari/Quatro Rodas)

Toyota Hilux SW4: Renovada em 2016, é um dos SUVs mais vendidos do país, com três opções de motores em duas versões. O 2.7 flex é exclusivo da versão SR, com tração só na traseira e opção de câmbio automático e sete lugares. A SRX é só automática e traz um V6 4.0 a gasolina (com sete lugares) ou 2.8 turbodiesel (com cinco ou sete lugares).

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s