Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

É hora de promoção

Em queda pela primeira vez em uma década, mercado se desdobra e até fecha as portas e faz test-drive de 30 dias para vender mais

Por Luís Perez Atualizado em 22 abr 2021, 22h58 - Publicado em 13 nov 2014, 15h52

servicos servicos

Com o mercado de veículos crescendo sem parar há uma década, eis que pela primeira vez o varejo se vê frente a uma queda. As montadoras ainda esperavam que o fim da Copa do Mundo trouxesse uma recuperação, mas isso não ocorreu: as vendas de janeiro a setembro foram 9,1% menores que em 2013. E o resultado é a intensificação das promoções. Basta uma rápida folheada nos jornais para achar anúncios com termos como “juro zero”, “superliquidação”, “taxa zero”.

“Trabalho há 20 anos nesse mercado e faz tempo que não vejo tanta promoção assim”, afirma Evaldo Félix, vendedor da concessionária Renault Grand Brasil. “Diante disso, criamos algumas novidades. A maior é a primeira prestação para o ano seguinte. Isso eu nunca tinha visto.”

Para vender, hoje vale tudo. Além de primeira parcela para 2015, as marcas lançam mão de taxa zero, brindes, IPVA grátis e até o fechamento de lojas por um dia. Fechar as lojas? É isso mesmo. Batizada de Breca Varejo, essa é uma tradicional estratégia da GM no Brasil- quem não se lembra do “Não compre carro hoje”, tão comum em dias de vacas gordas? Mas, com o mercado travado, vale a pena brecá-lo? Todas as autorizadas fecharam nos dias 10 de setembro e 8 de outubro, enquanto os vendedores passavam por treinamento e programas motivacionais. Na segunda vez, o presidente da GM, Santiago Chamorro, foi à TV para anunciar que quem comprasse um carro da marca, do Celta ao Camaro, e não gostasse poderia devolvê-lo em até 30 dias e receber o dinheiro de volta.”A experiência do Breca Varejo mostra que o impacto nas vendas é tanto que vale apena”, explica Chamorro. A Chevrolet se celebrizou neste ano por outras duas novas campanhas de impacto: carros a preço de funcionário e de concessionário. São ações normalmente decididas (ou anunciadas) em cima da hora, para causar surpresa.

Em geral as ofertas estão em carros que não estejam na crista da onda. Por isso, o grupo Caoa, importador Hyundai, promoveu ação de juro zero para a linha de importados e para Tucson e ix35, fabricados pela própria empresa em Anápolis (GO) – mas não vale para o HB20. Até lançamentoss recentes, como ocorre com o VW Up!, já estão com taxa zero. “Às vezes é preciso ser mais agressivo, como agora, principalmente para justificar os altos investimentos no aumento da capacidade produtiva e o lançamento de novos modelos, como no caso do Up!”, explica Paulo Roberto Garbossa, consultor da ADK Automotive.

A pegadinha do juros zero

Especialistas alertam que é preciso desconfiar da afirmação de que um veículo está sendo vendido com “juro zero”. Geralmente isso não existe, pois o juro está embutido na taxa de abertura do crédito. Ao simular financiamentos, peça para que seja apresentado o Custo Efetivo Total, que mostra sem pegadinhas tudo o que será pago: se o preço à vista não for igual ao valor a prazo, não há taxa zero. Porém esse juro costuma ser mais baixo que a média, mas ele pode variar dentro de uma mesma marca. Por isso, compare os preços de várias concessionárias e as condições de parcelamento, pois uma pode já ter esgotado o benefício de um bônus, o que a outra ainda não fez.

Continua após a publicidade

Publicidade