Clique e assine por apenas 8,90/mês

Correio Técnico: calibrar os pneus em piso inclinado muda a pressão deles?

Leitor questiona se o piso onde o carro fica altera a aferição dos pneus

Por Rodrigo Ribeiro - Atualizado em 24 jun 2019, 19h14 - Publicado em 20 Maio 2019, 15h32

Calibrar a pressão dos pneus com o veículo em piso bastante inclinado (rampa) gera resultado diferente em relação à operação efetuada em piso plano? – Allan Welson, Garanhuns (PE)

O ideal é calibrar quando os pneus estão frios Fábio Paiva/Quatro Rodas

Não, e por um motivo muito simples. “A inclinação altera a carga incidente sobre o conjunto. Isso vai mudar a deformação do pneu, o que irá alterar a área de contato com o solo, mas a pressão interna não muda”, fala José Carlos Quadrelli, gerente geral de engenharia de vendas da Bridgestone do Brasil.

Por outro lado, o que altera (e muito) a pressão dos pneus é a temperatura dos compostos– e, consequentemente, do ar dentro dele. Quanto mais quente, maior a pressão — como ocorre em um balão.

Quando isso acontece, o calibrador do posto ou borracharia pode até murchar o pneu, ao invés de enchê-lo corretamente.

Continua após a publicidade

Por isso, recomenda-se que a calibragem seja feita em um local próximo de onde o automóvel ficou estacionado por um período prolongado de tempo.

Cheio de nitro

Os trens de pouso de aviões são preenchidos com nitrogênio Airbus/Divulgação

Uma solução para diminuir a alteração da pressão conforme a temperatura é trocar o ar comprimido por nitrogênio.

Esse gás tem menor alteração de volume por temperatura, e, de quebra, não possui água, eliminando o acúmulo de umidade dentro do pneu e nas válvulas.

Nos carros, porém, o uso do nitrogênio só vale a pena para modelos que ficam muito tempo parado, como em veículos clássicos.

Continua após a publicidade

Onde o uso desse gás é amplo é na aviação. Isso porque os trens de pouso das aeronaves comerciais passam por um enorme delta de temperatura, e é crucial que mantenham o volume adequado durante todo o ciclo de voo.

Tem outras dúvidas? Envie sua pergunta para correiotecnico@abril.com.br!

Publicidade