Mercedes-Benz E 250 Exclusive: classe e modernidade

Além da nova linguagem de estilo, a Mercedes deu ainda mais sofisticação e inteligência ao Classe E

Há outra versão, com grade esportiva

Há outra versão, com grade esportiva (João Mantovani/Quatro Rodas)

A décima geração do Classe E já está à venda no Brasil. Último dos sedãs a incorporar a nova identidade visual da Mercedes, o Classe E recebeu também uma série de itens que confirmam a rota da indústria rumo à direção autônoma.

“Os carros da marca tal estão todos muito parecidos, só muda o tamanho.” Você já deve ter ouvido isso de alguém – e, muito provavelmente, acontecerá de novo com o Classe E 2017: a exemplo do Classe C, ele está com a mesma cara do S. Ou seja, quem não é mercedeiro de carteirinha, vê os modelos mais famosos da casa sendo oferecidos em três tamanhos: P, M e G.

Isso é o que parece, mas analisados a fundo – ou por um atento fã da marca -, nota-se que a diferença entre eles vai muito além do porte.

Ao menos inicialmente, a nova geração do Classe E será vendida no Brasil com uma única opção de motor (2.0 turbo a gasolina de 211 cv e 35,7 mkgf) e duas versões de acabamento, E 250 Avantgarde e E 250 Exclusive, igual à unidade cedida para teste.

Traseira discreta lembra o Classe S, o maior sedã da marca

Traseira discreta lembra o Classe S, o maior sedã da marca (João Mantovani/Quatro Rodas)

A diferença entre elas está no tratamento estético: a Avantgarde, mais jovial, tem grade frontal com duas lâminas paralelas e a estrela de três pontas ao centro, em substituição à de três barras bipartidas com o distintivo Mercedes separado, montado no capô.

Internamente, o acabamento do painel também varia: madeira nobre no Exclusive e alumínio no Avantgarde – os preços são ligeiramente diferentes, respectivamente, R$ 319.900 e R$ 309.900.

Na pista, o E 250 Exclusive cravou 8 segundos na aceleração de 0 a 100 km/h. Também mostrou competência na prova de consumo, com 10,3 km/l na cidade e 15,1 km/l na estrada. Esse bom equilíbrio entre performance e consumo se explica por vários motivos.

Motor com turbo e injeção direta rende 211 cv e 35,7 mkgf

Motor com turbo e injeção direta rende 211 cv e 35,7 mkgf (João Mantovani/Quatro Rodas)

Além de turbo, o motor de 2 litros tem injeção direta e variador de fase nos comandos de admissão e escape. O câmbio 9G-Tronic, desenvolvido e produzido pela própria Mercedes-Benz, tem nove marchas e opção de trocas manuais. Indexado ao seletor do modo de condução, vai das trocas delicadas da posição Eco às passagens instantâneas do modo mais esportivo.

Roda-livre

O bom nível de eficiência do E 250 tem outros responsáveis, como o baixo peso (1.615 kg do atual, ante 1.680 kg da geração anterior), pneus de baixa resistência à rolagem e start-stop de última geração, capaz de desacoplar o motor da transmissão, ativando uma espécie de roda-livre quando o motorista tira o pé do acelerador e a condição de rodagem (topografia da via, velocidade de deslocamento e vácuo no sistema de freio, por exemplo) permite.

Versão Exclusive traz madeira nobre no painel

Versão Exclusive traz madeira nobre no painel (João Mantovani/Quatro Rodas)

Mas não são as tecnologias de redução do consumo o maior destaque do novo Classe E. No trânsito, uma puxada violenta no cinto de segurança do motorista, combinada a uma cutucada no freio, denuncia: estava em uma situação de alto risco de colisão e o carro, sozinho, tomou as providências para evitar o choque (ou minimizar as consequências dele).

Pode até ser que motoristas de tocada mais agressiva achem esse sistema Drive Pilot alarmista e intrusivo demais, mas é fato que, ao voltar a dirigir de maneira defensiva – e, portanto, mais adequada -, ele nunca mais deu sinal de vida.

Parte central do painel é uma tela de alta definição

O Classe E vendido no Brasil não traz o painel de instrumentos totalmente digital (João Mantovani/Quatro Rodas)

Tem também estacionamento com assistência ativa e piloto automático adaptativo que, além de acelerar e frear em função do carro da frente, é capaz de contornar curvas de raio médio, aplicando giro ao volante e frenagem nas rodas do lado interno da curva.

Detalhes como novos comandos do volante (alguns sensíveis ao toque), relógio analógico no console central, revestimento de couro com acabamento impecável e tela de alta resolução constroem uma atmosfera sofisticada eluxuosa. Até mesmo os sistemas elétricos de rebatimento dos retrovisores externos e de abertura e fechamento da tampa do porta-malas, ultrassilenciosos, evidenciam a fina linhagem do E 250.

O volante oferece controles sensíveis ao toque

O volante oferece controles sensíveis ao toque (João Mantovani/Quatro Rodas)

O relógio analógico confere sofisticação à cabine

Relógio analógico confere sofisticação à cabine (João Mantovani/Quatro Rodas)

Há leds por todos os lados, dos spots de leitura da cabine aos faróis com funcionamento ativo, passando pelas lanternas com 39 pontos de luz e os frisos internos com 64 opções de cor. Não há como negar: o novo Classe E é um carro iluminado.

Veredicto

O Classe E reúne como poucos luxo, tecnologia, desempenho e design. Eainda tem a tradição da marca Mercedes.

Teste de pista (com gasolina)

  • Aceleração de 0 a 100 km/h: 8 s
  • Aceleração de 0 a 1.000 m: 28,7 s
  • Retomada de 40 a 80 km/h (em D): 3,4 s
  • Retomada de 60 a 100 km/h (em D): 4,3 s
  • Retomada de 80 a 120 km/h (em D): 5,3 s
  • Frenagens de 60 / 80 / 120 km/h a 0: 16,3 / 29,4 / 67,1 m
  • Consumo urbano: 10,3 km/l
  • Consumo rodoviário: 15,1 km/l
  • Rotações a 100 km/h em D: 1.300 rpm

Ficha técnica – Mercedes-Benz E 250

  • Preço: R$ 319.900
  • Motor: gas., diant., transv., 4 cil., 1.991 cm3, 16V, turbo, inj. direta, 211 cv a 5.500 rpm, 35,7 mkgf a 1.200 rpm
  • Câmbio: aut., 9 marchas, tração traseira
  • Suspensão: indep. multilink
  • Freios: discos ventilados
  • Direção: elétrica
  • Rodas e pneus: 245/45 R18 (diant.);275/40 R18 (tras.)
  • Dimensões: compr., 492,3 cm; larg., 185,2 cm; alt., 147,4 cm; entre-eixos, 293,9 cm; peso, 1.615 kg; porta-malas, 540 l
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Gabriel Medeiros

    1) O carro fica quase em ponto morto a 100km/h, impressionante.
    2) Choque de realidades: um Mercedes classe E de mais de 300 mil, e o painel anuncia um Galaxy J conectado. kkkkkk

  2. Martins Pessôa Regis Júnior

    Quero ver um carro a etanol fazendo 10 na cidade e 15 na estrada…
    Melhor do que um carro a gasolina, só um híbrido ou a diesel…

  3. sempre fui fã da mercedes, mas ultimamente não to gostando nada do design da maioria dos seus carros, classe C, E e S com visuais identicos, GL e GLS tbm nunca gostei de seus visuais, concorrencia ta muito melhor.