Longa Duração: barulhos nos freios acompanham o nosso Cruze

Nosso Cruze teve as pastilhas trabalhadas para evitar ruídos quando ainda era zero-quilômetro. Hoje elas chiam nas frenagens. E continuarão assim...

Diferentemente da primeira revisão, aos 10.000 km, realizada em Brasília, desta vez levamos o sedã para a Spassus Jundiaí, a cerca de 40 km da capital paulista.

Diante das inúmeras reclamações de barulhos vindos dos freios e da descoberta de um boletim técnico aberto para a correção do problema, pedimos ao consultor técnico responsável uma verificação de enquadramento do nosso carro no boletim.

Para nossa surpresa, inicialmente fomos informados de que a Spassus não tinha recebido nenhuma nota técnica para o Cruze. Esta só foi localizada depois que fornecemos o número de controle ao consultor. E eis que veio outra surpresa: “O sistema indica que este carro já recebeu a correção das pastilhas recomendada pela fábrica na concessionária Palazzo. Não tenho como executar novamente o serviço”, informou o consultor.

Concluímos, então, que o nosso Cruze passou pela manutenção ainda no pátio da Palazzo, de São Paulo, onde ele foi comprado. Ou seja, mesmo com a ação corretiva aplicada antes de iniciar a rodagem, nosso Cruze manteve o incômodo ruído, que não deve acabar tão cedo.

A manutenção programada saiu por R$ 596, mesmo valor sugerido pela GM. Os serviços de alinhamento, balanceamento e rodízio dos pneus adicionou R$ 150 à conta.

Moldura cromada reflete a luz do sol

Moldura cromada reflete a luz do sol (Eduardo Campilongo)

Durante as férias de fim de ano, o Cruze foi utilizado pelo piloto de testes Eduardo Campilongo e pela repórter Isadora Carvalho. O equilíbrio entre suavidade e rapidez continua elogiado, assim como o acerto de suspensão e os abrangentes assistentes à condução. Mas nem tudo são flores.

Eduardo deixou um registro importante no diário de bordo: “A moldura cromada da alavanca de câmbio reflete a luz do sol diretamente nos olhos. Coloquei uma sacolinha de tecido sobre ela para evitar ofuscamento”.

Isadora, por sua vez, criticou os faróis halógenos – xenônio não é disponível nem como opcional: “São muito fracos. Não combinam com um carro com tanta tecnologia”.

Chevrolet Cruze – 20.273 km

Consumo

  • No mês: 8,1 km/l com 20,2% de rodagem na cidade
  • Desde out/16: 8,4 km/l com 18,1% de rodagem na cidade
  • Combustível: etanol

Gastos no mês

  • Combustível: R$ 2.102
  • Revisão: R$ 596
  • Alinhamento: R$ 150

Ficha técnica

  • Versão: LTZ 1.4T
  • Motor: 4 cil., diant., transv., 1.399 cm3, 16V, flex, 153/150 cv a 5.200/5.600 rpm, 25,5/24 mkgf a 2.000/2.100 rpm
  • Câmbio: aut., 6 marchas
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. O consumo é com alcool ou gasolina?

  2. Etanol, como claramente descrito.

  3. Fernando Vilmar Martins Rosa

    Comprei um cruze LTZ DI2 2017 após 2000 kms notei um barulho na suspensão, na agência constataram defeito na CX de direção, a agência solicitou o recall junto a GM dia 20/12/2016, após várias ligações para a GM, recebi um retorno dia 20/02/2017 dizendo o seguinte: desculpe o transtorno, mas a GM não tem a peça em estoque e não tem previsão. Resumindo, o carro é bom, mas com este post venda não tem como ser fiel a marca.

  4. Edison Petter Filho

    Lendo a matéria e comentário vou continuar com o Golf7. Carro com mais de 3 anos de uso e ZERO defeito. Pra nao me chamarem de mentiroso nesse período foi trocado apenas o seletor do câmbio pois um sensor acusou defeito e só.

  5. sergio cintra

    Comprem um Honda ou Toyota. E sejam felizes.

  6. Regra simples de qualquer veículo vendido fabricado no BR e alguns importados: compre apenas depois de 1 ano do lançamento, quando já foram corrigidas várias falhas de projeto.