Impressões: Tesla Model X, o elétrico que te dá asas

Do desempenho que o faz voar mais rápido que um Porsche às portas com abertura incomum, o inovador Model X é diferente de qualquer SUV que você já viu

A Tesla chama as portas de asas de falcão

A Tesla chama as portas de asas de falcão (Divulgação/Tesla)

Fabricantes de luxo sabem que ter um SUV em sua linha é essencial para o sucesso. E nem a revolucionária Tesla escapa dessa lógica.

Por isso, ela apresentou o Model X em 2015 como um dos pilares para transformar a empresa do Vale do Silício de promissora em realidade no segmento premium – o outro é o Model 3, sedã que a marca americana pretende vender por US$ 30.000 a partir de 2018.

As primeiras unidades do Model X começaram a ser entregues no fim do ano passado. Assim como o Roadster e o Model S, o X foge do convencional.

Nem tanto pelo porte descomunal (são 5,09 metros de comprimento e 1,99 metro de largura, mais que um Toyota SW4, de 4,80 e 1,86), e sim pelas portas traseiras com abertura para cima, chamadas de Asas de Falcão – se você acha que já viu isso nas portas asas de gaivota da Mercedes, acertou.

Portas dianteiras são comuns e as traseiras só abrem se a lateral estiver livre

Portas dianteiras são comuns e as traseiras só abrem se a lateral estiver livre (Divulgação/Tesla)

Equipadas com sensores que impedem a abertura se houver obstáculos nas laterais (pilares, paredes, carros), elas que dão acesso às duas fileiras de bancos de trás, já que há opção de escolha entre seis ou sete lugares.

Falta espaço para adultos na última fila, mas os assentos individuais centrais (que são dois ou três, dependendo da configuração) podem se deslocar longitudinalmente, abrindo mais espaço para pessoas ou bagagem.

O modelo avaliado tem seis lugares, mas o dono pode encomendar a versão com sete

O modelo avaliado tem seis lugares, mas o dono pode encomendar a versão com sete (Divulgação/Tesla)

Dominando o interior há um enorme tablet de 17 polegadas, que agrupa várias funções, como ar-condicionado e sistemas de condução autônoma. Ele divide a atenção com o gigantesco para-brisa que vai até o banco de trás – lembrando o Zenith do Citroën C3.

O gigantesco tablet vertical domina o interior

O gigantesco tablet vertical domina o interior (Divulgação/Tesla)

O acabamento interno mescla materiais nobres (Alcantara e madeira) com plásticos de qualidade ruim e montagem longe do padrão esperado para seu segmento.

A Tesla só informa que o porta-malas leva até 2.180 litros, mas com os bancos traseiros recolhidos. Ainda há os 187 litros do bagageiro frontal – no lugar onde normalmente ficaria o motor, afinal, estamos num veículo 100% elétrico.

Conjunto de baterias fica sob os bancos

Conjunto de baterias fica sob os bancos (Divulgação/Tesla)

Assim, ele leva 2.180 litros de carga

Assim, ele leva 2.180 litros de carga (Divulgação/Tesla)

TOQUE DE TRADIÇÃO

Curiosamente, em meio a tanta modernidade, causa estranheza a presença das hastes convencionais de seta, faróis e limpadores de para-brisa atrás do volante, quase idênticas às peças utilizadas em larga escala pela Mercedes-Benz.

Quadro de instrumentos é digital

Quadro de instrumentos é digital (Divulgação/Tesla)

A receita mecânica não é inédita. Plataforma e sistema propulsor (há dois motores, um em cada eixo) vêm do Model S, assim como as baterias de 90 kWh, sob o piso do veículo.

Dirigimos a versão mais potente P90D Performance (a 75D traz baterias de 75 kWh), com 263 cv no motor dianteiro e 510 cv atrás. A potência combinada, porém, é de “apenas” 539 cv porque as baterias não conseguem alimentar simultaneamente os dois motores.

Elétrico, ele não precisa de grade: não há radiador para resfriar

Elétrico, ele não precisa de grade: não há radiador para resfriar (Divulgação/Tesla)

Sorte que a cavalaria não faz falta, ainda mais no modo Ludicrous Speed: são necessários só 3,4 segundos para ir de 0 a 100 km/h, mais rápido que Porsche 911 Carrera 4 (4,2) e pouco menos que Lamborghini Huracán (3,2).

De tão imediata, a aceleração vira uma divertida forma de assustar passageiros desavisados. Nessa condição, o Model X tem números dignos dos melhores super­esportivos do mundo mesmo pesando 2,5 toneladas.

As retomadas de 60 a 100 km/h e 80 a 120 km/h são realizadas em 1,7 segundo e 2,2 segundos, respectivamente. A explicação está no torque bestial, o ponto forte dos motores elétricos: 98,6 mkgf no total.

A proposta é SUV, mas o estilo está mais para hatch

A proposta é SUV, mas apesar do tamanho enorme, o estilo está mais para hatch (Divulgação/Tesla)

Não é só a performance que faz o Model X se afastar dos outros SUVs: a suspensão não deixa a carroceria inclinar excessivamente nas curvas, a direção é direta e os freios atuam de forma precisa para parar o brutamontes.

Na hora de completar as baterias, a Tesla promete 100% dacarga em até nove horas se plugado em um carregador de 400 volts dos postos de recarga rápida instalados pela marca nos EUA. Isso garante uma autonomia divulgada de 414 km – com apenas 30 minutos na tomada dessa estação já seria capaz de rodar 275 km.

O PREÇO DO PROGRESSO

Moderno e imponente, o Tesla X teria boas chances de roubar clientes de Porsche Cayenne e Range Rover Vogue por aqui. Pena que está distante de nós. Porque, embora o presidente Elon Musk tenha sugerido na apresentação do Model 3 que venderá carros oficialmente no Brasil, nenhum anúncio foi feito desde então.

E mesmo nos EUA o X é caro: US$ 115.500 na versão avaliada, ou 20% mais que um Cayenne GTS, de 450 cv.

No lugar do cofre do motor dianteiro, há um bagageiro para 187 litros

No lugar do cofre do motor dianteiro há um bagageiro para 187 litros (Divulgação/Tesla)

Veredicto

Design e preço afastam o Tesla X do comprador típico de SUV. Ele foi feito mesmo para quem gosta de tecnologia.

Ficha técnica – Tesla Model X P90D

  • Preço: US$ 115.500 (nos EUA)
  • Motor: bateria de íons de lítio, 90 kWh, dois motores (um para cada eixo), potência combinada de 539 cv, torque combinado de 98,6 mkgf
  • Câmbio: automático, uma marcha, tração integral
  • Suspensão: duplo A (diant.); multilink (tras.)
  • Freios: discos ventilados (diant. e tras.)
  • Direção: elétrica
  • Rodas e pneus: 265/35 R22 (diant.) / 285/35 R22 (tras.)
  • Dimensões: compr., 503,7 cm; alt., 168,4 cm; larg., 199,9 cm; entre-eixos, 296,4 cm; peso, 2.468 kg; autonomia, 414 km; porta-malas, 2.180 l
  • Desempenho: 0 a 100 km/h em 3,4 s, vel. máx., 250 km/h
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Francis Barrozo

    Uma pena que para nós brasileiros, os elétricos estejam tão longe da realidade quanto a colonização de Marte.

  2. Julio Cesar Ziviani Alvarez

    Como assim “sugerido” que venderia ao Brasil?

    Fiz a minha reseva do Modelo 3 normalmente, para entrega no Brasil. E uma correção, o carro parte de US$ 35.000,00. Como carro elétrico tem isenção de imposto de importação, o Modelo 3 deve ficar na faixa do i3 da BMW, cerca de R$ 170.000,00. Considerando que modelos top de linha nacionais estão custando mais de 120 mil reais, o preço do carro mais avançado no planeta não fica tão absurdo.