Impressões: com motor FireFly, Mobi parte de R$ 39.870

Versão intermediária com novo motor de três cilindros anda mais e bebe menos

Fiat Mobi Drive

Motor 1.0 de três cilindros deixou o Mobi mais rápido e econômico (Divulgação/Fiat)

Depois de estrear no Uno 2017, o novo motor 1.0 Firefly de três cilindros se transforma na grande atração do Fiat Mobi Drive, que parte dos R$ 39.870. Com este preço, a nova versão está posicionada entre a versão Like (R$ 38.470) e Like On (R$ 42.930).

LEIA MAIS:

>> Teste: Uno Attractive 1.0 e Way 1.3 com motores FireFly

>> Longa Duração: banco do Fiat Mobi cansa o motorista

>> Comparativo: Onix x HB20 x Gol x Ka

O motor 1.0 Firefly pertence à nova família GSE. Tem três cilindros, cada um com apenas duas válvulas, o que – segundo a Fiat – resulta em mais torque em baixas rotações. De fato, o novo 1.0 6V tem o maior torque entre os  1.0 aspirados: são 10,9 mkgf com álcool e 10,4 mkgf com gasolina, a 3.250 rpm. A potência fica em 77 cv com álcool e 72 cv com gasolina (6.000 rpm) .

O novo motor também é favorecido pela taxa de compressão alta, de 13,2:1, pelo variador de fase hidráulico continuamente variável, que permite recirculação de gases de escape (EGR) por fechamento tardio das válvulas, o que, momentaneamente, faz este motor trabalhar em ciclo Atkinson, que melhora a queima de combustível.

Fiat Mobi Drive

Motor FireFly 1.0 produz 77 cv e 10,9 mkgf com etanol (Divulgação/Fiat)

A versão Drive também se beneficia pela direção elétrica com função City, que deixa a direção mais leve para manobras. As outras versões continuam empregando a direção hidráulica, que depende de uma bomba que rouba potência do motor para funcionar.

Sim, as demais versões do Mobi, inclusive as Like On, Way e Way On, mais caras que a Drive, continuarão com o antigo motor 1.0 Fire Evo, que entrega 75 cv a 6.250 rpm e 9,9 mkgf a 3.850 rpm com álcool. Pelo menos por enquanto.

A Fiat diz ter feito pesquisas com os primeiros compradores do Mobi e estes se disseram satisfeitos com o consumo do motor Fire. A intenção agora é ver a recepção do mercado antes de colocar o motor Firefly em outras versões, principalmente a Way.

Outro fato é que trocar o motor do Mobi tão cedo (a versão Way só chegou às lojas em junho) prejudicaria a imagem do modelo, algo que não acontece ao lançar uma versão exclusiva para o novo motor.

Resultados práticos

O câmbio automatizado Dualogic se tornará opcional em 2017. Por enquanto, o Mobi usa sempre câmbio manual de cinco marchas (que teve a quinta marcha um pouco alongada frente ao Mobi com motor Fire).

É com ele que o Mobi Drive vai de 0 a 100 km/h em 12,8 s (gasolina)/12 s (etanol) nas medições da Fiat. Para efeito de comparação, com motor Fire o compacto precisa de 14,6 s (gasolina)/ 13,8 s (etanol) para cumprir o mesmo teste. 

O design é exatamente o mesmo da versão Like, muda apenas o logo na tampa do porta-malas de vidro

O design é exatamente o mesmo da versão Like, muda apenas o logo na tampa do porta-malas de vidro (Divulgação/Fiat)

No que diz respeito ao consumo, a evolução é ainda mais notável:

Cidade Estrada
Mobi Firefly 13,7 km/litro (gasolina); 9,6 km/litro (etanol) 16,1 km/litro (gasolina); 11,3 km/litro (etanol)
Mobi Fire 11,9 km/litro (gasolina); 8,4 km/litro (etanol) 13,3 km/litro (gasolina); 9,2 km/litro (etanol)

 

Primeiras impressões

Para quem está acostumado a fazer São Paulo – Rio de Janeiro – São Paulo com o Mobi do teste de Longa Duração da QUATRO RODAS, é notável a melhora no comportamento com o novo motor 1.0 de três cilindros. O peso é exatamente o mesmo de nosso Like On (945 kg) e a diferença nos números de potência e torque é pequena.

A vantagem do novo motor é entregar torque em rotações menores. Não é necessária tanta pressão no acelerador para que o Mobi embale. Na verdade, o motor até trabalha mais suave se o motorista for mais gentil com o pedal.

Versão Drive está posicionada entre a Like e a Like On

Versão Drive está posicionada entre a Like e a Like On (Divulgação/Fiat)

Também percebemos retomadas melhores e menos necessidade de reduções para encarar subidas, o que sempre é válido para um carro 1.0. Isso não quer dizer, porém, que o Mobi Drive se transformou em um carro rápido…

Outro ponto positivo do Mobi Drive é a direção elétrica, um pouco mais leve que a hidráulica quando o modo City não está ativado e mais direta. Nota-se que o volante sofre menos com as irregularidades pelas quais as rodas passam.

Outra diferença desta versão é que o quadro de instrumentos tem tela de LCD de alta resolução – a mesma do Uno – com funções mais completas e integrado ao sistema Live On, opcional. Consiste de um sistema de som que, por meio de um aplicativo exclusivo, transforma o smartphone em central multimídia.

Há um suporte para o celular no meio do painel com uma porta USB exclusiva para recarga e o aparelho ganha até mesmo função de visualização de consumo em tempo real. Ele ainda tem acesso mais fácil a aplicativos de mapas e música. Na falta do smartphone, o aparelho reproduz rádio FM. Você vê a estação no quadro de instrumentos e muda pelos botões no volante.

Fiat Mobi Drive

Opcional, sistema Live On transforma o celular em central multimídia (Divulgação/Fiat)

E fica a dica: você pode baixar o aplicativo e usar ele com qualquer aparelho ou carro com Bluetooth, como uma interface de acesso mais rápido para as funções mais utilizadas quando se está dirigindo.

No geral, a percepção é a de estar em um Mobi Like, até mesmo porque os conteúdos são praticamente os mesmos. Há de série ar-condicionado, chave canivete, vidros elétricos nas portas dianteiras, travas elétricas, volante com regulagem de altura e assistente de seta em mudança de faixa.

Há dois pacotes de opcionais que incluem os mesmos equipamentos da versão Like On, como retrovisores elétricos com Tilt Down e luz de seta integrada, sensor de estacionamento traseiro, volante multifuncional, faróis de neblina, alarme com telecomando, console de teto com espelho auxiliar e rodas de liga leve aro 14″.

A diferença é o som: com o sistema de som Live On o pacote opcional custa R$ 4.650. Já com o rádio Connect, também disponível para os outros Mobi, o preço é R$ 4.500.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Djalma Andretta

    Montadora não tem jeito mesmo, sempre aumentando os dados de desempenho. De onde tiraram esse 0-100 em 12,8s.

  2. Esse carro (Firefly) que deveria ser usado no Longa duração.

  3. Afonso Araujo

    bacana mesmo esse mobi firefly , meu tio comprou tem 1 mes, ele faz 28,29km/L … DEVE SER CARRO MAIS ECONÔMICO DO MUNDO !

  4. Raimundo Honorato

    >|> ISTO É REVOLTANTE !!!! Desrespeito ao consumidor – a Fiat parece que esqueceu que o motor FireFly é um item que ela estava DEVENDO aos proprietários do Mobi. Esticar o preço do pequeno Mobi por causa do FireFly – é Sacanagem.