Impressões ao dirigir: VBTP Guarani

Tração 6x6, 383 cv e direção por aparelhos: andamos no novo blindado do Exército

VBTP Guarani

Nos anos 80, dois veículos desenvolvidos pelo Exército Brasileiro ficaram famosos por seu desempenho em tarefas militares ao redor do mundo. Além de servir no Brasil, Urutu e Cascavel integraram as fileiras de países do Oriente Médio, da África e da América Latina.

Com a falência da Engesa, empresa que fabricava os veículos, em 1993, a produção foi interrompida, no entanto. E até hoje não havia substituto para eles. Agora o Exército está estreando um novo veículo.

O Guarani foi desenvolvido pelo Exército em parceria com a Iveco, empresa do Grupo Fiat. E segundo o coronel Armando Ferreira, supervisor do projeto, foi feito com o objetivo de reunir as virtudes do Urutu e do Cascavel, incorporando outros atributos, ao mesmo tempo. O Urutu, por exemplo, era blindado, mas não tinha proteção antiminas.

O projeto começou em 2008, e as primeiras unidades foram entregues este ano.

Bancos no teto

Para conhecer o Guarani, fomos até o Centro de Avaliações do Exército (CAEx), no Rio de Janeiro. Já no primeiro contato, apesar de ter visto o carro antecipadamente por fotos, fiquei impressionado com suas dimensões.

Com 7,1 metros de comprimento, 2,6 de altura e 2,8 de largura, ele é maior que um caminhão do tipo VUC (Veículo Urbano de Carga), como o Mercedes Accelo (medindo 6,1 x 2,5 x 2,2 metros, na versão 815/31).

Para chegar à cabine, o motorista faz uma escalada vertical, usando o pneu como degrau e, depois, duas alças na lateral da carroceria. O primeiro estágio é o mais difícil, porque o diâmetro externo do pneu (14.00R20) configura um degrau de 1,23 metro.

O acesso do motorista à cabine só é possível por uma escotilha, na parte de cima, enquanto os demais podem entrar por escotilhas ou por uma porta/rampa, na traseira. O blindado tem 11 lugares.

VBTP Guarani

Por definição, o Guarani é uma Viatura Blindada para Transporte de Pessoal (VBTP). Na prática, isso quer dizer que sua função é deslocar as tropas tanto em missões de patrulhamento como em situações de combate armado. Por isso, seu principal compromisso é com a segurança a bordo.

Ele é o primeiro blindado nacional com proteção antiminas. Sua base foi construída para suportar até 6 kg de explosivo em qualquer ponto, carga que, uma vez detonada, é suficiente para retirar as 16 toneladas de peso do carro do chão.

Segundo os engenheiros do Exército, na homologação do veículo, esse teste foi realizado com manequins no lugar dos ocupantes, e a “tropa” inteira sobreviveu, com 97% de integridade. Houve apenas ferimentos superficiais. Nenhum dummie quebrou as pernas, porque o piso interno e os bancos do Guarani ficam suspensos, ancorados no teto.

Além disso, todos os ocupantes viajam perfeitamente ajustados aos bancos, amarrados por cintos de cinco pontos. A carcaça do Guarani também é protegida por aço balístico capaz de resistir a tiros de fuzil 762 perfurante e pode receber blindagem adicional contra projéteis de metralhadora antiaérea calibre .50.

Filtro químico, biológico e nuclear

Nossa avaliação começou pelo compartimento dos soldados. Enquanto reconhecíamos as pistas de testes e escolhíamos os locais para as fotos, viajamos na parte traseira da cabine – que, para nossa surpresa, se mostrou confortável.

Nossa experiência em veículos militares é pequena, mas, ao contrário do que imaginávamos, o Guarani tem bancos anatômicos e suspensão macia. Além disso, o isolamento acústico é bastante eficiente. E há até ar-condicionado. Esse dispositivo, porém, tem importância vital, antes de servir como climatizador de ambientes.

Como veículo da infantaria, divisão do Exército que vai à linha de frente nos combates, o Guarani dispõe de um sistema de controle da cabine, que inclui ventilação forçada, com filtro químico, biológico e nuclear (QBN). Assim, pode garantir a saúde de seus ocupantes mesmo em caso de ataque químico.

VBTP Guarani

Esse sistema possibilita ainda a renovação do ar e a exaustão de gases em caso de incêndio. O Guarani possui um aparato de sensores, difusores e extintores capazes de detectar e extinguir um incêndio em milésimos de segundo. Para atestar a eficiência desse sistema, os militares contam que recorreram mais uma vez aos dummies.

Com os manequins devidamente instalados nos assentos e monitorados, a cabine foi encharcada com diesel e incendiada. Com o tempo de resposta dos sensores inferior a 2 milissegundos e o da abertura dos extintores inferior a 10 milissegundos, os dummies registraram o aumento da temperatura, mas sem sofrer queimaduras.

Antes de assumir o volante, ouvimos uma longa explicação sobre o cockpit do carro, composto por monitores, painel de segurança e periscópios, além de volante, pedais, alavanca de câmbio e demais comandos comuns aos automóveis. E os manetes de comando anfíbio, já que navegar em rios e lagoas é outra das faculdades do Guarani.

A maior parte do tempo foi usada para apresentar as funções do visor principal. Esse dispositivo é dividido em seis áreas. Na região central encontram-se o velocímetro, o conta-giros, os indicadores de temperatura (motor, transmissão, óleo e combustível) e uma seção de luzes-espia. Nas laterais e no topo, uma sequência de teclas que acionam menus e submenus.

VBTP Guarani

A matriz abriga mais de 40 funções de acionamento dos diversos sistemas. Um deles é o da transmissão (com as opções de tração 6×6 e 6×4, alongada e reduzida, e com bloqueio individual para cada eixo). Outro é o de navegação anfíbia, que, entre outras coisas, pressuriza os componentes mecânicos submersos, para que permaneçam secos.

Todos os sistemas do Guarani são gerenciados por centrais eletrônicas, interligadas por uma rede CAN, que acompanham todas as variáveis relativas ao funcionamento do veículo, bem como enviar e receber comandos dos usuários e realizar testes de autodiagnose e varreduras em busca de falhas diversas.

VBTP Guarani

Periscópios e câmeras

Para dar a partida, é necessário ligar primeiro a chave geral. Depois, basta apertar um botão para acordar o motor 8.7 diesel de seis cilindros em linha. Fornecido pela FPT (Fiat Powertrain Technologies), ele gera 383 cv de potência e 154 mkgf de torque.

O câmbio é automático de seis marchas. Para sair, basta colocar a alavanca em Drive e acelerar, como em qualquer automóvel. Já nos primeiros metros, é nítida a força do motor. Rodamos na pista off-road do CAEx, de terra batida. A impressão é de que o Guarani não se detém em nenhum obstáculo, dispensando o motorista de escolher a melhor trilha.

Segundo o Exército, o Guarani acelera de 0 a 30 km/h em 7,4 segundos e atinge 95 km/h de velocidade máxima. Em nosso test-drive, chegamos a 50 km/h, no modo de tração 6×4. Em 6×6 ele fica mais lento, embora com mais força nas rodas (ele é capaz de vencer rampas de até 60% de inclinação).

Na água, a velocidade máxima é de 9 km/h. Mas por causa de obras no Campo de Avaliações, não avaliamos o blindado no modo anfíbio.

No que diz respeito ao consumo de combustível, o Guarani pode rodar com diesel B5 (95% diesel, 5% biodiesel) ou querosene de aviação (na proporção de 90%, mais 10% diesel). Ele possui dois reservatórios (um traseiro e outro dianteiro), com capacidade total de 270 litros, sendo 260 litros utilizáveis. O consumo médio, segundo o Exército, é de 2,3 km/l (de diesel), em velocidade constante de 70 km/h.

VBTP Guarani

A direção hidráulica não exige esforço, mas a relação de direção é bastante indireta. Para manobrar, é necessário dar várias voltas ao volante. No Guarani, os dois eixos dianteiros são direcionais.

O banco do motorista é tão confortável quanto os dos passageiros. Nessa posição, porém, é mais fácil ouvir o motor ao lado e perceber o trabalho da suspensão, do tipo McPherson independente nas seis rodas.

Esse conjunto absorve bem as irregularidades, mas deixa a carroceria oscilar bastante, principalmente nas frenagens, quando o deslocamento de peso é grande. Esse comportamento não é percebido como inseguro, no entanto.

O Guarani freia com disposição. Ele vai de 60 km/h a 0 em 30 metros, segundo o Exército. Isso é o dobro do necessário para frear um automóvel. Mas um carro é 16 vezes mais leve. O blindado tem dez pinças no total, duas para cada um dos quatro discos dianteiros e uma para os discos traseiros.

VBTP Guarani

A maior dificuldade para um recruta de primeira viagem é se adaptar às dimensões do carro, porque a visibilidade é reduzida. O Guarani pode ser dirigido com as escotilhas fechadas (em missões reais) ou abertas (em manobras no quartel ou de patrulhamento).

Com a escotilha fechada, não há para-brisa. No lugar, o motorista conta com três periscópios com campo de visão de 46 graus (horizontal) e 20 graus (vertical), aproximadamente. E duas câmeras de vídeo (uma dianteira e outra traseira).

Com a escotilha aberta, a visibilidade aumenta, porque o motorista viaja com a cabeça do lado de fora. Para se posicionar assim, basta regular a altura do banco, que é sustentado por uma coluna hidráulica.

O problema, nesse caso, é que o volante e os pedais não acompanham o assento. O banco deve ser ajustado de modo que os pés alcancem os pedais, as mãos encontrem o volante (que fica na altura dos joelhos) e os olhos fiquem acima da escotilha. Uma vez acomodado, o Guarani fica bem divertido de dirigir.

VBTP Guarani

Para finalizar a apresentação, voltamos ao compartimento da tropa para conhecer um dos sistemas de armas possíveis de serem instalados no blindado. Há três opções: canhão automático 30 x 173 mm, suporte automatizado de metralhadora e suporte manual de metralhadora.

A unidade avaliada estava equipada com a segunda opção e metralhadora .50, controlada pelo atirador de dentro da cabine, por meio de uma tela LCD e dois joysticks. Esse dispositivo conta com computador balístico (para cálculo da trajetória das balas), mira laser e visão noturna, entre outros recursos. O alto poder de fogo foi outra das premissas do projeto para o Guarani superar os antecessores.

VBTP Guarani

VEREDICTO

O Guarani deixou a nítida impressão de que os projetistas do Exército e da Iveco conseguiram fazer um blindado capaz de superar os antigos Urutu e Cascavel e de ter uma carreira de sucesso internacional.

FICHA TÉCNICA
Motor diesel; diant.; 6 cil
Cilindrada 8 710 cm3
Potência 383 cv a 2 100 rpm
Torque 154 mkgf a 1 100 rpm
Câmbio automático de 6 marchas, 6×6
Carroceria monovolume, chassi de longarinas, carcaça de aço balístico homogêneo, 1 porta, 5 escotilhas, 11 lugares
Dimensões comprimento, 710 cm; largura, 277 cm; altura, 260 cm (sem torre de armas); entreeixos, 170 cm, + 200 cm; bitola, 226 cm; diâm. de giro, 19,8 m
Peso 16 000 kg
Porta-malas/caçamba 2 300 kg
Suspensão dianteira McPherson nos 3 eixos, com elemento (mola e amortecedor) pneumático
Suspensão traseira McPherson nos 3 eixos, com elemento (mola e amortecedor) pneumático
Freios hidropneumático, com discos nas 6 rodas, ABS e freio de estacionamento na transmissão
Direção hidráulica (esterço no 1º e no 2º eixos)
Pneus 14.00R20
Velocidade máxima 95 km/h (na água, 9 km/h), autonomia 600 km (70 km/h)
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s