Impressões ao dirigir: novo Chevrolet Tracker LTZ 1.4 Turbo

Após três anos como coadjuvante, Chevrolet Tracker ganha motor turbo e mantém preço para ameaçar Jeep Renegade e Honda HR-V

Por R$ 79.990, o preço é atraente. Não há concorrente com turbo e câmbio automático por menos de R$ 100.000

Por R$ 79.990, o preço é atraente. Não há concorrente com turbo e câmbio automático por menos de R$ 100.000 (Christian Castanho)

Em 2013, o segmento de SUVs compactos se limitava a Ford EcoSport e Renault Duster. Não era difícil para o Chevrolet Tracker representar uma terceira via com motor 1.8, versatilidade e o requinte que não se via nos outros dois.

Mas o SUV da GM não resistiu à chegada de Honda HR-V e Jeep Renegade e hoje nem sequer ameaça a sexta posição do Peugeot 2008 no segmento: vendeu 8.558 unidades em 2016, contra 10.692 do francês.

Talvez o Chevrolet Tracker tenha mais sorte a partir de agora, tendo o novo Cruze como fonte de inspiração. A reestilização chega acompanhada do mesmo motor 1.4 turbo do sedã, mas com preço inicial mantido em interessantes R$ 79.990.

A proximidade dos dois está no design. Faróis (que têm leds diurnos e projetor de bloco elíptico na versão LTZ) têm o mesmo formato e estão alinhados com a grade estreita, que nem sequer é funcional: todo o ar que passa pelo radiador entra pela grande tomada de ar inferior, que também aloja a placa. Os nichos dos faróis de neblina também cresceram.

Este é um LTZ. O LT não tem led nem projetor nos faróis

Este é um LTZ. O LT não tem led nem projetor nos faróis (Christian Castanho)

Atrás, o novo para-choque tem área pintada maior, envolvendo os refletores. O Tracker LTZ das fotos tem lanternas com leds, enquanto o LT mantém praticamente a mesma lanterna de antes, mas com lentes transparentes para as luzes de seta e ré.

Controles de tração e estabilidade continuam em falta: incoerência da GM

A versão LT não tem leds nas lanternas (Christian Castanho)

Não fosse pelo volante, poderia dizer que o interior do Tracker é todo novo. O quadro de instrumentos, antes digital e que parecia saído de uma scooter, agora é analógico e a central MyLink (de segunda geração) está em posição mais alta, com as novas saídas de ar verticais ao lado.

Os plásticos ainda são duros, mas há aplique de couro sintético na faixa central do painel. Pena que dessa forma ele tenha perdido o segundo porta-luvas.

Interior não parece ser de um compacto

Interior não parece ser de um compacto (Christian Castanho)

O design atualizado trouxe a leveza que faltava ao Tracker, que mais parecia uma versão menor da Captiva (que continua à venda). Leveza esta que sentimos ao dirigi-lo, graças ao bom casamento entre motor e câmbio.

Sob pressão

Pode-se dizer que as esperanças do Tracker estão depositadas sob o capô. Além de o sedã médio ter servido de inspiração para a nova dianteira, ele também emprestou o motor 1.4 Ecotec Turbo com 153 cv e torque de 24,5 mkgf a 2.000 rpm. Bem melhor que o antigo 1.8 16V, que era tão preguiçoso quanto um 1.6.

Novo motor 1.4 turbo é bem superior ao antigo 1.8 16V

Novo motor 1.4 turbo é bem superior ao antigo 1.8 16V (Christian Castanho)

Neste, o conversor de torque se mostrava relutante antes de enviar a força do motor para o câmbio. Agora, o Tracker embala rápido, mas de forma progressiva. Esse motor 1.4 turbo não é explosivo, mas trabalha como um motor grande. E tem a força de sobra para retomadas que você espera de um motor turbinado. Para quem preza por conforto, esse é o caminho.

Por trás dessas sensações, está o mesmo câmbio automático de seis marchas de antes. É o GF6 de terceira geração com relações e programação novas e adequadas ao quatro cilindros turbo. As trocas acontecem no momento certo, sem esticar marchas.

Câmbio automático tem seis marchas e opção de trocas na alavanca

Câmbio automático tem seis marchas e opção de trocas na alavanca (Christian Castanho)

As boas retomadas também podem ser creditadas à transmissão, que faz kickdown rápido quando se faz mais pressão no acelerador em busca de potência. Pena que as trocas sequenciais ainda sejam feitas pelos dois botões na lateral da alavanca.

Paro em uma rotatória e o motor desliga. Sim, o novo Tracker também incorporou sistema start-stop para economizar combustível no trânsito urbano, como no Cruze. A única forma de evitar que o motor desligue é correndo a alavanca do câmbio para o modo manual.

Versão LTZ ganha teto solar de série

Versão LTZ ganha teto solar de série (Christian Castanho)

Banco traseiro corre e ainda pode ser rebatido

Banco traseiro corre e ainda pode ser rebatido (Christian Castanho)

A propósito, espera-se boa melhora no consumo. A Chevrolet ainda não nos deixou realizar testes de pista com o Tracker, mas faremos isso em breve. Nos testes do Inmetro-Conpet, ele faz 10,6 km/l na cidade e 11,7 km/l na estrada com gasolina. Para efeito de comparação, o novo Cruze, 92 kg mais leve e com aerodinâmica melhor (0,3 Cx contra 0,35 Cx) fez no Conpet 11,2 km/l e 14 km/l, respectivamente.

Quanto ao desempenho, nas medições da Chevrolet (com etanol) o Tracker 1.8 acelerava de 0 a 100 km/h em 11,5 segundos. Segundo a GM, esse número caiu para 9,4 com o motor turbo – o Cruze faz o mesmo em 9 segundos.

A suspensão também evoluiu. Em vez de ser mole e suscetível a qualquer irregularidade do asfalto, agora é firme e absorve com maestria tudo que as rodas percebem (mesmo quando com pneus 215/55 R18), sem ser desconfortável.

O Tracker ficou muito mais estável e assentado e a nova direção elétrica, que substitui a hidráulica, tem boa variação de peso conforme a velocidade aumenta. Mas o motor novo não implicou novos freios: ainda há tambor na traseira.

Novo painel tem computador de bordo e aposenta o "painel de moto" da geração anterior

Novo painel tem computador de bordo e aposenta o “painel de moto” da geração anterior (Christian Castanho)

Central MyLink é a mesma do novo Cruze

Central MyLink é a mesma do novo Cruze (Christian Castanho)

Contando feijões

Pare por um momento e tente se lembrar de um SUV compacto com motor turbo e câmbio automático. Como o Peugeot 2008 THP só existe com câmbio manual (clique aqui para entender por que), o único que sobra é o novo Suzuki Vitara, que testamos recentemente, com ótimos resultados na pista. Contudo, o japonês custa a partir de R$ 107.000.

Já com motor 1.4 turbo e câmbio automático, o Tracker LT manteve o preço inicial de R$ 79.990 do modelo 2016. Para efeito de comparação, é o mesmo valor cobrado pelo raro HR-V 1.8 LX com transmissão manual. Um Renegade 1.8 Sport manual custa R$ 79.490, o EcoSport 1.6 Freestyle manual sai por R$ 79.150 e o 2008 Griffe 1.6 automático custa R$ 81.690 (R$ 87.290 o THP).

Claro que não há milagre: o Tracker continua sem controles de tração e estabilidade em todas as versões, enquanto todos os concorrentes acima têm esses equipamentos de segurança de série. A Chevrolet usa o preço competitivo do modelo para justificar a falta, mas estamos falando de algo que custa cerca de 100 dólares na cadeia produtiva.

Versão LTZ tem rodas aro 18, mais cromados eleds nas lanternas

Controles de tração e estabilidade continuam em falta: incoerência da GM (Christian Castanho)

Sistemas de segurança não estão na lista de prioridades do brasileiro. O Toyota Corolla também é o único sedã médio sem controles de estabilidade e tração – e a própria Chevrolet criticou o sedã japonês por isso no lançamento do Cruze -, mas ainda lidera o segmento com folga.

O Tracker também continua sem retrovisor eletrocrômico, acendimento automático dos faróis e ar-condicionado digital. Todas as versões têm ar-condicionado manual, Isofix, rack no teto, vidros elétricos com função um toque, central MyLink com Android Auto e Apple CarPlay, piloto automático, volante multifunção com regulagem de altura e profundidade e start-stop.

Porém, só a versão LTZ, que custa R$ 89.990, traz teto solar, bancos de couro, sensor de estacionamento, banco do carona rebatível, câmera de ré, alerta de pontos cegos e tráfego cruzado, partida sem chave, espelhos externos aquecidos e rodas de 18 polegadas (na LT, elas são aro 16). Por mais R$ 3.000 (total de R$ 92.990), o pacote 1SF acrescenta os airbags laterais e de cortina.

Porta-malas de 306 litros não é dos maiores

Porta-malas de 306 litros não é dos maiores (Christian Castanho)

Apesar das faltas, o Tracker ficou bem interessante na linha 2017. Principalmente se você é daqueles que não ligam para a ausência dos controles de estabilidade e tração – como os milhares de donos de Corolla. O novo Chevrolet continua menos equipado, mas tem o motor para se sobressair na multidão de SUVs.

Veredicto

Mais do que uma alternativa a carros mais vendidos, agora o Tracker tem um motor turbo para se destacar no segmento. Está no caminho certo, só falta atentar para o lado da segurança.

 

Ficha técnica – Chevrolet Tracker LTZ

  • Preço: R$ 89.990
  • Motor: flex, diant., transv., 4 cil., 1.399 cm3, 16V, DOHC, CVVT, injeção direta, turbo, 153/150 cv a 5.200/5.600 rpm, 24,5/24 mkgf a 2.000/2.100 rpm
  • Câmbio: automático, 6 marchas, tração dianteira
  • Suspensão: McPherson(diant.) / eixo de torção (tras.)
  • Freios: discos vent. (diant.) / tambor (tras.)
  • Direção: elétrica
  • Rodas e pneus: 215/55 R18
  • Dimensões: comp., 425,8 cm; largura, 177,6 cm; altura, 167,8 cm; entre-eixos, 255,5 cm; peso (aproximado), 1.413 kg; tanque, 53 l; porta-malas, 306 l
  • Equipamentos: ar-condicionado, direção elétrica, vidros elétricos, partida sem chave, faróis com projetor e leds diurnos, lanternas de leds, alerta de tráfego cruzado, monitor de pontos cegos, start-stop, teto solar, central multimídia, câmera de ré, Isofix, faróis de neblina, retrovisores aquecidos.
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Igor Albert Canavarro

    Eduardo F disse em 08 jan 2017 – 07h47
    “Quanto estava lendo tudo parecia parfeito, até o momento que eu cheguei nos freios, freio a TAMBOR na traseira? Caramba, esse carro custa 90 PAU, se o cruze tem freios a disco com o mesmo motor, peso semelhante, porque a TRAKER não tem, desculpem, mas TODAS AS CONCORRENTES DIRETAS TEM! Eu acho um item de segurança mais importante do que desempenho.” – Por isso que todas as concorrentes estão nas faixas de preço acima de 100.000 reais. Também lamento o fato de aqui não vir com tração integral como na Trax americana.

  2. Marcelo de Sales Honorio

    Gostaria de reportar minha frustração com a GM/Chevrolet.

    Eu estava em uma viagem à Belém para pegar um vôo para SP quando meu carro parou no meio da rodovia, por não mais permitir aceleração. Perdi o vôo e estou sem carro. Isto ocorreu em 14-Dez-2016.
    Trata-se de um Chevrolet Cruze LT Automático 2012, que está na concessionária, em Marabá-PA, por apresentar defeito no câmbio automático. A concessionária não achou o problema e disse que precisaria remover a caixa e mandar pra SP.
    Quando a concessionário tentou enviar para SP, a GM informou que não iria tentar consertar, pois a caixa não tem conserto (eles nem sequer olharam). Portanto, eu deveria comprar outra. O valor da peça no catálogo é 63 mil reais – não digitei errado, é isso mesmo – valor informado pela concessionária. Este valor é aproximadamente 145% do valor do carro.

    A GM me informou que o veículo não está mais na garantia (4,5 anos de uso, bem conservado) e que eu deverei arcar com os custos. Até o momento não vi parceria da Chevrolet para solucionar meu problema.
    Pelo menos a Chevrolet deveria concordar que um carro do nível do Cruze não deveria danificar a transmissão automática com apenas 72 mil km rodados e bem conservado.

    Estou há 1 mês sem carro sem saber qual a solução para o meu problema. Aparentemente, a Chevrolet quer que jogue o carro no lixo, literalmente, e compre outro. Esta história parace brincadeira, mas não é. Eu posso provar se alguém duvidar.

  3. Ronaldo Oliveira

    Achei muito bonito e bem acabado. Estou pensando em comprar um SUV mas como infelizmente ele não tem ESP está fora dos meus planos.

  4. Ronaldo Oliveira. Também achei muito interessante a nova Tracker, mas a falta de ESP me preocupa. Será q a falta deste equipamento com uso muito mais na cidade e raramente em estradas faz tanta falta assim?