Harley-Davidson Fat Bob

Com faróis duplos e cara de má, ela custa 10% menos que a Fat Boy

Harley-Davidson Fat Bob

A Fat Bob é uma fat custom, aquelas baixinhas gordinhas invocadas, de assento baixo (low rider) e pneu dianteiro balão. Seu chassi pertence à família Dyna. A posição é a mais típica das custom: você vai sentado na rabeira, com as pernas esticadas à frente. A altura do solo é mínima e o grande entre-eixos faz qualquer lombada parecer um grande obstáculo. É preciso ter cuidado para transpô-las sem bater, o que pode ser perigoso, apesar do chassi de berço duplo.

O guidão é do tipo T-bar, ou seja, em forma de “T”, parecido com o das motos de arrancada. O visual é bonito e atraente, especialmente nesta versão preto fosco – ela é 200 reais mais barata na versão pintada de preto brilhante, a outra única opção de cor.

Os dois pequenos faróis cromados encaixados entre as mesas e bengalas, também revestidas de cromo, são a marca registrada do modelo. Ao lado, é claro, da roda larga na dianteira. A pintura preto fosco, que inclui motor e demais componentes visuais, contrasta com os amortecedores cobertos, os dois escapes e o suporte do para-lama traseiro, tudo cromado.

Prateadas e quase totalmente fechadas, as rodas ficam bem escondidas atrás dos grandes discos de freio dianteiros. Na traseira, a coroa da correia dentada ajuda a tapá-la. O para-lama traseiro, ao estilo bobtail, é meio rabo de peixe e só agrada mesmo aos verdadeiramente aficionados pelo estilo.

O motor V2 de 1600 cc (é a versão do Twin Cam de 96 polegadas cúbicas) gera, segundo a fábrica, 12 “quilos” de torque a baixos 3500 rpm. Mais que suficiente para a Fat Bob responder com vontade ao comando do acelerador. Sobe de giros com energia e exige boa musculatura para segurar o punch. A vibração é natural para a configuração V2 a 45 graus, com refrigeração a ar e varetas de comando de válvulas – é uma tradição incorporada pela marca.

A moto é pesada, são 320 kg em ordem de marcha. A suspensão dianteira prefere administrar pavimento liso à buraqueira. A roda dianteira larga e o ângulo de cáster aberto são responsáveis pela musculação necessária para esterçar em baixa velocidade. Também não é uma custom para uso diário, para o qual é muito comprida e pesada.

Na estrada, é possível contornar curvas com precisão. Os discos dianteiros dão segurança às frenagens – o ABS ajuda. A Fat Bob é uma opção mais barata à Fat Boy (de cerca de 45600 reais), mantendo muito de seu charme em um chassi menos sofisticado.

VEREDICTO

A Fat Bob é charmosa, bem-acabada e bonita, com estilo e cara de bandoleira urbana.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s