Comparativo: Porsche 718 Boxster x Audi TTS roadster

Clima ficou ruim entre Boxster e TTS: hora de baixar a capota e ir para a estrada. Lindos sob o sol, será que aguentam o calor da pista?

Dois lugares, capota de tecido e muita potência: nem precisa de sol

Dois lugares, capota de tecido e muita potência: nem precisa de sol (Pedro Bicudo)

O céu amanheceu fechado no dia em que agendamos as fotos deste comparativo. Uma chuva acabaria com nossos planos, mas a probabilidade de cair água estava baixa. Era o sinal que precisávamos para encarar a estrada com a capota aberta. Afinal, roadster que se preze roda com a cabine à mostra. E a insistência valeu a pena: a luz do sol resolveu dar as caras para o Porsche 718 Boxster e o Audi TTS.

Essa dupla de conversíveis têm muito em comum. Ambos são alemães, têm teto de tecido com abertura elétrica, só dois lugares, turbo, potência em torno de 300 cv e preço na casa dos seis dígitos.

A maior diferença está na mecânica. Porsche com seu tradicional motor boxer; Audi e sua clássica tração integral Quattro.

Sob o capô do esportivo vindo de Stuttgart, a grande novidade: o propulsor do Boxster tem quatro cilindros opostos, não seis. Já o TT é mais dócil. Tem menos botões no cockpit, mais assistência eletrônica à mão e um sistema multimídia matador. No asfalto e sob sol forte, veja qual se saiu melhor.

A dupla tem muito em comum: alemães, dois lugares, motor turbo e preço com seis dígitos

A dupla tem muito em comum: alemães, dois lugares, motor turbo e preços com seis dígitos (Pedro Bicudo/Quatro Rodas)

Os carros da Porsche são célebres por preservar tradições. Eles ritualizam o ato de dirigir. É como fazer a barba. Você pode usar um Bic descartável de R$ 5, um Braun elétrico de US$ 80 ou ir ao barbeiro com hora marcada. E lá se render a uma cerimônia: um hipster tatuado abre seus poros com uma toalha quente embebida em sândalo. Então aplica um creme de verbena e, por último, manobra uma navalha que parece ter sido afiada por Deus. O novo 718 Boxster adota o rito longo.

A chave precisa ser inserida e girada em um cilindro para ligar o motor. Como em todo Porsche, a peça fica colocada à esquerda, como ocorre há décadas. No painel de instrumentos, relógios analógicos – claro! – com ponteiro laranja e mostradores redondos. O conta-giros destacado no centro da peça está milimetricamente posicionado atrás da direção. O volante é quase vertical e se impõe para o motorista.

Há poucas distrações para quem dirige: nada de botões do som ao alcance dos dedos ou comando para atender o celular. Por entre os aros da direção, os paddle shifts de metal reluzem atrás do aro.

No painel de instrumentos, relógios analógicos com ponteiro laranja e mostradores redondos

Ao volante do Porsche, tudo é feito conforme a tradição, como a chave de ignição do lado esquerdo (Pedro Bicudo)

O motorista fica de cara com um quadro instrumentos de alta resolução totalmente digital e configurável

No Audi, o motorista tem mais comodidades, como um sistema de som Bang & Olufsen (Pedro Bicudo)

o Audi tem discretas aletas plásticas, pequenas, iguais às que você encontra no sedã mais básico da montadora, embora funcionem tão bem quanto. No TT, o motorista fica cara a cara com um quadro de instrumentos de alta resolução incrível, todo digital, configurável, concentrando as informações do sistema multimídia (GPS, rádio e câmera de ré). Ele substitui a tradicional tela no centro do painel.

Conta-giros destacado e relógios analógicos: tradições da Porsche

Conta-giros destacado e relógios analógicos no Boxster (Pedro Bicudo/Quatro Rodas)

instrumentos de alta resolução concentra todas as informações do sistema multimídia

Quadro de instrumentos de alta resolução concentra todas as informações do sistema multimídia no TTS (Pedro Bicudo/Quatro Rodas)

No Porsche, tarefas não relacionadas ao ato de dirigir foram suprimidas ou escondidas, como os porta-copos, camuflados por um filete cromado no painel. Não há porta-objetos no console – apenas um pequeno compartimento na parte inferior das portas. Cabe uma carteira, no máximo.

Enquanto o Audi lhe convida a ouvir uma bela música no sistema de som Bang & Olufsen, com a eletrônica servindo ao conforto de quem dirige, o 718 não dá moleza. Você se senta a um palmo do assoalho, com os olhos na altura das lanternas dos demais carros. Apesar de a Porsche já ter se rendido à direção com assistência elétrica, o volante é pesado. Requer que você force os músculos para manobrar. No entanto, ele oferece a precisão de um bisturi.

O Boxster também exige frugalidade do dono, que não pode carregar muita bagagem. São dois compartimentos pequenos. Sob o capô, um espaço de 150 litros tomado quase inteiramente pelo estepe. Atrás, outro de 125. Já o TT tem um porta-malas único, de 280 litros, na parte traseira.

Nos dois rivais, a capota pode ser operada com o carro em movimento

Nos dois rivais, a capota pode ser operada com o carro em movimento (Pedro Bicudo/Quatro Rodas)

Sinal dos tempos

A Porsche passou a utilizar um motor boxer de quatro cilindros turbo, abrindo mão do tradicional seis cilindros. É o tipo de decisão que não costuma ser tolerada por fanáticos, mas a prática revelou bons frutos. Marcamos 4,7 segundos para ir de 0 a 100 km/h, com números de retomada compatíveis com seus 304 cv. E apesar de ser menor, o novo trem de força tem 35 cv a mais que o antecessor.

Além disso, o Boxster conta com a melhor transmissão criada pelo homem, a famosa PDK automatizada de dupla embreagem. No dia a dia, quase não se sente as trocas de marchas. E impressiona a capacidade da central eletrônica em escolher a melhor relação possível em cada situação.

A melhor transmissão de todos os tempos: a PDK automatizada de dupla embreagem

Transmissão automatizada PDK e tração traseira no Porsche (Pedro Bicudo/Quatro Rodas)

Câmbio é automatizado de seis marchas e a tração é integral nas quatro rodas

Já o Audi vai de S-Tronic, aliada à característica tração integral quattro (Pedro Bicudo/Quatro Rodas)

Mas o TT também tem suas tradições, como a tração integral Quattro. Nas curvas, o sistema trabalha em conjunto com amortecedores magnéticos, cuja rigidez se ajusta conforme o piso e estilo de condução. O Audi também conta com o Drive Select, um programa eletrônico que modifica as respostas do motor, assistência da direção e no módulo do câmbio automatizado S-Tronic.

O foco na direção esportiva do Boxster tem efeitos colaterais: ele não tem câmera de ré, por exemplo. Só um sensor com alerta gráfico. A proximidade de obstáculos é denunciada na tela touch no painel. Esse display, aliás, tem sensibilidade de tablet, com uso semelhante ao do gadget. Ele está integrado com duas entradas de cartão SD, auxiliar e USB no porta-luvas.

Lado a lado, a diferença de tamanho é nítida. O Boxster tem 437,9 cm de comprimento, 18,8 a mais que o TT. Mas o Audi conta com entre-eixos maior (250,5 x 247,5 cm). E isso deixa os rivais em condição de igualdade quando se fala em espaço interno.

A marca também oferece a versão S com motor 2.5 de 350 cv

718 Boxster é visivelmente mais comprido que o TTS (Pedro Bicudo/Quatro Rodas)

O Audi tem entre-eixos maior que o rival, porém o Porsche é 18,8 cm maior

Por outro lado, o TTS possui entre-eixos maior e espaço interno equivalente (Pedro Bicudo/Quatro Rodas)

Na traseira do TT, um filete de leds integrado à carroceria faz as vezes de brake-light, conectando as lanternas. À noite, gera um belo efeito quando se pisa no freio. Estratégia semelhante é adotada nas setas. Quando acionadas, seus leds se acendem aos poucos, em sequência. Porém, são truques somados a recursos de estilo gastos, como as pinças de freio vermelhas eapliques de cromo fosco nos retrovisores.

Nada disso é encontrado no Porsche, mais elegante e, na medida do possível, mais discreto em comparação ao esportivo de Ingolstadt. Mas isso não é demérito ao TTS, pelo contrário. O Audi, em sua terceira geração, permanece fiel aos traços de quando foi lançado, em 1998. E seu visual é magnético como poucos.

Na versão S, o TT mais caro desenvolve 286 cv, mas tem a mesma quantidade de torque (38,8 mkgf) do 718. Isso explica o resultado próximo ao do Porsche nas retomadas. O Audi ficou atrás no 0 a 100 (5,1 s) e no teste de consumo rodoviário. Enquanto o Boxster rodou 13,5 km com um litro de gasolina, o TTS marcou 10,7 km/l.

O encontro do Boxster (R$ 368.000) e TTS (R$ 319.900) ocorre de forma cruzada: a versão de entrada do 718 pega a mais cara do Audi – o TT parte de R$ 266.990. Se quiser mais potência, há o Boxster S (359 cv, R$ 466.000). Mas aqui, o Porsche básico, mais rápido, econômico e bem-acabado que o TT, já foi o suficiente para vencer o comparativo.

Avaliação do editor

Motor e Câmbio – Nesse quesito, as marcas adotaram estratégias distintas, mas ambas com resultados notáveis. O boxer da Porsche é mais potente e mostrou-se mais econômico. E a caixa de transmissão da marca é incrível. Porém, a tração Quattro da Audi também é digna de elogios.

Dirigibilidade – O Audi é impecável nesse aspecto, mas é justamente o ponto forte do Boxster. Os Porsche são feitos para quem aprecia dirigir.

Segurança – Eles se equivalem em itens de segurança passiva e ativa. Na frenagem, oPorsche foi bem melhor a partir de 120 km/h. O Audi venceu no 60 a 0.

Seu bolso – Não custam pouco. Mas o Audi é bem menos caro. Por ser prático no uso diário, é até uma escolha mais sensata – do ponto de vista financeiro, claro.boxster

Conteúdo – São bem equipados, com vantagem para o TTS. O Porsche favorece o estilo ea tradição, abrindo mão de equipamentos que são essenciais no dia a dia, como a câmera de ré.

Vida a bordo – Ambos são espaçosos e oferecem nível de comodidade semelhante. OPorsche favorece quem é fã de dirigir. O TTS agrada mais a quem prefere praticidade e é mais amigável no uso diário.

Qualidade – Ambos têm acabamento bastante esmerado. Mas só o Porsche é impecável.

 

VEREDICTO

O 718 Boxster é mais caro, mas entrega mais. Porém, é um carro feito para quem viaja pelo prazer de dirigir. O Audi oferece conforto, esportividade e praticidade no dia a dia. Tem até custo-benefício melhor. Mas não é um Porsche.

 

Teste de pista (com gasolina)

Boxster TTS
Aceleração de 0 a 100 km/h 4,7 s 5,1 s
Aceleração de 0 a 1.000 m 23,5 s – 226,1 km/h 24,6 s – 214,8 km/h
Retomada de 40 a 80 km/h (em D) 2,1 s 2,6 s
Retomada de 60 a 100 km/h (em D) 2,7 s 2,9 s
Retomada de 80 a 120 km/h (em D) 3 s 3,3 s
Frenagens de 60 / 80 / 120 km/h a 0 16,8 / 23,6 / 53,1 m 15 / 25,6 / 59,1 m
Consumo urbano 8,8 km/l 8,7 km/l
Consumo rodoviário 13,5 km/l 10,7 km/l

Ficha Técnica

Porsche 718 Boxster Audi TTS
Motor gas., traseiro, boxer, 4 cil., 1.988 cm3, 16V, turbo, injeção direta, 91 x 102 mm, 9,5:1, 304 cv a 6.500 rpm, 38 mkgf de 1.950 a 4.500 rpm gasolina, dianteiro, 4 cil. em linha, turbo, injeção direta, 16V, 1.984 cm³, 82,5 x 92,8, 10,5:1, 286 cv entre 5.300 e 6.200 rpm, 38,8 kgfm de 1.800 a 5.200 rpm
Câmbio PDK, automatizado, 7 marchas, tração traseira automatizado, seis marchas, tração integral
Suspensão McPherson (diant e tras.) McPherson (diant.), multilink (tras.)
Freios discos ventilados discos ventilados
Direção elétrica, 11 m (diâm. giro) elétrica , 11,9 (diâm. giro)
Rodas e pneus liga leve, 265/35 R20 (diant.), 235/35 R20 (tras.) liga leve, 245/35 R19
Dimensões comprimento, 437,9 cm; altura, 128,1 cm; largura, 180,1 cm; entre- eixos, 247,5 cm; peso, 1.365 kg; porta-malas, 275 l, tanque, 54 l; comprimento, 419,1 cm; largura, 183,2 cm; altura, 134,5 cm; entre-eixos, 250,5 cm; peso, 1.395 kg; porta -malas, 280 l; tanque, 55 l
Equipamentos de série ar-condicionado digital de duas zonas, multimídia com tela touch, Bluetooth, GPS e toca-discos, bancos elétricos com memória, faróis de xenônio, luzes de posição led, sensor de estacionamento (diant. etras.), suspensão ativa, bancos de couro ar-condicionado digital, sensor de estacionamento (dianteiro e traseiro com câmera de ré e alerta sonoro), sistema de som multimídia MMI com falantes Bang & Olufsen, GPS, Audi Magnetic Ride, banco de couro Napa, sensor de luz e chuva, seletor eletrônico de rodagem, Audi Virtual Cockpit, faróis de led
Preço R$ 368.000 R$ 319.990

 

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Jackson Diógenes Neves Mourão

    Realmente o Porsche é mais carro. Principalmente pra quem gosta de dirigir em modo soviético. kkkk