Comparativo: Jeep Compass Trailhawk x Hyundai New Tucson GLS

Compass a diesel. Tucson a gasolina. Qual dos dois oferece mais pelo mesmo preço?

Diesel ou gasolina? Compass ou New Tucson?

Diesel ou gasolina? Compass ou New Tucson? (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Honda HR-V, Jeep Renegade, Nissan Kicks e Hyundai Creta formam o comitê de recepção para os consumidores estreantes no segmento de SUVs. Mas para quem quer aderir à moda já num patamar mais elevado, eis as novidades mais quentes: os nacionais Hyundai New Tucson e Jeep Compass.

Enquanto o primeiro degrau ferve entre R$ 90.000 e R$ 100.000, aqui o alvo é mais definido: R$ 150.000. A própria Hyundai aposta suas fichas na versão GLS, de R$ 147.900: segundo a marca, ela deverá vender mais do que a básica GL (R$ 138.900) e do que a mais completa GLS + (de R$ 159.600).

O problema é que no caminho do New Tucson há o Jeep Compass Trailhawk. Por R$ 154.990, ele não tem concorrentes entre os outros SUVs a diesel (todos bem mais caros) e torna-se competitivo até mesmo contra os modelos a gasolina. É o caso do coreano – potencialmente seu maior rival agora que as vendas do ix35 já começaram a despencar.

Ganchos de reboque: vocação para o 4x4

Ganchos de reboque: vocação para o 4×4 (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Grande hexagonal: característica da Hyundai

Grande hexagonal: característica da Hyundai (Christian Castanho/Quatro Rodas)

SUV de raiz

Nessa faixa de preço, o consumidor busca algo mais do que o estilo SUV: ele espera que seu novo veículo seja, de fato, um monstrão capaz de levá-lo a qualquer lugar, não importando a condição de terreno – mesmo que ele, na prática, ande quase sempre no asfalto. Aliás, para esse comprador, quanto mais difíceis forem os obstáculos que podem ser superados a bordo de seu SUV, maior será a sensação de boa compra.

Se você se identificou, não há mais o que discutir: fique com o Compass. Seu motor 2.0 turbodiesel de 170 cv de potência e 35,7 kgfm de torque mais o câmbio automático de nove marchas forma um conjunto mais versátil do que o 1.6 a gasolina com turbo e injeção direta (177 cv e 27 mkgf) atrelado ao câmbio de dupla embreagem e sete marchas do New Tucson.

Motor 2.0 turbodiesel do Compass gera 170 cv e 35,7 kgmf de torque

Motor 2.0 turbodiesel do Compass gera 170 cv e 35,7 kgmf de torque (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Motor 1.6 a gasolina com turbo e injeção direta do Tucson oferece 177 cv e 27 mkgf

Motor 1.6 a gasolina com turbo e injeção direta do Tucson oferece 177 cv e 27 mkgf (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Na prática, o New Tucson é bem mais rápido nas acelerações e retomadas (8,8 segundos no 0 a 100 km/h contra 11,4 do Compass), mas o torque abundante do Jeep casa bem com o rápido câmbio de nove marchas no dia a dia da cidade. No consumo (e na autonomia em longas viagens), vantagem para o Compass, com o bom número no ciclo rodoviário (15,1 km/l ante 13,8 km/l do Hyundai) e o diesel mais barato que a gasolina.

O golpe de misericórdia está no sistema de tração 4×4, que só o SUV da Jeep oferece, com reduzida, bloqueio do diferencial e cinco modos de condução selecionados por botões.

Batalha espacial

Se tecnicamente o New Tucson sucumbe diante do Compass, nas dimensões ele dá o troco. Com 4,48 metros de comprimento, 1,85 de largura e 1,66 de altura (contra 4,42, 1,82 e 1,64 do Jeep), o Hyundai parece ser bem maior.

Atrás, visual do Compass remete ao Dodge Durango

Atrás, visual do Compass remete ao Dodge Durango (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Design ressalta o porte avantajado do New Tucson

Design ressalta o porte avantajado do New Tucson (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Na dianteira da cabine, ambos são equivalentes. Na traseira, há mais espaço no New Tucson. No porta-malas, o Compass perde feio. De acordo com os dados fornecidos pelas fábricas, o volume disponível para bagagem é de 513 litros no New Tucson e 410 no Compass. Ou seja, o Jeep leva o equivalente a uma mala grande a menos.

A cabine do Hyundai, como visto, é maior, mas não é melhor. Para começar, o painel do Compass tem revestimento emborrachado. Além de mais agradável ao toque, esse tipo de material absorve melhor as vibrações e, consequentemente, atenua o nível de ruído na cabine.

Layout atual e acabamento refinado da Jeep

Layout atual e acabamento refinado da Jeep (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Painel do Tucson tem aspecto antigo, mas acabamento agrada

Painel do Tucson tem aspecto mais antigo, mas construção agrada (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Em nossas medições, o decibelímetro registrou números semelhantes em ambos. E isso é um ponto positivo para os dois, uma vez que o Compass, mesmo sendo movido a diesel, se nivelou ao New Tucson, que chega a dar a impressão de estar desligado quando parado.

No Hyundai, o painel é de plástico rígido, mas a montagem precisa e o acabamento fosco causam boa impressão. O problema é o layout. A iluminação azul, a tela central simples e o design óbvio das teclas contrastam com o frescor do projeto.

Versão Trailhawk tem airbag de joelho para o motorista

Versão Trailhawk tem airbag de joelho para o motorista (Christian Castanho/Quatro Rodas)

No New Tucson, banco do motorista pode ter ajuste elétrico, aquecimento e ventilação

No New Tucson, banco do motorista tem ajuste elétrico (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Ambos são bem equipados de série: chave presencial, multimídia com tela de GPS, bancos de couro, airbags frontais, laterais e de cortina, controles de tração e estabilidade e assistente de partida em rampas.

Mas o Compass oferece, além do motor diesel e da tração 4×4, faróis de xenônio, freio de estacionamento elétrico, retrovisores externos com alerta de ponto cego, função cornering light (acendimento automático do farol de neblina do lado interno da curva), airbag de joelho para motorista e cinto traseiro central de três pontos – o New Tucson traz cinto abdominal nessa posição.

Por outro lado, o Hyundai também tem exclusividades relevantes, como teto solar panorâmico e banco do motorista com ajustes elétricos. E na versão GLS +, por R$ 159.600, adiciona detector de ponto cego, faixo de farol direcional para curvas, assistente de estacionamento, porta-malas com abertura elétrica e bancos dianteiros com ventilação e aquecimento.

Entre-eixos do Compass é 3,4 cm menor que o do New Tucson

Entre-eixos do Compass é 3,4 cm menor que o do New Tucson (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Tucson tem apenas cinco abdominal para o passageiro do centro

Tucson tem mais espaço, mas cinco abdominal no centro (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Suficiente na cidade, valente no off-road e mais equipado e bem- acabado que o rival, o Compass Trailhawk venceu este comparativo pela soma dos resultados e pelas possibilidades que oferece ao condutor. O New Tucson assume que foi feito só para o asfalto, e ainda cobra caro por isso. Mas é tão rápido quanto os melhores sedãs.

Teste de pista (com gasolina/diesel)

New Tucson GLS 1.6 GDI Compass Trailhawk 2.0 diesel 4×4
Aceleração de 0 a 100 km/h 8,8 s 11,4 s
Aceleração de 0 a 1.000 m 30,1 s – 176,2 km/h 33 s – 155,1 km/h
Retomada de 40 a 80 km/h (em 3ª) 3,6 s 5,1 s
Retomada de 60 a 100 km/h (em 4ª) 4,5 s 6,8 s
Retomada de 80 a 120 km/h (em 5ª) 5,8 s 8,8 s
Frenagens de 60 / 80 / 120 km/h a 0 17,1 / 29,5 / 67 s 17,5 / 30,2 / 69,2 s
Consumo urbano 11,1 km/l 11,7 km/l (diesel)
Consumo rodoviário 13,9 km/l 15,1 km/l (diesel)

Ficha Técnica

New Tucson GLS 1.6 GDI Compass Trailhawk 2.0 diesel 4×4
Motor gas., diant., transv., 4 cil., 1.591 cm3 , 16V, 177 cv a 5.500 rpm, 27 mkgf a 1.500 rpm diesel, diant., transv., 4 cil., 1.956 cm3, 16V, 170 cv a 3.750 rpm, 35,7 mkgf a 1.750 rpm
Câmbio automatiz., dupla embr., 7 marchas, tração diant. automático, 9 marchas, tração 4×4
Suspensão McPherson (diant.)/multilink (tras.) McPherson (diant./tras.)
Freios disco ventilado (diant.) / disco sólido (tras.) disco vent. (diant.)/sólido (tras.)
Direção elétrica elétrica
Rodas e pneus liga leve, 225/55 R18 liga leve, 225/60 R17
Dimensões comprimento, 447,5 cm; largura, 185 cm; altura, 166 cm; entre-eixos, 267 cm; peso, 1.609 kg; tanque, 62 l; porta-malas, 513 l comprimento, 441,6 cm; largura, 181,8 cm; altura, 163,8 cm; entre-eixos, 263,6 cm; peso, 1.541 kg; tanque, 60 l
Equipamentos de série ar digital, controles de estabilidade e tração, teto solar panorâmico elétrico, banco do motorista com ajustes elétricos, airbags frontais, laterais e cortina chave presencial, multimídia com tela de GPS, bancos de couro, airbags frontais, laterais e de cortina, controles de tração e estabilidade e assistente de partida em rampas
Preço R$ 147.900 R$ 154.990
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. HardWing Plays

    Até 160k não tem veículo concorrente com o compass. Os outros eram muito caros e sem nada que justificasse o preço. A prova está aí! Pouco acima a história muda com vários modelos de várias marcas!

  2. Jefferson Barra

    Tem que ser muito otário pra comprar LIXO coreano!!!!

  3. 3º mundo adora, nos EUA onde a Jeep foi criada e se desenvolveu, mesmo com o nacionalismo que existe é considerada a 2ª pior marca de autos do mercado, perdendo só para sua dona, Fiat.
    Engraçado os grandes elogios ao 4×4 sendo que a maioria das pessoas o maximo que farão de offroad é andar em uma rua esburacada ou de paralelepípedo, ou se andarem na terra, passão pelos mesmo locais que um simples carro de passeio até rebaixado passa com total tranquilidade.

  4. Michael Jurcunas

    Caro Lvza. O termo 3º mundo nem sequer é mais usado oficialmente. Não sei porque tanta birra com a Jeep, como se Hyundai fosse a oitava maravilha do mundo. Pelo mesmo preço, vale muito mais a pena um 4 x 4 do que um 4 x 2. Ainda mais a diesel.

  5. Adão Batista

    Belos Suvs, principalmente o Jeep.
    Mas pelo meu bolso e pelo melhor custo benefício possível eu apostaria 5 mil temers a mais e ficaria com um Suv grande, com 7 lugares, completo, muito mais completos que os dois ai na comparação, com motor a gasolina 3,6L v6 de 279 CV! Isso sim é um grande negócio! Estou falando da nova trailblazer 2017 que sai por R$ 159,900, não tem como comparar, nem mesmo a sua concorrente a Sw4 oferece o que o americano oferece!
    Pensem e vejam a diferença por só 5 mil reais rs