Comparativo: Honda Civic Sport x Citroën C4 Lounge Origine

Com preços e pretensões distintos, Civic Sport e C4 Lounge Origine são sedãs médios com câmbio manual, segmento que se tornou raridade no mercado

Ainda novidade, visual do novo Civic ofusca o conservador C4 Lounge

Ainda novidade, visual do novo Civic ofusca o conservador C4 Lounge (Leo Sposito)

Sedãs médios equipados com transmissão manual hoje em dia são quase tão raros nas lojas quanto uma garrafa de vinho Chateau Lafite produzido em 1787. No mercado brasileiro, são apenas quatro: Volkswagen Jetta, Mitsubishi Lancer, Honda Civic e Citroën C4 Lounge (o Toyota Corolla GLi 1.8 manual é oferecido apenas para pessoas jurídicas).

Com a indisponibilidade de unidades para teste e ausências de novidades entre os dois primeiros, o comparativo concentrou-se entre os dois últimos modelos, ambos recém-chegados em versões até então inéditas em suas respectivas gamas.

Como já adianta o nome, o Civic Sport ganhou aspecto esportivo para justificar a adoção do câmbio com embreagem e disfarçar que é o mais barato da linha – mesmo custando elevados R$ 87.900. Já o C4 Lounge Origine não faz questão de disfarces e mostra, por dentro e por fora, que é a versão mais simples em busca uma boa relação de custo-benefício, com preço de tabela de R$ 73.590.

O Honda tem aparência agressiva e recebe tratamento especial no estilo em relação ao restante da linha, como grade pintada de preto e rodas escurecidas de 17 polegadas. Os faróis, com leds de uso diurno e projetores, e as lanternas, também iluminadas por leds, formam o belo conjunto do sedã metido a cupê.

Estilo "all black" do Sport é o mais interessante na linha Civic

Estilo “all black” do Sport é o mais interessante na linha Civic (Leo Sposito)

Por dentro do Civic, a impressão é de que estamos em uma versão superior. Mesmo com materiais de menor qualidade e toque mais rígido em relação ao francês, o Honda oferece linhas mais modernas, uma central multimídia e quadro de instrumentos coloridos e repletos de informações. Os bancos são confortáveis, mas seu tecido é menos aveludado que o do Citroën.

Painel de instrumentos é completo e moderno. A iluminação é agradável aos olhos

Apesar do acabamento simples, painel de instrumentos é completo e moderno, com iluminação agradável (Leo Sposito)

De outro lado, o Lounge Origine é uma típica versão de entrada. Apesar dos cromados e dos leds, ele é o único da gama com rodas de 16 polegadas (nas outras são 17) e pneus de perfil mais alto.

Rodas da versão Origine são mais simples, de 16 polegadas

Rodas da versão Origine são mais simples, de 16 polegadas (Leo Sposito)

Na cabine, o Citroën volta a nos relembrar que estamos em uma configuração mais barata. O sistema de áudio, com USB e Bluetooth, é representado por uma pequena tela com iluminação laranja que remete aos C4 de primeira geração, de 12 anos atrás.

O quadro de instrumentos tem iluminação branca e dispensa até o marcador analógico de velocidade e o de temperatura do motor, enquanto a tela da esquerda, onde fica o conta-giros, só serve para indicar a hora de trocar de marcha.

Painel digital é muito simples; tela da central multimídia é a mesma desde 2007

Painel digital é muito simples; tela da central multimídia é a mesma desde 2007 (Leo Sposito)

Apesar de serem revestidos com tecido mais macio do que o utilizado no Civic, os bancos do Lounge são menos ergonômicos e para alguns motoristas é difícil achar uma posição confortável de dirigir.

Os dois têm alarme, assistente de partida em rampa, controle de estabilidade, Isofix, retrovisores e travas elétricos e volante multifuncional – nenhum oferece opcionais.

Os R$ 14.310 extras do Civic em relação ao Lounge se justificam na maior quantidade de equipamentos do japonês, como ar-condicionado digital, air­bags laterais e de cortina (somando seis), central multimídia com tela colorida, câmera de ré (o C4 não tem sensor de ré!), freio de estacionamento eletrônico, brake hold, conta-giros e volante revestido de couro, além da boa relação com o mercado.

Mesmo mais caro e com revisões até 60.000 km pouco mais altas (R$ 4.306 contra R$ 4.267 do Citroën), o Honda ganha em liquidez de revenda e menor desvalorização, como é praxe entre os sedãs da Honda e Toyota.

Se o Citroën fica atrás no quesito equipamentos, ele mostra sua força no conjunto mecânico. O motor 1.6 turbo flex entrega 173/166 cv e 24,5 mkgf com etanol/gasolina. Junto do câmbio manual de seis marchas, o sedã vai de 0 a 100 km/h em 9,1 segundos, com bons números de retomada.

Motor 1.6 turbo gera 173 cv e 24,5 mkgf com etanol

Motor 1.6 turbo gera 173 cv e 24,5 mkgf com etanol (Leo Sposito)

Já o Civic, com motor 2.0 aspirado de 155/150 cv e 19,5/19,3 mkgf e câmbio igualmente de seis marchas, faz a mesma prova em 10,1 segundos. No teste de consumo, deu quase um empate no percurso urbano, com 9,6 km/l para o C4 contra 9,5 do Civic. Já no ciclo rodoviário, o Honda vence com folga, com a marca de 16,1 km/l contra 14,3 km/l do Citroën.

Com 155 cv e 19,3 mkgf, motor 2.0 não condiz com o nome Sport

Com 155 cv e 19,3 mkgf, motor 2.0 não condiz com o nome Sport (Leo Sposito)

Ao volante, o motor turbo do C4 faz toda diferença, com saídas e retomadas mais rápidas e empolgantes. Mas o câmbio não ajuda, com engates mais longos que os do Civic e uma segunda marcha fraca, que força o motorista a reduzir para a primeira em valetas e lombadas.

No C4, freio de estacionamento é manual, e câmbio poderia ser melhor

No C4, freio de estacionamento é manual, e câmbio poderia ser melhor (Leo Sposito)

A relação da transmissão do Civic é superior, apesar do desempenho que não condiz com a denominação Sport da versão. Quem também não conversa com a proposta é a suspensão, mas isso é bom: ponto criticado na geração passada por alguns donos, ela está mais macia.

No Civic, freio de estacionamento é elétrico

No Civic, freio de estacionamento é elétrico (Leo Sposito)

Se para o motorista a vida a bordo difere muito entre os sedãs, para os ocupantes é bem semelhante. Há espaço de sobra para quem vai atrás em ambos. No porta-malas, mais um ponto para o Civic: 525 litros contra 470 do C4.

Apesar do preço alto para uma configuração de entrada, o Civic leva a melhor pela maior oferta de equipamentos, pela melhor aceitação no mercado e maior prazer ao volante. Caso você valorize a performance, o C4 é uma ótima alternativa – que fica ainda melhor na versão intermediária Tendance, que traz câmbio automático e ainda é mais barata (R$ 84.990) e equipada que o Civic Sport manual.

Veredicto

O Civic é bem mais caro, porém mais equipado – os seis airbags, a central multimídia e a câmera de ré são de grande importância para a categoria. Também pesa a favor o prazer de dirigir e a boa fama no mercado. Se dinheiro não for o maior problema, o Honda vence.

Mas além de ser R$ 14.310 mais barato, o Lounge também é mais rápido. E se o câmbio manual não for uma necessidade, dá para levar o C4 automático por quase R$ 3 mil a menos.

 

Teste de pista (com gasolina)

C4 Lounge Origine Civic Sport
Aceleração de 0 a 100 km/h 9,1 s 10,1 s
Aceleração de 0 a 1.000 m 29,7 s – 179,6 km/h 31,3 s – 169,2 km/h
Retomada de 40 a 80 km/h (em 3ª) 4,8 s 7,1 s
Retomada de 60 a 100 km/h (em 4ª) 6,2 s 9,8 s
Retomada de 80 a 120 km/h (em 5ª) 8,3 s 13,6 s
Frenagens de 60 / 80 / 120 km/h a 0 16,4 / 28,5 / 68,2 s 16,2/ 26,9 / 64,2 s
Consumo urbano 9,6 km/l 9,5 km/l
Consumo rodoviário 14,3 km/l 16,1 km/l

 

Ficha Técnica

C4 Lounge Origine Civic Sport
Motor flex, diant., transv., 4 cil., 1.598 cm3, 16V, turbo, 173/166 cv a 6.000 rpm, 24,5 mkgf a 1.400 rpm flex, diant., transv., 4 cil., 1.997 cm3, 16V, 155/150 cv a 6.300 rpm, 19,5/19,3 mkgf a 4.700 rpm
Câmbio manual, 6 marchas, tração dianteira manual, 6 marchas, tração dianteira
Suspensão McPherson (diant.) / eixo de torção (tras.) McPherson (diant.) / multilink (tras.)
Freios discos ventilados (diant.) sólidos (tras.) disco ventilado (diant.) / sólido (tras.)
Direção elétrica elétrica, 5,2 (diâmetro de giro)
Rodas e pneus liga leve, 205/55 R16 liga leve, 215/50 R17
Dimensões comp., 462,1 cm; alt., 150,5 cm; larg., 178,9 cm; entre-eixos, 271 cm; peso, 1.430 kg; tanque, 60 l; porta-malas, 450 l comp., 463,7 cm; alt., 143,3 cm; larg., 207,6 cm; entre-eixos, 270 cm; peso, 1.275 kg; tanque, 56 l; porta-malas, 525 l
Equipamentos de série alarme, ar-condicionado, assistente de partida em rampas, ESP, faróis e lanternas de neblina e sistema de áudio com Bluetooth e USB ar-condicionado digital, brake hold, câmera de ré, central multimídia, ESP, freio de estacionamento elétrico e seis airbags
Preço R$ 73.590 R$ 87.900
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. henrique vdgal

    O site Exame.com mostrou uma classificação dos veículos com maior custo de manutenção do Brasil. Neste ranking foram avaliados os custos de reposição de peças, mão de obra e até mesmo as revisões periódicas. Confira abaixo quais os carros que são destinados para quem não tem problema com dinheiro:

    1º Volkswagen Golf GTI 2.0
    2º Volkswagen Jetta 2.0 TSI
    3º Chevrolet S10 2.4
    4º Chevrolet Spin 1.8
    5º Chevrolet Cruze Sedan 1.8
    6º Volkswagen Jetta 2.0 Flex
    7º Volkswagen Golf 1.4 TSI

  2. eu acho oC4louge nao essa versao falo a top de linha muito injustiçado, o carro tem motor muitos mimos e mesmo assim nao vende, eu to pensando em comprar um ja achei 2014/15 completaço por 50 mil…

  3. Este Civic não tem central multimidia como a reportagem tanto insiste. É só uma tela colorida com as funções de radio e usb, e alguns ajustes. Tem GPS? Reproduz DVD ou imagens?

  4. Leonardo Buntemeyer

    Voces falarm que o painel do C4 foi ¨empobrecido¨eliminando-se o velocimetro analogico e o marcador de temperatura. Mas nenhum C4, em qualquer versão, possui o marcador de temperatura.

  5. Um Civic com motor turbo de 173 CV e 20 Kg de torque que custa 125k é o lançamento do ano!
    Um C4 com motor turbo de 173 CV e 24,5 de torque que custa 73k não vale a pena comprar.
    Não dá pra entender mais nada!!!

  6. Interessante esse índice que o Henrique comentou.
    Nos sedans médios:
    Sentra (25) e Corolla (25) custo mais baixo (referência).
    Civic (28) e 408 THP (28) 12% mais caro.
    C4 THP (31) e Focus Fast (33) 24 a 32% mais caro.
    Jetta (37) e Cruze (38): 48 a 52% Mais caro.

  7. Alex Moreira

    Tenho um carro com motor THP, o mesmo do C4 Lounge, que é show. Iria de C4 Lounge porque é muito menos caro, se o Civic fosse menos caro aí pensaria nele.

  8. São bons os automóveis da Honda. Mas dois motivos me levaram à sua desistência. 1) A comercialidade como usado é dificultosa aqui na Bahia; 2) o atendimento dos vendedores em suas concessionárias aqui é muito ruim.

  9. Rudi S Junior

    A Honda fez um bom carro, mas o preço do carro é ridículo. O C4 peca por já estar um pouco desatualizado em itens. Mas mesmo assim nada justificaria os 14k a mais do Honda.

  10. Marcos Paulo Ferreira

    Cara logo logo carros como honda civic, corolla , c4 e etc estarão custando 200k!!! é insano oque estão pedindo por eles, com esta recessão esta tendo vendas destes carros? Poha galera acorda!!!