Comparativo de gerações: Chevrolet Zafira x Chevrolet Spin

As duas minivans da Chevrolet levam sete pessoas, mas por que a Spin nunca convenceu os donos da finada Zafira?

O dilema é: qual a melhor minivan com o logotipo Chevrolet?

Doze anos separam os dois projetos. Qual o melhor? (Jonas Tucci/Quatro Rodas)

Mesmo que a Chevrolet Zafira tenha pendurado suas chuteiras há quatro anos, até hoje há órfãos saudosos pelo Brasil por falta de opção. A vida de quem precisa de sete lugares não é fácil. Hoje, abaixo dos R$ 100.000, restam apenas três modelos como ela: Fiat Doblò (R$ 78.290), JAC J6 (R$ 58.990) e a Chevrolet Spin LTZ (R$ 69.890).

É justamente esta última a sucessora natural da Zafira, que até vende bem: no primeiro semestre, a média foi de 1.700 carros por mês. A questão é que ela ainda sofre por não atender às expectativas de quem conheceu a Zafira.

É o caso de Claudia Ribeiro, diretora de RH e dona de uma Zafira Elegance 2010/2011 desde zero-quilômetro. Ela pensou em trocar por uma Spin no início do ano, mas foi convencida por amigos a desistir. “Disseram que meu carro estava muito novo e que a Spin são seria tão boa.” Claudia nem foi conhecer a Spin.

Seria a Spin tão inferior ou ela realmente é vítima de preconceito? Para matar a charada, deixamos uma Spin LTZ 2017 com Claudia por um final de semana. Na hora de devolver, um elogio de pronto: “A Spin tem direção mais leve e macia e ainda passa a sensação de estar na mão em velocidades mais altas”, compara.

Projeto da Zafira é de origem Opel, a filial alemã da GM

Projeto da Zafira é de origem Opel, a filial alemã da GM (Jonas Tucci/Quatro Rodas)

Spin foi desenvolvida no Brasil pela Chevrolet

Spin foi desenvolvida no Brasil pela Chevrolet (Jonas Tucci/Quatro Rodas)

Em agosto, o monovolume passou por mudanças no conjunto mecânico para ficar mais eficiente. Uma delas foi a troca da direção hidráulica pela elétrica, que aumenta o peso conforme a velocidade vai subindo.

Frente à antiga Zafira, que tem um projeto 12 anos mais antigo, a Spin não só é mais econômica como é mais rápida. Mas nenhuma pode se gabar dos motores: tanto o antigo 2.0 8V Família II como o atual 1.8 8V Família I têm suas origens nos anos 80.

Ainda assim, a Zafira tem robustos 140 cv e 19,7 mkgf de torque frente aos 111 cv e 17,7 mkgf da nova Spin, diferença considerável se as transmissões automáticas não equilibrassem o jogo. A caixa de quatro marchas poda o desempenho da Zafira com suas relações longas, enquanto a de seis marchas da Spin tira o melhor do motor 1.8.

Mesmo assim, Claudia estranhou a quantidade de trocas de marcha da Spin nas retomadas. Testada com álcool, ela chega a 100 km/h em 11,7 segundos, quando as nossas medições de 2011 apontam 13,4 para a Zafira, também com etanol.

Vale comparar as fichas de teste mais abaixo para ver como a Spin leva vantagem no desempenho, mas precisa de mais espaço para frear. Se por um lado ela é 170 kg mais leve, por outro usa pneus mais estreitos (195/65 R15 contra 205/55 R16).

O QUE IMPORTA

Ter uma minivan ágil é bom, mas a versatilidade também deve ser posta na balança. O projeto dessa Zafira data de 1999, mas só estreou no Brasil em 2001. Faz tanto tempo que ela ainda trazia videocassete e monitor de TV como opcional. Mas a Zafira ainda pode ser considerada referência em espaço interno.

Interior da Zafira mostra sua idade, mas oferece ar-condicionado digital

Interior da Zafira mostra sua idade, mas oferece ar-condicionado digital (Jonas Tucci/Quatro Rodas)

Posição de dirigir da Spin é mais alta, mas afastada do para-brisa

Posição de dirigir da Spin é mais alta, mas afastada do para-brisa (Jonas Tucci/Quatro Rodas)

É verdade que você nota a idade do projeto na iluminação laranja no painel, na alavanca de câmbio em forma de T e pela necessidade de destravar as portas por um pino. Contudo, tem esmero no painel emborrachado, no couro macio que reveste portas e bancos (algo que a Spin não tem de série) e nos botões dos vidros elétricos iluminados, que já naquela época tinham função “um toque”.

Ar-condicionado automático digital já não é algo tão raro como há 15 anos, mas mesmo assim a Spin só oferece ar manual.

O motorista senta-se em posição mais baixa e avançada na Zafira, com visão melhor do que se passa na frente. “Me senti enclausurada na Spin: o painel fica muito alto e longe do motorista. E não dá para entender o porquê de se sentar tão afastado da porta”, conta Claudia, que ainda elogia a maior área envidraçada da Zafira.

Com 4,36 metros, a Spin é 3 cm mais comprida do que a Zafira, mas seu entre-eixos de 2,62 metros é 8 cm menor. Não é pouco, contudo, não é essa a impressão que se tem ao sentar no banco traseiro. Na Zafira, sobra espaço para as pernas dos passageiros.

Espaço para as pernas na segunda fileira é maior na Zafira

Atrás, espaço para as pernas é maior na Zafira (Jonas Tucci/Quatro Rodas)

Em ambas, terceira fileira só comporta crianças e adolescentes

Em ambas, terceira fileira só comporta crianças e adolescentes (Jonas Tucci/Quatro Rodas)

Ambas têm terceira fileira de assentos, mas não podem se gabar do espaço lá atrás, suficiente só para crianças grandes. Porém, só a Zafira tem a segunda fila que corre em um trilho, que permite negociar um espaço extra com quem sentar no fundão. Partindo do pressuposto que não é sempre que se carrega sete pessoas, a Zafira ainda leva vantagem por esconder os assentos extras no assoalho (seu famoso sistema Flex7), liberando espaço para a bagagem.

Segunda fileira da Zafira corre sobre trilhos

Segunda fileira de bancos da Zafira corre sobre trilhos (Jonas Tucci/Quatro Rodas)

Na Spin, bancos são inteiriços e de difícil rebatimento

Na Spin, bancos são inteiriços e de difícil rebatimento (Jonas Tucci/Quatro Rodas)

Na Spin, o processo é mais trabalhoso e exige força: você dobra o pesado banco inteiriço, rebate e o prende na segunda fileira com elástico. “Parece que ele não foi feito para mulheres. Tive de pedir ajuda para soltar o elástico, enquanto na minha Zafira eu só preciso apertar uma alavanca”, diz Claudia.

No porta-malas, outra vantagem: enquanto Zafira acomodou todas as cinco malas em pé, na Spin foi necessário colocar uma em cima da outra. Mas todas couberam bem nas duas minivans. E nos números, a Spin também perde: 553 litros contra 600 da rival. Agora você entende a saudade que tanta gente tem da Zafira?

Porta-malas da Zafira comporta 600 litros e permite melhor disposição da bagagem

Porta-malas da Zafira comporta 600 litros e permite melhor disposição da bagagem (Jonas Tucci/Quatro Rodas)

Spin tem menor capacidade de carga: leva 553 litros

Spin tem menor capacidade de carga: leva 553 litros (Jonas Tucci/Quatro Rodas)

VEREDICTO

Apesar do desempenho e consumo, a Zafira ainda é a melhor minivan com logotipo Chevrolet. Procure uma das últimas 2012 bem cuidadas e seja feliz.

Teste de pista (com etanol)
Chevrolet Spin LTZ Chevrolet Zafira 2010
Aceleração de 0 a 100 km/h 11,7 s 13,4 s
Aceleração de 0 a 1.000 m 33,5 s – 152,6 km/h 34,7 s – 158 km/h
Retomada de 40 a 80 km/h (em D) 5,0 s 5,7 s
Retomada de 60 a 100 km/h (em D) 6,8 s 8 s
Retomada de 80 a 120 km/h (em D) 8,9 s 9,6 s
Frenagens de 60 / 80 / 120 km/h a 0 15,3 / 26,7 / 61,8 m 14,8 / 26,7 / 58,2 m
Consumo urbano 8,3 km/l 6,3 km/l
Consumo rodoviário 10,6 km/l 8,5 km/l
 
Chevrolet Spin LTZ Chevrolet Zafira 2010
Motor flex, diant., transv., 4 cil., 1.796 cm3, 8V, 111/106 cv a 5.200 rpm, 17,7/17,1 mkgf a 2.600 rpm flex, diant., transv., 4 cil., 1.998 cm3, 8V, 140/133 cv a 5.600 rpm, 19,7/18,9 mkgf a 2.600 rpm
Câmbio automático sequencial, 6 marchas, tração dianteira automático, 4 marchas, tração dianteira
Suspensão McPherson (diant.)/eixo de torção (tras.) McPherson (diant.) / eixo de torção (tras.)
Freios disco ventilado (diant.) / tambor (tras.) disco ventilado (diant.) / sólido (tras.)
Direção elétrica, 10,9 m (diâm. giro) hidráulica , 10,5 (diâm. giro)
Rodas e pneus liga leve, 195/65 R15 liga leve, 205/55 R16
Dimensões comprimento, 436 cm; altura, 167,9 cm; largura, 173,5 cm; entre-eixos, 262 cm; peso, 1.235 kg; porta-malas, 553 l (5 lug.)/162 l (7 lug.); tanque, 52 l comprimento, 433 cm; altura, 169 cm; largura, 174 cm; entre-eixos, 270 cm; peso, 1.405 kg; porta-malas, 600 l (5 lug.)/150 l (7 lug.), tanque, 58 l
Equipamentos de série sensor de chuva, multimídia sem GPS, piloto automático ar automático, regulagem elétrica dos faróis, banco de couro
Preço R$ 69.890 R$ 34.766 (Fipe)

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Por mais que o projeto da Zafira seja antigo, era um projeto Opel, feito para países europeus. Na versão elite, por exemplo, tinha 4 airbags, abs com freio a disco nas 4 rodas, retrovisor eletrocrômico, faróis com regulagem de altura, ar digital e inteligente, retrovisores com aquecimento, e por aí vai… Equipamentos que jamais estarão numa Spin. Sem falar que ela era derivada do Astra, um carro médio. A Spin é derivada de carro popular…

  2. Como proprietário de uma Zafira 2010/2011 Elegance Flex (álcool e gasolina) desde zero-quilometro, deixo a seguir mais algumas informações sobre este comparativo com base na minha, já que a reportagem deixou dúvidas sobre qual o modelo de Zafira utilizado:
    Direção elétrica – Ponto para a Spin. Trata-se de uma melhoria em relação à direção hidráulica, mas nada que desabone esta.
    Câmbio – Ponto para a Spin. Acho que um câmbio de seis marchas casaria bem com o motor da Zafira. Mas como a GM do Brasil estava projetando a Spin, um veículo inferior para o consumidor Tupiniquim, então desistiu de renovar e manter a Zafira. Grande erro. Grande erro.
    Motor – Com base nos números da reportagem, na prática, considero um empate, pois independente do veículo, o desempenho é relevante apenas para ultrapassagens seguras, efetuadas com prudência dentro das normas de segurança, já que não estamos comentando sobre veículos para corridas. E a Zafira atende muito bem neste aspecto. Pode pisar que o motor responde bem.
    Iluminação do painel – Frescura, pois isto não altera em nada a dirigibilidade.
    Formato a alavanca do câmbio – Mais uma frescura, pois isto não altera em nada a dirigibilidade.
    Sensor de chuva – Outra frescura, pois isto não altera em nada a dirigibilidade.
    Ar-condicionado – Ponto para a Zafira. Quem já utilizou/utiliza ar digital nunca mais vai querer volta para o “analógico”, devido à praticidade do uso.
    Vidros elétricos com botões iluminados – Ponto para a Zafira. À noite é que iremos perceber a falta que faz um botão iluminado.
    Espaço interno – Ponto para a Zafira. Não há o que comentar.
    A segunda fileira de bancos sobre trilhos – Ponto para a Zafira. Faz uma diferença enorme. Além de ter o encosto para cabeça no centro, que é mais um item de segurança.
    A terceira fila de bancos – Ponto para a Zafira. Os bancos são individuais e podem ser escondidos no assoalho. Tenho 1,75m de altura e já viajei por até 100Km nesta fileira, sem problemas.
    Freios – Ponto para a Zafira. Tem freio a disco nas quatro rodas.
    Piloto automático – Empate. A Zafira também tem. Falha da reportagem.
    Controle de limite de velocidade – Ponto para a Zafira. Permite a fixar a velocidade dentro da faixa de 40 a 130Km/h.
    Regulagem elétrica dos faróis – Ponto para a Zafira. Item muito bom. Permite você regular inclusive com o carro em movimento, fazendo o ajuste para evitar ofuscamento aos demais motoristas.
    A reportagem também falhou ao informar o destravamento das portas por um pino. Na verdade todas as portas são travadas/destravadas por um botão no painel central. Sem contar o travamento automático ao atingir 15Km/h e destravamento pela retirada da chave da ignição.

    MEU VEREDICTO

    A Spin atual e as Zafiras com motor 133cv/140cv tem desempenho e consumo muito próximos. Então estes itens são irrelevantes. O que interessa é o resto e aqui a Zafira ganha “de lavada”. Fica muito à frente. Por isso nós, os proprietários de Zafira, ficamos órfãos. Se você está interessado em adquirir uma Zafira, procure qualquer uma com todas as revisões efetuadas e que esteja bem cuidada. Além de fazer test-drive na cidade e em rodovias.
    Acredito que se a Zafira fosse renovada e mantida pela GM, o seu preço hoje estaria em torno de R$ 120.000,00, competindo diretamente com a Citroen C4 Grand Picasso (R$ 129.000,00), que é outra bela minivan, mas que considero ainda não adequada ao mercado brasileiro e principalmente às nossas precárias rodovias.

  3. Anderson Santos

    A GM deu um tiro no pé com a Spin

  4. Marco Antonio Cardoso Andrade

    Temos um Zafira na família e o que é aquele banco traseiro que fica um “vão” entre a porta e o banco, fazendo que três atrás sentem apertados….

  5. Marco Antonio Cardoso Andrade

    Corrigindo meu comentário…temos uma SPIN na família….e o que é aquele vão entre a porta e o banco de trás, fazendo que a área útil do banco traseiro seja pequena!

  6. Piero Lourenço

    óbvio que a Zafira é melhor!!! projeto Opel!!! Tudo que é feito aqui é gambiarra!

  7. Felippe M Moura

    Reclamar dá nova spin tá de sacanagem é porque nunca dirigiu o carro(ou não têm dinheiro para comprar uma) é excelente alugamos na localiza o carro é 10 rodamos muitos km com carro cheio(7 pessoas) e andou bem e muito econômico (ainda sobrou muito combustível) carro automático, alias esse cambio automatico de 6 X da chev é 10 tb. recomendo a todos comprar automatico da chev. a única reclamação seria o carro não ter consumo estantaneo ou seja o dá hora, do momento que vc pisa no acelerador isso daria uma dimensão real do consumo.

  8. Chega a ser uma covardia comparar um projeto europeu com um projeto tupiniquim.

  9. Antonio Souza Lima Neto

    Na minha opinião o grande erro aí não é o projeto e sim a GM e a imprensa dizerem que a Spin veio substituir a Zafira. Os próprios colegas mataram a charada aí nos comentários: a Zafira deriva de um sedã médio europeu enquanto a Spin é feita numa plataforma de carro compacto alongada. A Spin é um produto com custo-benefício bom, pois atingi um público novo, vindo de outras categorias de carro, que precisam de mais espaço. Vide o sucesso de vendas que é carro…vende mais do que Zafira e Meriva vendiam juntas e vende mais que todas as concorrentes juntas. É esperado que os ex-zafira estejam dirigindo SUVS, Crossovers ou Minivans de outras marcas, pois uma Zafira nova não custaria menos do que R$ 115.000,00. Por isso, acho perda de tempo esse comparativo

  10. O pior é vermos um carro com projeto 12 anos mais antigo vencer um comparativo com tranquilidade, vários itens que a zafira tem e que já possuía desde seu lançamento em 2001, ainda não são oferecidos na Spin. E o mais triste é que o mesmo ocorreu em toda linha da Chevrolet, mas ela está colocando no mercado os produtos que o nosso consumidor procura, logo não podemos reclamar, só lamentar.