Toyota afirma não ter planos de trazer o C-HR para o Brasil

Produção mundial do SUV está comprometida com outros mercados; Brasil pode esperar a versão híbrida

Chances de o Toyota C-HR vir para o Brasil são remotas em um futuro próximo (Divulgação/Toyota)

Steve St. Angelo, CEO da Toyota para a América Latina, afirmou para a QUATRO RODAS durante o Salão de Buenos Airos que o Toyota C-HR não deve vir para o Brasil este ano, nem em 2018.

O executivo reconheceu a importância do segmento de SUVs compactos, mas justificou que no momento a matriz priorizou investimentos em outros mercados.

“A produção já está totalmente direcionada e teríamos que tirar unidades de outros mercados para atender ao nosso. Não temos essa possibilidade”, diz o executivo.

Toyota C-HR Hybrid (Divulgação)

Por aqui, o C-HR precisaria ter motor 2.0 a combustão, configuração atualmente oferecida nos Estados Unidos. Aquele mercado é atendido pela fábrica localizada na Turquia. Esta planta é a única a fabricar o crossover no planeta, e hoje opera em sua capacidade máxima.

Apresentado em 2016, além dos Estados Unidos, o C-HR é comercializado na Ásia, Austrália e Europa.

Cabine traz desenho minimalista e bom nível de acabamento (Divulgação/Toyota)

Quando questionado sobre a viabilidade de produzir o utilitário-esportivo no Brasil, mais uma vez o presidente da Toyota descartou as chances. “Nesse caso, o investimento na fábrica seria muito elevado e não teríamos volume suficiente de vendas”, afirma.

Discretamente, o C-HR de série foi exibido apenas no site da Toyota

Discretamente, o C-HR de série foi exibido apenas no site da Toyota (Divulgação/Toyota)

Em vez de eliminar qualquer possibilidade de o C-HR vir para o Brasil, Steve St.Angelo disse que provavelmente o modelo chegaria na versão híbrida. E cumpriria inicialmente uma função mercadológica semelhante à do Prius, um carro de imagens, mas com vendas tímidas.

O C-HR utiliza a plataforma TNGA, a mesma do Prius e que também será utilizada na próxima geração do Corolla, que deve ser lançada em 2020. Os três modelos também compartilharão o mesmo conjunto mecânico híbrido. Ou seja: a médio-longo prazo, fabricar a plataforma TNGA no Brasil será quase obrigatório.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Atualmente, a Toyota é a montadora que faz menos questão do mercado brasileiro. O brasileiro a colocou no pedestal. A marca vende na quantidade que acha seguro produzir. Não oferece diversidade e nem novidade para o país. As suas vendas mundiais a tornaram independente da maioria dos mercados nacionais.

  2. Edson Pereira

    Por que a 4 Rodas o chama de SUV se até a Toyota o chama de crossover? Vejam o site da Toyota de Portugal

  3. Edson Pereira

    Se a fábrica da Turquia está na capacidade máxima, fabriquem aqui e vendam no mercado interno e exportem o excedente

  4. A toyota se surpreenderia com a quantidade de CHRs híbridos que venderia se trouxessem. Eu diria tranquilamente que podem chegar a vender 1k/mes desses. Se isso não é bom perto do que ela vende o prius e o rav4, então não sei nem quanto é 2+2.

  5. Felippe M Moura

    Carro muito feio de frente, pqp, mas a traseira é show e o interior tb.