Top Ten: só pra contrariar

Em vez de seguir os padrões da indústria, esta turma do contra resolveu seguir outro caminho

Citroën XM

O volante de raio único do Citroën XM

Banco de ideias

Mercedes-Benz S 63 AMG Coupé

Mercedes-Benz S 63 AMG Coupé

Quem já usou assento com regulagem elétrica sabe onde os botões ficam: do lado esquerdo, junto à coxa. Menos nos Mercedes-Benz, que resolveu inventar moda. Mas ficou lindo: posicionados nas portas, os comandos têm o formato de um banco estilizado.

 

Prossiga, câmbio!

Mercedes-Benz ML350 Bluetec 4Matic

Mercedes-Benz ML350

Outra bossa dos Mercedes: em alguns modelos mais familiares, o câmbio automático fica à direita da coluna de direção e igual à alavanca do limpador. Basta chover e os novatos na marca jávão lá e acionam o comando sem querer.

 

Roda presa

FIat Mille Fire

FIat Mille Fire

Diferentemente do Uno italiano (e do resto do mundo), o modelo brasileiro ganhou em 1984 o estepe junto ao motor. Além de aumentar o pequeno porta-malas, evitava ter de descarregá-lo se um pneu furasse.

Raio solitário

Citroën DS

Citroën DS

Volante geralmente possui dois, três ou quatro raios. Mas durante muito tempo a Citroën equipou seus carros com volantes de raio único – como os dos DS (foto), GS, BX e XM. Décadas depois, em 2004, ela surpreenderia novamente com o volante de cubo fixo da linha C4. 

 

O lado bom da vida

Porsche 911

Porsche 911

A ignição dos Porsche à esquerda remete à antiga largada das 24 Horas de Le Mans: de pé, os pilotos corriam até o carro e davam a partida com uma mão enquanto a outra engatava a primeira marcha.

 

Coração horizontal

2013-Scion-FR-S-Boxer

Motor boxer do Toyota GT86 / Subaru BRZ

Já foi o tempo em que o motor boxer com cilindros opostos horizontais era sinônimo de Fusca ou Porsche – agora a marca traz V6, V8 e propulsão elétrica. Mas ele ainda é a alma dos Subaru, pois baixa o centro de gravidade e ocupa pouco espaço.

 

Muito barulho por nada

Peugeot 106 Rallye

Peugeot 106 Rallye

Até os anos 90, a Peugeot cultivava duas tradições. Uma era usar um zero no meio do nome do carro (206, 306 etc.). A outra era instalar a buzina num lugar incomum: na ponta da alavanca do pisca-pisca. O primeiro Celta vendido no Brasil tinha o mesmo mecanismo, logo trocado pelo tradicional acionamento no volante.

 

Parafusos a menos

Corcel II LDO 1

Corcel II

Na época em que o padrão era a roda de quatro furos, o Corcel tinha só três, o que lhe rendeu fama de difícil de balancear, além da pequena oferta de aros esportivos para quem curtia um visual diferente.

 

Sob nova direção

Peugeot 208

Peugeot 208

Ao dirigir um Peugeot 208, logo se percebe algo de diferente no interior chamado i-Cockpit: o quadro de instrumentos tem de ser visto por cima do pequeno volante. Se você possui estatura mediana, consegue ajustá-lo e aproveitar suas vantagens. Já se você mede mais de 1,80m… É um caso típico de “ame ou odeie”.

 

A chave do sucesso

Ford Focus

Ford Focus

Para abrir qualquer capô, todos sabem o que fazer: puxar a alavanca sob o painel, à esquerda. Mas, em 1998, a Ford resolveu fazer diferente no Focus: precisava girar o logotipo na grade e usar a chave do carro.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s