Top ten: parceria de renome

Independência financeira que nada: às vezes, duas marcas unem suas forças para fazer história

FORD E JEEP

(divulgação/Quatro Rodas)

O Jeep Willys foi montado no país pela Willys Overland do Brasil em 1954. Após a matriz se afundar numa crise financeira nos EUA, o 4×4 passou a ser feito aqui sob a marca Ford-Willys até 1970. A Ford comprou depois a licença de produção do modelo e o fabricou até 1983.

VW E PORSCHE

(divulgação/Volkswagen)

A VW queria aposentar o Karmann Ghia e a Porsche, o modelo 912. Assim veio o 914, ou VW-Porsche. O projeto seria designado à Porsche, a mecânica à Volks e a carroceria seria da Karmann, que já fazia o 911 e o 912.

TOYOTA E SUBARU

(divulgação/Toyota)

A união das japonesas gerou os gêmeos Toyota 86 (foto) e Subaru BRZ. Produzido desde 2012, trazem sempre o mesmo motor Subaru boxer 2.0 de 200 cv. Nos EUA, virou Scion FR-S, extinta divisão local da Toyota.

BMW E ISO

(divulgação/BMW)

Em 1953, a Iso mostrou um minicarro com cara de ovo. Em 1955, a italiana cedeu a licença para a fabricação do BMW-Isetta (foto) na Alemanha. O projeto ganhou outros países e até o Brasil, onde virou Romi-Isetta.

CITROËN E MASERATI

(divulgação/Citroën/Top ten: parceria de renome)

Do acordo entre as duas empresas surgiu, em 1970, o Citroën SM. Com design nada convencional, ele reunia o melhor de ambos: motor Maserati de 170 cv e a revolucionária suspensão hidropneumática francesa.

AUDI E PORSCHE

(divulgação/Audi)

Em 1994, elas desenvolveram juntas a perua Audi RS2. A base e o cinco cilindros 2.2 turbo de 315 cv eram da Audi 80 Avant, mas com tempero Porsche em motor, suspensão e freio. Dos 2.891 carros, 60 vieram ao Brasil.

FERRARI E LANCIA

(divulgação/Ferrari)

Nos anos 80, a Lancia lançou o Thema 8.32 (8 cilindros, 32 válvulas), cujo motor 2.9 era basicamente o mesmo da Ferrari 308, com algumas adaptações. Com 215 cv, o sedã atingia 100 km/h em apenas 6,8 segundos.

MERCEDES E SSANGYONG

(divulgação/Ssangyong)

Da parceria de 1991 nasceu o SsangYong Musso, com motores Mercedes. Assim, a coreana usava a rede da marca alemã e esta ganhava uma opção de SUV, que também foi vendido com o emblema da Mercedes.

MERCEDES E MCLAREN

(divulgação/Mercedes-Benz)

A aliança das duas nas pistas resultou, em 2003, no Mercedes SLR McLaren. Ele foi todo desenvolvido em conjunto, mas a produção era em Woking, sede da marca inglesa, e o V8 5.4 de 626 cv vinha dos alemães.

LOTUS E ISUZU

(divulgação/Chevrolet)

Lançada em 1989, a terceira geração do Lotus Elan ganhou um motor 1.6 da Isuzu, fruto de um acordo com a GM, que era dona da marca japonesa. Turbinado e com 165 cv, ele levava o esportivo inglês de 1.000 kg a 220 km/h.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Franco Vieira

    Outras parcerias históricas:
    Mclaren + Bmw = Mclaren F1
    Ferrari + Maserati = Maserati 3200 GT