Top ten: os recalls mais estranhos

Teia de aranha, emblema trocado, adesivo sem cola: já teve cada recall por aí...

Atendimento personalizado

(divulgação/Koenigsegg)

Em 2014, a GM foi responsável pelo maior número de carros envolvidos em recalls nos EUA – quase 29 milhões de veículos. Já a Koenigsegg notabilizou-se pelo oposto: chamou por lá só uma unidade, um Agera modelo 2012. E o defeito nem era tão grave assim: o monitor de pressão dos pneus demorava a indicar um dos sensores.

Cinto muito

(divulgação/Chevrolet)

Ao importar o M100, a Effa Motors trouxe alguns com cinto traseiro diagonal. Como a lei brasileira exige o de três pontos, em 2010 convocaram 900 carros para checar: ela nem sabia quais estavam irregulares.

Essa não colou

(divulgação/Chevrolet)

Em 2013, a GM chamou 18.941 Camaro só por causa de um adesivo que podia descolar do para-sol. Tudo porque nele há um aviso de risco de o airbag inflar se o usuário não seguir as recomendações da marca.
Trocando as bolas

(divulgação/Honda)

Fazer um recall apenas porque o emblema está do lado direito em vez do esquerdo? Esse foi o caso da Honda Odyssey 2013. A alegação: poderia dar a entender que a minivan americana já foi batida ou repintada.

Freio fantasma

(divulgação/Renault)

Na Inglaterra, Peugeot, Citroën e Renault fizeram em 2011 um recall de freio devido a uma adaptação malfeita: ao realocar a direção na direita, o passageiro poderia frear o carro se pressionasse o piso com força.

Partida autonôma

(divulgação/Subaru)

Subaru XV, Legacy, Outback e Impreza (2010 e 2013) equipados com sistema de partida remota ligavam sozinhos se a chave caísse no chão. Não deu outra: chamaram mais de 47.000 carros para o conserto.

Mulher no comando? Nunca!

(divulgação/BMW)

Nos anos 90, a BMW convocou um recall dos sedãs da Série 5 para trocar a voz feminina do GPS por uma masculina. A razão era o mais puro sexismo: os alemães se negavam a receber ordens de direção de uma mulher.

Fogueira das vaidades

(divulgação/Volkswagen)

A Volkswagen americana teve de trocar o sistema de aquecimento dos bancos dianteiros de 94.000 Jetta porque eles aqueciam demais: causaram um total de 287 queimaduras e até 500 incêndios.

Carro do homem-aranha

(Toyota/Divulgação)

Nos EUA, o condensador de ar-condicionado dos Toyota atraía aranhas por ficar em local escuro e úmido. Assim, havia risco de a teia bloquear o tubo de drenagem e acumular água no módulo que podia acionar o airbag.

Esqueceram de mim

(divulgação/Chevrolet)

Em 2011, o recall do Chevrolet Sonic só ocorreu porque um cliente americano ouviu um ruído estranho nas rodas. Motivo? Descobriu-se depois que 4.873 unidades saíram da fábrica sem pastilhas de freio.

Veja também
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s