Top ten: os carros que brincam de esconder equipamentos

Sem dar uma olhada no manual, vai ser difícil descobrir onde ficam estes dez equipamentos...

Pagani Huayra

(divulgação/Divulgação)

Na traseira, está o enorme V12; à frente, radiador e outros reservatórios. Então não sobrou espaço para o porta-malas? Que nada! Foi improvisado nas laterais – mas juntos somam só 85 litros.

 

Land Rover Discovery

(divulgação/Land Rover)

Quem olha o interior da nova geração – que só chega à Europa neste ano – pode pensar que enfim aboliram o CD player. Mas ele continua lá, atrás do painel de controle do ar digital, que ao ser aberto revela ainda um porta-objeto.

 

Peugeot 607 e 508

(divulgação/Divulgação)

Em 1999, a Peugeot instalou no seu sedã grande um inusitado botão para abrir o porta-malas. Bastava pressionar bem no meio do zero do logotipo “607”. A moda se repetiria em 2010 no seu sucessor, o 508.

 

Renault Gordini

(divulgação/Divulgação)

Por causa do motor traseiro, o estepe do carro lançado no Brasil em 1962 teria de ser guardado na frente. Para facilitar o acesso, alguém teve a ideia de escondê-lo no espaço atrás da placa dianteira, no para-choque.

 

Chevrolet Bel Air 1956

(divulgação/Divulgação)

Os frentistas novatos sofriam para achar o bocal do tanque neste clássico. O recurso também foi usado por outros da época, como os Cadillac. Nos anos 60 e 70, alguns passaram a escondê-lo atrás da placa, como no caso do Ford Corcel II brasileiro

 

Porsche Panamera Turbo

Seu aerofólio embutido é um show à parte: ao ser acionado, ele se levanta, divide-se em duas partes que vão para as extremidades e uma terceira parte se encaixa no meio. Fora de uso, a asa se recolhe e fica rente à lataria.

 

Mercedes SLR McLaren

(divulgação/Divulgação)

Entre no SLR e tente localizar o botão de partida que liga seu V8 5.4 de 626 cv. Pode procurar no painel inteiro que não vai achar. Só os iniciados sabem que ele se esconde sob uma tampinha na alavanca do câmbio.

 

Ferrari F355

(divulgação/Divulgação)

Abrir uma porta pode ser mais difícil do que parece. Na F355, de 1994, a maçaneta era embutida na entrada de ar lateral, imperceptível à primeira vista – o motorista precisava agachar para visualizá-la.

 

Audi A3

(divulgação/Divulgação)

O sedã é equipado com o sistema multimídia MMI (inaugurado no A8, em 2002) que, desligado, desaparece da paisagem – ajudando a chamar menos a atenção de quem está do lado de fora. Mas é só colocar a chave na ignição para ver a tela saltar eletricamente de dentro do painel.

 

VW Golf

(divulgação/Divulgação)

Para não estragar o visual da traseira, a Volks escondeu a câmara de ré num lugar bem discreto das versões top do Golf: quando o motorista engata a ré, ela logo surge no logotipo que bascula automaticamente.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. André Gonçalves

    Já que falaram do Gordini e da Bel Air, façam justiça ao Fusca… Tem muito frentista novinho que fica procurando como abastecer o veículo!