Top Ten: nomes e emblemas que já foram motivo de orgulho

16V, turbo, 2.0, injeção eletrônica, automático... eles já significaram sofisticação e performance, mas hoje ninguém dá muita bola

Automático de 4 marchas

Chevrolet Opala Diplomata

O Automatic-4 que o Opala adotou em 1988 trazia boas referências – era usado pela BMW e pela Jaguar. O padrão dos automáticos então eram três marchas. Hoje quem tem esconde – como o Toyota Etios e o Renault Duster.

 

Injeção eletrônica

VW Gol GTi

No início ela era restrita a carros mais caros, como o pioneiro Gol GTi (1989) e o Santana 2000 i Executivo e o Monza 2.0i 500 EF (1990). Quando o “i” ficou comum, o jeito foi destacar o tipo de injeção, como a multiponto MPFI dos Chevrolet.

 

Álcool

Ford Corcel II

O primeiro carro a álcool de série no Brasil foi o Fiat 147, de 1979. Mas, das plaquetas que identificavam a novidade, marcou época a do Ford Corcel II, com as gotinhas azuis em degradê. Para orientar o frentista, o bocal do tanque tinha o adesivo “álcool hidratado”.

 

Turbo

Fia Tempra Turbo

Era a pura tradução de esportividade. Chegou aos nacionais de passeio com o Uno em 1994 – a Ford F-1000 a diesel tinha desde 1991. Depois a Fiat usaria o emblema na grade do Tempra. Atualmente as marcas usam denominações como TFSI, EcoBoost e THP – e muitos nem sabem que ali há um turbo escondido.

 

Ignição eletrônica

Fiat Uno Mille Electronic

Em 1992, o Mille estava no auge e a injeção eletrônica era o que havia de mais sofisticado. Muita gente teve Mille Electronic, de 1993, sem saber que ele usava carburador – o “Electronic” era da ignição eletrônica, que aposentou o platinado.

 

6 marchas

Fiat Siena com seis marchas

“Seu motor nem parece 1.0”, disse QUATRO RODAS sobre o Siena 6 Marchas, primeiro nacional com esse câmbio, em 1998. Ele melhorou nas subidas e ultrapassagens, mas não vingou no mercado. Nos carros atuais, só a alavanca revela que lá existem seis marchas.

 

16 Válvulas

Fiat Tempra HLX 16V

A sigla ressaltava o desempenho do Tempra mais luxuoso, que em 1993 foi o primeiro nacional com quatro válvulas por cilindro. Hoje nem mesmo os 1.0 utilizam o termo. Alguns, como o Firefly da Fiat, inclusive optaram por voltar às duas válvulas por cilindro. Outros, com três cilindros, somam 12 válvulas – algo que já não soa com tanta força.

 

Flex

VW Gol 1.6 Total Flex

Para marcar a revolução que surgiu em 2003, os pioneiros festejaram com nomes pomposos: Total Flex (VW), Flexpower e Econo.Flex (Chevrolet) e Hi-Flex (Renault). Os que vieram depois encolheram para apenas Flex. Hoje alguns, como o Uno, nem avisam mais.

 

Tração 4×4

Ford Pampa 4x4

O sistema já foi raro, complexo e caro. Por isso merecia destaque, como na Ford Pampa 4×4, de 1984. Isso foi quase uma década antes da F-1000 oferecer o recurso. Agora são utilizados termos como 4Motion e 4WD –  e você que se vire para saber o que é.

 

Litragem

Honda Civic EXR 2.0

Durante muito tempo, o volume de um motor era (pelo menos para os leigos) o item mais relevante para ser exibido ao público. A popularização do turbo e da injeção direta acabou com esse status – hoje temos motores 1.0 mais fortes que os 2.0 de poucos anos atrás.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Cássio Poerschke

    Nos 1.6 e 1.8 da Fiat ainda aparece 16V do lado.

  2. Isso é tão verdadeiro que o Toyota Etios, tanto 1.3 quanto 1.5 são 16 válvulas e pouca gente sabe disso porque a fábrica nem faz questão de ostentar isso nos logotipos dos carros.

  3. Thyago Moraes

    Seu motor nem parece 1.0, disse QUATRO RODAS sobre o Siena 6 Marchas, ja andei nesse Siena, nem parece 1.0, parece menos kkk

  4. Michel Regis Carvalho

    Um 2.0 com 120 cv é bem mais gostoso de andar que um 1.0 com mesma potência.

  5. Chrystovon Gewehr Babo

    Michel, um 2.0 com 120 hp é mais divertido que um 1.6 com 120 hp por causa do torque oferecido pelo motor….a menos que seja um motor turbo com 120 hp, que terá um torque muito mais significativo em rotações muito menores, agora, realmente um Golf gti com motor Ap 120 hp anda muito mais na cidade que um Palio 1.6 16v que a minha esposa tem porque só atinge os cavalos em uma reta maior. Um abraço

  6. O Chrysler Stratus de 1997 ( ano que iniciou a importação oficial ao Brasil ) trazia apenas o nome do carro na tampa traseira e a versão na lateral e mais nada. E olha que tinha motivos para ostentar naquela época pois trazia na versão LX um belo motor mitsubishi V6 2.5 24V e um cambio automático com opção de trocas manuais, o que era raro em 97. Mas acho bacana não ostentarem essas coisas, assim como a maioria das montadoras fazem hoje em dia.

  7. hoje temos motores 1.0 mais fortes que os 2.0 de poucos anos atrás kkkkkkkkkkkkkk, só um burro e leigo para escrever isso. NUNCA um 1.0 será mais forte que um 2.0

  8. luiz antonio vieira souza

    Atualmente as montadoras escondem a indicação da cilindrada dos motores mais populares, e colocam apenas dos mais potentes. Nenhum carro 1.0 tem essa indicação atrás, mas se o carro tem outra versão é indicado.
    GM Onix
    1.0 oculto
    1.4 visível
    Toyota Corola, Honda Civic
    1.8 oculto
    2.0 visível

  9. Carros Com Isenção

    [ + de 50% dos Brasileiros Tem Direito e NÃO SABE ]

    Você tem tendinite ? Hepatite ? Sabia que poderia estar economizando uma GRANA ao comprar um carro novo ?

    São mais de 30 patologias que dão direito ao benefício. Listamos abaixo as mais comuns:
    – Artodese
    – Escoliose
    – Artrite Reumatóide
    – Hérnia de Disco
    – Parkinson
    – Artrose
    – Derrame
    – Vários tipos de câncer
    – Próteses internas e externas
    – Bursite
    – Tendinite
    – LER

    Doenças como Síndrome de Down e Autismo também dão direito como Não condutor.

    Apesar da isenção de impostos ser prevista em lei, muitos brasileiros não sabem que possuem esse direito, e os que sabem não fazem a menor idéia de como conseguir.

    Diversas doenças estão classificadas entre as que dão direito e são mais comuns do que se imagina. É o caso da hérnia de disco e da tendinite.

    A população brasileira gira em torno de 200 milhões, e conforme informado por Rodrigo Rosso, presidente da ABRIDEF e Diretor da Revista Reação, 50% do brasileiros tem o direito e não sabem.

    O guia “Carro Com Isenção” é totalmente baseado nas atuais leis e com todas as armas para que o cliente fuja da burocracia.

    Acesse e Saiba Mais >> http://mon.net.br/b885

    Zap para mais infos (21) 96495-0438