Segredo: novo Renault Duster terá versão com sete lugares

Próxima geração do SUV da Renault estreia em 2018, será equipada com novo motor 2.0 SCe e terá versão de sete lugares

A plataforma é a mesma, mas o visual muda completamente

A dianteira vai adotar a nova identidade visual da marca para SUVs (Du Oliveira/Quatro Rodas)

A segunda geração do Renault Duster já está a caminho. Lançado no Brasil em 2011, um ano após sua estreia na Romênia com a marca Dacia, o SUV estreia por aqui sua nova versão no segundo semestre de 2018. Ou seja: cerca de um ano depois de sua apresentação na Europa, que deve ocorrer no final deste ano.

A avant-première é esperada mais precisamente para setembro, no Salão de Frankfurt, Alemanha. A principal novidade do modelo será a versão de sete lugares – notícia antecipada nesta seção, na edição de maio de 2015.

O Duster deve mudar bastante, na comparação com o modelo atual, mas não deixará de lado seu conceito de SUV robusto e com pouca sofisticação, para assegurar uma boa relação custo-benefício.

Por essa razão, apesar de ser considerado um exemplar de nova geração, o Duster terá a mesma plataforma do antecessor, com algumas melhorias estruturais apenas. No caso da versão de sete lugares, a base será a mesma da picape Oroch, que é 15,5 cm mais longa na distância entre-eixos.

Duster continuará a ser um SUV simples e robusto

Versão de sete lugares usará a plataforma da picape Oroch (Du Oliveira/Quatro Rodas)

Entre os equipamentos, pode-se esperar o mesmo padrão de conteúdo do modelo oferecido atualmente, com ar-condicionado, direção eletro-hidráulica e rodas de liga leve, nos pacotes de entrada. As versões completas terão ESP, central multimídia e luzes de posição de leds. Mas haverá mudanças na parte mecânica.

A boa-nova aqui é a oferta do novo motor 2.0 SCe, que aposenta o atual 2.0, e vem se juntar ao 1.6 SCe que chegou à linha Renault no final de 2016. Essa linha de motores traz diversos recursos para aumentar a eficiência, como tratamento redutor de atrito e sistema de gestão de energia da bateria.

Daí a sigla SCe, que vem de Smart Control Efficiency. O motor 2.0 SCe vai estrear antes do Duster, no entanto. Ele já está sendo testado no Brasil e virá no Captur, no segundo semestre deste ano. Em relação à transmissão, além do câmbio manual de cinco marchas, pode haver a opção da caixa automática tipo CVT (continuamente variável) – o novo Captur ainda não emplacou no mercado, e uma das principais críticas é justamente o defasado câmbio automático de quatro marchas.

O design ainda é segredo. A projeção que você vê nesta edição foi baseada em apostas feitas pela imprensa europeia. A expectativa é que os designers busquem inspiração para esse modelo originalmente Dacia na linha de SUVs da marca Renault, em modelos como o Koleos e o Kadjar, por exemplo.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Bem, a projeção lembra um Kadjar ou um Kaptur. Apostaria num design mais diferenciado, pois a Dacia tem um estilo mais comum que um Renault (mesmo depois da “Renaultização” para serem vendidos nos mercados onde a Dacia não existe).

  2. Enfiaram uma grade de Captur na frente e deram uma arredondada nas linhas.

  3. Ricardo Siade

    É apenas uma projeção. Acredito que a Renault/Dacia utilizará, para reduzir os custos, a mesma fórmula utilizada no modelo em produção atualmente, quer dizer, portas, para-brisas painel e outras partes do Logan/Sandero.

  4. HardWing Plays

    Renault não é muito prática. Vai lançar um Duster 2.0 SCe com câmbio CVT com 7 lugares depois de ter lançado um Captur com motor 2.0 antigo com cambio de 4 marchas. Claro que não entendo de nada, mas será que sou tão burro assim que não consigo entender essas opções?

  5. Dudu Pimentel

    Preço: 80 mil (1.6 SCe de entrada) e 100 mil (2.0 SCe top de linha)…logicamente que o Captur subirá de preço e nesse sentido, acho que ele subiria para 90 mil reais e 110 mil reais, respectivamente.
    Motor 2.0 SCe: 150 cv / 153 cv e 20,5 kgfm / 21,5 kgfm (gas/etan).
    Todos os valores, são estimativas minhas.

  6. Dudu Pimentel

    Além do que eu flei sobre Captur e Novo Duster, acho que ele perderia o motor 1.6 SCe, ficando com 2.0 SCe na versão de entrada e intermediária e quem sabe as versões intermediária terá opção de motor 1.6 TCe e na top somente esse motor…vamos ver oq teremos

  7. Essa Duster parece uma station wagon que tomou Whey para ficar marombada. Saudade das peruas dos anos 1990…