Scania comemora 60 anos de Brasil homenageando o clássico 113

Série especial vai reproduzir a pintura do 113, modelo mais famoso da marca no país

scania 113

Tom de azul e faixas remetem ao 113 dos anos 1990 (Reprodução/Quatro Rodas)

A Scania completará em julho 60 anos de operações no Brasil. As comemorações incluem uma série especial pensada não para relembrar o Scania L 75, primeiro da marca fabricado no Brasil, mas sim o Scania 113, um dos caminhões mais famosos das estradas brasileiras.

Scania 113

(Reprodução/Quatro Rodas)

Batizada de “Edição Especial 60 anos” a série está disponível para os modelos R 440 (6×2, 6×4 e 8×2) e R 480 (6×4) nas versões Highline Streamline. A cor escolhida é a emblemática azul celeste do 113, ornamentada pelas clássicas faixas laterais nas cores rosa, lilás e roxa.

Scania 113

(Reprodução/Quatro Rodas)

Os carros desta série estão disponíveis em dois pacotes de equipamentos: o Clássico, com faróis de xenônio e geladeira, e o Clássico Estilo, que soma rodas de alumínio polido, volante e assentos de couro e painel color plus.

Valorizado até hoje

Também conhecido como Série 3, o Scania 113 chegou ao Brasil em meados de 1991 e permaneceu em produção até 1998, quando foi substituído pelo Série 4. Mesmo assim, é considerado “o melhor Scania de todos os tempos” por entusiastas de caminhões. 

Scania 113H (Reprodução/Quatro Rodas)

As cores e faixas da carroceria ajudaram o 113 a se diferenciar do 112H, que era muito parecido com ele. Mas foram a cabine alta Topline e o painel envolvente, adotados em 1994, que fizeram o Scania 113 ser tão desejado entre os caminhoneiros. O vídeo abaixo mostra tudo isso em detalhes.

Bem, não foi só isso. O que se conta é que estes caminhões passavam até 5 anos sem ter problemas mecânicos, fazendo apenas manutenção preventiva. Muitos são os relatos de mais de 1 milhão de km rodados sem nenhum problema. Não à toa, o 113 ganhou fama de caminhão durável e com baixo custo de manutenção, uma garantia de produtividade para seus proprietários.

Scania 113M (divulgação/Internet)

Os motores usado pelo 113 eram o seis cilindros de 11 litros em versões de 310, 320 e 363 cv, este último com 162 mkgf de torque, além de um V8 com 14 litros, 450 cv e 195 mkgf de torque.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Sergio Augusto

    O caminhoneiro Brasileiro e obrigado a aceitar goela abaixo, caminhão cara chata frontal, paredão !!!!

  2. Aidlson César Álves Costa

    Culpa dessa legislação que não incentiva a arte! Dane-se o motorista! Governo de $#@&$@