Porsche escolhe seus cinco modelos mais raros já produzidos

Lista tem séries de homologação liberadas para as ruas e modelos com apenas 16 unidades produzidas

A Porsche cravou seu nome na história através de um modelo cujo nome tem apenas três algarismos: 911. Fabricado aos milhares, ele pode até se passar por um modelo “popular” se comparado aos cinco modelos mais raros que a marca já produziu em sua história – excluindo-se os concept cars e modelos feitos sob encomenda.

A escolha foi feita pelo próprio fabricante em uma espécie de websérie (confira o vídeo acima) que terá outros capítulos nas próximas semanas. Abaixo, veja as histórias e os detalhes de cada um deles:

 

Porsche 356 America Roadster

Porsche 356 America Roadster

Considerado o mais raro de todos, o Porsche 356 America Roadster foi feito especificamente para o mercado norte-americano. Vinte unidades produzidas, mas apenas 16 carros se tornaram realidade.

Ele se diferenciava do 356 original pela carroceria de alumínio e para-brisa bipartido removível, além de não ter maçanetas externas e nem frisos cromados. A parte mecânica contava com a tradicional receita de motor boxer refrigerado a ar, um motor quatro cilindros de 1,5 litro de modestos 70 cv.

No entanto, não se deixe enganar pela potência, pois ele pesava pouco mais de 600 kg. Com uma carroceria de aço um pouco mais pesada e outros detalhes diferentes, ele ganharia fama e popularidade com o nome 356 Speedster.

 

Porsche 911 SC/RS

Porsche 911 SCRS

O Porsche 911 SC/RS surgiu da necessidade da criação de um modelo para competir no lendário Grupo B, a categoria que é considerada o ápice da história dos Mundiais de Rali.

Com apenas 20 unidades construídas, o Porsche 911 SC/RS teve seis que foram enviadas à igualmente renomada preparadora Prodrive (da Inglaterra) para serem modificadas para competir no WRC, e que disputaram temporada de 1984 a 1986.

Na traseira, há um motor boxer de 3,0 litros que gera 294 cv. Aliado ao peso reduzido para apenas 979 kg, além de abrangentes modificações na suspensão, freios, câmbio e um diferencial traseiro com deslizamento limitado, o resultado foi o Porsche liberado para as ruas mais rápido até então, capaz de atingir os 100 km/h em apenas 4,9 segundos.

 

Porsche 911 GT1

Porsche 911 GT1

Um protótipo de corrida para as ruas. Assim pode ser definido o Porsche 911 GT1 Strassenversion, que teve apenas 21 unidades produzidas homologadas para as ruas — uma exigência da categoria GT1 das 24 Horas de Le Mans.

Muitos dos componentes mecânicos foram herdados do lendário Porsche 962. Com isso, a tradição em Le Mans foi mantida: o modelo venceu sua categoria em 1996.

A versão de rua Strassenversion saiu de fábrica com um motor flat six biturbo de 3,2 litros e 540 cv capaz de acelerá-lo até os 10 km/h em 3,9 segundos e até os 200 km/h em 10,5 segundos, com máxima de 308 km/h, sem falar no imenso downforce, que o mantinha grudado no asfalto em curvas de alta velocidade.

 

Porsche 924 Carrera GTS

Porsche 924 Carrera GTS

Carroceria quadrada e motor arrefecido a água posicionado na dianteira. Sim, ainda estamos falando de um Porsche, mais precisamente do modelo 924. Lançado em 1976, os puristas torceram o nariz para o modelo de entrada da marca alemã projetado em parceria com a Volkswagen — que acabou largando o projeto para a fabricante de Stuttgart.

A versão preparada 924 Carrera GTS contava com um motor quatro cilindros de 2,0 litros de 248 cv e um despojamento típico das séries especiais de competição: os faróis eram fixos, as janelas laterais feitas de plástico, o banco traseiro foi retirado e até o rádio deixou de existir.

Com apenas 50 unidades produzidas para serem homologadas para corridas de turismo, o 924 Carrera GTS tinha bancos concha e estrutura de proteção tubular interna. Para muitos especialistas, foi o melhor e mais rápido 924 da história.

 

Porsche 911 Turbo S (964)

Porsche 911 Turbo S Leichtbau

Lançado em 1992, o Porsche 911 Turbo S Leichtbau era baseado no 911 Turbo da geração 964, mas com um sobrenome que significa “leve”, em alemão.

A filosofia da redução de peso foi seguida à risca, pois foram retirados equipamentos como ar-condicionado, isolamento acústico, regulagem de altura dos bancos, vidros e travas elétricas. As janelas eram mais finas, enquanto a carroceria passou a ter painéis compostos por fibra de vidro e fibra de carbono.

O motor boxer air cooled de 3,3 litros tinha 381 cv, ou cerca de 20% a mais de potência do que o 911 Turbo, além de 180 kg a menos. Com isso, o esportivo acelera de 0 a 100 km/h em 4,7 segundos e atinge velocidade máxima de 290 km/h. Foram produzidas apenas 86 unidades.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. EDUARDO MARTINS DOS REIS

    Cometeria alguns crimes por um 924 Turbo, um 944 ou um 968