Hummer H1 volta a ser produzido em versão civil por Bob Lutz

Feito nos EUA, modelo terá o mercado da China como principal destino

O Humvee C-Series chegou a ser mostrado no Salão de Xangai, no mês passado (Divulgação/Quatro Rodas)

Fora de produção desde 2010, o Hummer H1 está de retorno ao mercado pelas mãos da VLF Automotive. A diferença é que seu nome a partir de agora será Humvee C-Series: o nome “Hummer” ainda pertence à General Motors. Além disso, o carro não será vendido nos Estados Unidos.

Humvee, na verdade, é um acrônimo bastante popular nos EUA para a sigla HMMWV (High Mobility Multiporpose Wheeled Vehicle), designação original do veículo militar desenvolvido para o Exército americano – o nome Hummer seria depois aplicado à versão civil.

Quem está por trás da VLF é Bob Lutz, ex-presidente da General Motors, além do designer Henrik Fisker e de Gilbert Villarreal, ex-executivo da Boeing. Além do Fisker Karma com powertrain do Corvette ZR1 e de versões customizadas do Viper e do Mustang, a empresa finalizará o Humvee em sua pequena fábrica no Michigan, destinando toda a produção para exportação.

Bitolas largas garantem estabilidade em terrenos difíceis (Divulgação/Quatro Rodas)

Mesmo depois da GM ter encerrado a produção do Hummer para uso civil, em 2010, a AM General continuou produzindo sua versão militar HMMWV para as forças armadas e policiais de diversos países. Em 2013, ela passou a vender kits do C-Series sem conjunto mecânico para civis por 60 mil dólares.

Agora a VLF Automotive montará os carros com mecânica GM e os enviará para a África, Europa, Oriente Médio e China. Mas a empresa não pode vendê-lo nos EUA: ele não pode ser homologado como um veículo fora-de-série, pois nunca deixou de ser produzido, nem se enquadra nos testes de colisão e nas regras de emissões atuais para os carros de produção. 

O Humvee C-Series tem chassi de aço e carroceria de alumínio, que pode ser pintada nas cores branco, preto e em dois tons de cinza. Serão três versões: a Bravo, com portas e teto de lona; a Charlie, com portas e tetos rígidos, interior de vinil e bancos aquecidos; e a Delta, com interior de couro, ar-condicionado com saída traseira e rádio com Bluetooth.

(Divulgação/Quatro Rodas)

Serão quatro opções de motores. Três deles são variações do V8 6.5 a diesel com 190 cv, 205 cv e 250 cv. O outro é um V8 6.2 a gasolina de 430 cv e 56,6 mkgf que deve fazer evaporar o combustível – na década de 1990, os Hummer H1 a gasolina tinham tanques de 157 litros! O câmbio é sempre automático de quatro marchas.

A VLF planeja produzir até 100 unidades até o final do ano, boa parte para a China. O preço inicial é estimado em 150 mil dólares – R$ 478 mil em conversão direta.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Marcus Vinicius

    Com certeza o americano vai querer uma máquina dessas na garagem é só o Bob fazer às alterações para o mercado americano e pedir autorização para a GM para vende-ló nos EUA !