Grandes Brasileiros: Karmann Ghia

Montado de modo artesanal sobre o chassi Volkswagen, ele foi o terceiro modelo da fábrica feito no Brasil, depois do Fusca e da Kombi

De esportivo, só a aparência: ele não passava dos 120 km/h, mas era bom de dirigir

De esportivo, só a aparência: ele não passava dos 120 km/h, mas era bom de dirigir (Marcelo Spatafora)

No início dos anos 60, chassis de Fusca saíam rodando da fábrica da Volkswagen, na Via Anchieta. Alimentados por latas de gasolina, que faziam as vezes de tanque, seguiam em direção à sede da Karmann Ghia, distante alguns quilômetros.

Lá era assentada a carroceria, num processo totalmente manual, em que cada KG ganhava de 10 a 14 quilos de estanho durante a montagem. Graças a esse peso extra, ele não tinha “emendas” aparentes. Depois de pronto, cabia à rede de concessionários da VW a comercialização e a assistência técnica. Aqui ele era uma excitante novidade. Mas lá fora já rodava havia tempo.

No dia 14 de julho de 1955 o Karmann Ghia foi apresentado à imprensa. Nasceu da união do fabricante de carrocerias alemão Wilhelm Karmann com o italiano Luigi Segre – designer do estúdio Ghia –, que recebeu uma participação em cada unidade vendida. A idéia era fabricar um carro com linhas esportivas para bolsos menos abonados. Logo no início da produção, 50% dos carros eram exportados para outros países europeus, além de Estados Unidos e Canadá.

O aspecto esportivo era realçado por suas proporções e pelo perfil aerodinâmico. Baixinho mas esbelto, ele tinha 1,33 metro de altura e 4,14 metros de comprimento, com peso de 820 quilos.

Pintura saia-e-blusa e pneus faixa-branca: puro anos 60

Pintura saia-e-blusa e pneus faixa-branca: puro anos 60 (Marcelo Spatafora)

Esportivo de fato ele nunca pretendeu ser. Faltava-lhe aquilo que distingue os bravos, o coração. Não seria com o honesto, porém raquítico 1200, de 36 cavalos, refrigerado a ar que o KG ia conseguir impressionar alguém. No cronômetro, ele não ia além dos 118 km/h de máxima. E a aceleração era de fazer adormecer criança levada: mais de 30 segundos para ir de 0 a 100 km/h.

Foi assim até 1967, quando passou a dividir com a Kombi o motor 1500 e ganhou 16 cavalos. Longe de virar um foguete, pelo menos já não dava vexame: chegava aos 135 km/h e baixou mais de 4 segundos no 0 a 100 km/h. A linha cresceu com a chegada do conversível, no começo de 1968, do qual só foram produzidos 177 exemplares.

Com uma cabine projetada para dois, o Karmann Ghia foi homologado para levar cinco passageiros (!). Na realidade, o banco de trás podia, quando muito, acomodar duas crianças, na época em que a ignorância a respeito de segurança dispensava o uso de cadeirinhas. Mas o encosto esconde um artifício que deve ter ajudado casais na hora de viajar com bagagem: é possível rebatê-lo e acomodar volumes entre o banco e o compartimento do motor.

Atrás do encosto dos bancos cabiam alguns volumes - e, na época, duas crianças

Atrás do encosto dos bancos cabiam alguns volumes – e, na época, duas crianças (Marcelo Spatafora)

O KG amarelo-margarida (é o nome oficial da cor) com teto preto marca no hodômetro 31.000 quilômetros. O estepe ainda tem o selo original na banda de rodagem. Ao dar a partida, o som desperta o sentimento de algo familiar. É a batida saudável de um 1200, em estado de novo, uma suavidade que os 1300 e 1500 não têm – esses produzem um som mais áspero. Só os 1600 têm uma sonoridade igualmente harmônica.

O motor 1200 tem modestos 36 cv, mas soa como música para os ouvidos

O motor 1200 tem modestos 36 cv, mas soa como música para os ouvidos (Marcelo Spatafora)

No interior, os bancos são revestidos com tecido entremeado de fios metálicos. O painel tem os instrumentos básicos. Como diferenciais, a parte superior, que era revestida de courvin, e um relógio, o único “luxo”. Conta-giros? Ora!

Painel com instrumentos básicos, sem conta-giros

Painel com instrumentos básicos, sem conta-giros (Marcelo Spatafora)

Apesar da pouca potência, na cidade o motor 1200 dá conta do recado, graças a sua elasticidade. Também não pede trocas freqüentes de marcha, como seria de esperar. Relativamente silenciosa, a suspensão por barras de torção não apresenta ruídos e tem uma resistência que dispensa comentários.

O bom diâmetro de giro e o grande volante facilitam as manobras. O câmbio mostra a precisão dos antigos VW e em poucos minutos ganha-se intimidade com o carrinho, mesmo com a boa diferença de altura em relação aos outros carros.

Até 1972, último ano de sua fabricação, foram produzidos 23.400 carros na versão original cupê. Em 1970, ganhou o motor 1600 e um irmão, o modelo TC, equipado com dois carburadores. Suas linhas lembram – ainda que vagamente – o Porsche 911.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Leonardo do Vale

    O famoso Fusca de gravata, é muito bonito, impossível criar uma nova versão dele sem que fosse descaracterizado!

  2. Sérgio Floripa

    Até um hoje ainda é um carro lindo. Tenho um vizinho que tem um destes na cor vermelha. Todo para alguns minutos para admirar essa maravilha.

  3. bruno fagundes

    Carrinho bacana demais!!!!!

  4. Fusca Volks Rodrigo

    Perfeito