Grandes Brasileiros: Grancar Futura

Cópia da Renault Espace francesa, a Grancar Futura foi a primeira minivan nacional

Os motores eram VW: primeiro o AP 1800, depois o AP 2000

Os motores eram VW: primeiro o AP 1800, depois o AP 2000 (Christian Castanho)

Para um carro que chegou com seis anos de atraso em relação ao original francês, o nome Futura poderia soar como ironia. Produzido em São Paulo a partir de 1990 pela Grancar Design, empresa do projetista Toni Bianco ligada à concessionária Ford Grancar, o carro era uma cópia da primeira geração da Renault Espace.

Veja também

Na Europa a Espace havia chegado em 1984, pouco depois de as minivans da Chrysler inaugurarem esse segmento. A versatilidade na disposição de assentos da Espace estava à frente das pioneiras. Antes de criar a versão brasileira de um dos carros mais imitados do planeta, a Grancar importou uma unidade da van Espace.

Do original, foi feita uma fôrma para retirar as medidas. Todo o trabalho ficou a cargo de Bianco e do dono da Ford Grancar, Armando George Neto. Assim como a Renault, era feita de plástico reforçado com fibra de vidro. “As modificações na carroceria, o ferramental e o chassi foram desenvolvidos por mim ao longo de um ano”, afirma Bianco.

No design, a Futura era a cópia da francesa Renault Espace

No design, a Futura era a cópia da francesa Renault Espace (Christian Castanho)

Para viabilizar a produção, todo o trem de força – motor, câmbio, suspensão e eixos – é da linha Del Rey/Belina. O motor era o de 1,8 litro e 98 cv (o famoso AP 1800, na época compartilhado pela Volks com a Ford), com um câmbio manual de cinco marchas.

Segundo QUATRO RODAS, que andou no primeiro protótipo em janeiro de 1991, o conjunto mecânico se adaptou bem, pois a proposta era rodar com suavidade e silêncio para o conforto dos passageiros.

No acabamento interno, mereceu destaque o cuidado na montagem das peças e a escolha dos materiais. Os bancos dianteiros giravam, formando com os demais uma espécie de sala de estar. O banco do meio do conjunto intermediário permitia dobrar o encosto e servia como uma pequena mesa. Todos os assentos podiam ser reclinados ou retirados, criando um grande espaço para carga.

Os assentos eram totalmente reclináveis e removíveis; os da frente giravam para trás

Os assentos eram totalmente reclináveis e removíveis; os da frente giravam para trás (Christian Castanho)

Boa parte das peças vinha dos modelos Ford, caso do painel de instrumentos do Del Rey/Belina, console central e os comandos de ar-condicionado. Os retrovisores e o tanque de 65 litros vêm do Escort.

O painel e o console central vinham dos modelos da Ford

O painel e o console central vinham dos modelos da Ford (Christian Castanho)

Em abril de 1990, QUATRO RODAS levou a Futura a Limeira (SP) para as primeiras medições. O comportamento do carro agradou, mas o motor foi considerado fraco para os 1.300 quilos da van.

“Em situações extremas de uso, como com carga máxima e em estradas com longas subidas, falta um pouco de força ao motor, ainda que, mesmo assim, o desempenho do modelo seja melhor que o das costumeiras picapes transformadas em vans, que até então reinavam sozinhas nessa faixa de mercado no país”, diz a reportagem.

Segundo o projetista, entre 18 e 20 carros eram produzidos por mês.

A Grancar oferecia a opção de turbinar o motor 1.8. A revista fazia um apelo para que o motor 2.0 da Volkswagen fosse adotado a fim de suprir a falta de força.

Em setembro de 1991, ano em que a solicitação foi atendida, um comparativo entre a americana Chevrolet Lumina e a Futura LX mostrou que a minivan nacional tinha fôlego para o duelo. Equipada com o VW 2000 cm3 com carburador e potência de 116 cv, ela encarou o V6 de 3.100 cm3, com injeção eletrônica monoponto, que gerava 122 cv.

Durante os testes, a Futura cravou máxima de 148 km/h, ante 151 km/h da Lumina. No 0 a 100 km/h, a Futura fez a marca de 15,01 segundos, contra 14,93 da Chevrolet. Se a Lumina ganhava em desempenho e conforto, a Futura LX atacava com aproveitamento de espaço.

Foi esse o motivo pelo qual o técnico em eletrônica santista Afrânio da Silva Ferreira optou pela Futura aqui apresentada. “Como tenho 1,80 metro de altura, ela caiu como uma luva. Fico confortável, até parece um navio de cruzeiro, tamanha é a maciez da suspensão”, diz.

Ao todo, foram feitas 159 unidades. A Futura de Ferreira é a unidade 86, como comprova a plaqueta de identificação. Devido à concorrência com os importados, a Futura foi produzida até o fim de 1991. Ironicamente, oito anos depois, a Renault voltou ao Brasil com outra minivan, a Scénic.

 

Teste QUATRO RODAS – setembro de 1991

Aceleração de 0 a 100 km/h: 15,01 s

Velocidade máxima: 148,8 km/h

Frenagem de 60 km/h a 0: 16,3 m

Consumo médio: 9,12 km/l

Preço (agosto de 1991): CR$ 10,7 milhões

Preço (atualizado IGP-M / FGV): R$ 197.816

 

Ficha Técnica – Grancar Futura 1991

Motor: dianteiro, longitudinal, 4 cilindros em linha, refrigerado a água, 1984 cm³, comando de válvulas no cabeçote, carburador de corpo duplo e fluxo descendente, gasolina.

Diâmetro x Curso: 82,5 x 92,8 mm

Taxa de compressão: 9,0:1

Potência: 116 cv a 5.200 rpm.

Torque: 18,5 mkgf a 3.400 rpm.

Câmbio: manual de cinco marchas, tração dianteira.

Dimensões: comprimento, 436 cm; largura, 177 cm; altura, 166 cm; entreeixos, 258 cm.

Peso: 1.290 quilos.

Suspensão: Dianteira: independente, com braços triangulares inferiores, braços simples superiores, braços tensores diagonais, molas helicoidais, amortecedores pressurizados e barra estabilizadora. Traseira: eixo rígido, com braços tensores longitudinais, braço triangular superior e dois inferiores, molas helicoidais, amortecedores pressurizados e barra estabilizadora.

Freios: disco na dianteira e tambor na traseira com servo.

Direção: hidráulica, tipo pinhão e cremalheira.

Rodas: aro 14, tala 6; pneus 195/70 SR 14.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s