Grandes Brasileiros: Ford Corcel II GT

A sigla GT e o preto fosco nos detalhes insinuavam desempenho galopante, mas ele era manso por natureza

A partir da linha 1979, perdeu o capô preto. O farol de neblina tornou-se a principal diferenciação na dianteira

A partir da linha 1979, perdeu o capô preto. O farol de neblina tornou-se a principal diferenciação na dianteira (Marco de Bari/Quatro Rodas)

O Corcel II era a grande novidade da Ford em 1978, a esperança da marca para reanimar um projeto com dez anos de mercado. Com desenho de linhas retas e angulosas e sem abrir mão de robustez e economia, ele evoluiu em espaço e segurança. Seu pecado era o desempenho, superior só na versão GT.

Pouca coisa, na verdade: o pequeno motor de . 372 cm3 recebia um carburador de corpo duplo, que fornecia 4 cv extras, incapazes de emocionar o mais pacato dos motoristas: a máxima subia de 136,8 para 145,6 km/h e o 0 a 100 km/h caía de 20,8 para 17,5 segundos, como mostrava o teste na edição de janeiro de 1978.

Com 950 kg, o conjunto não era digno de ostentar as iniciais GT, mas em tempos de gasolina cara visual esportivo não era defeito desde que o consumo fosse baixo. Com média de 11,04 km/l, não estava entre os mais econômicos, porém cuidava bem do bolso.

Faixa lateral reforçava ar esportivo, dando a impressão de ser mais baixo do que é

Faixa lateral reforçava ar esportivo, dando a impressão de ser mais baixo do que é (Marco de Bari/Quatro Rodas)

O melhor era passear devagar exibindo a esportividade do capô e do teto pintados de preto. Para completar, havia faróis de neblina e pneus 185/70 R13 em rodas pretas com sobrearos de aço escovado.

No interior, o excelente padrão de acabamento Ford, sempre em preto. Havia um pequeno contagiros no painel e, no console, o termômetro de água e o manômetro de óleo, todos de leitura difícil. O volante exclusivo tinha boa pega, mas a direção, apesar de precisa, era leve acima dos 120 km/h.

Volante forrado de couro com raios de metal: exclusivo do GT

Volante forrado de couro com raios de metal: exclusivo do GT (Marco de Bari/Quatro Rodas)

Tudo conspirava contra sua imagem: a barra estabilizadora dianteira mais grossa era incapaz de conter a rolagem da carroceria (a suspensão continuava voltada ao conforto) e os freios eram os mesmos, colaborando para o comportamento abaixo do esperado, ainda mais quando comparado à referência, o VW Passat.

No modelo 1979, assim como no resto da linha, viria o motor de 1.555 cm3 – e a potência subiria de 76 para 90 cv (SAE). A única alteração exclusiva era a carcaça do filtro, com mais entradas para melhorar o fluxo de ar.

O motor de 1.555 cm3 e 90 cv era o mesmo do Corcel comum

O motor de 1.555 cm3 e 90 cv era o mesmo do Corcel comum (Marco de Bari/Quatro Rodas)

O câmbio perdia maciez e precisão em troca da quinta marcha, que melhorava a máxima (150,6 km/h) e o consumo (13,56 km/h), inferior ao de muito carro menor. Com o diferencial mais curto, ele ficava mais rápido: 0 a 100 km/h em 15,9 segundos, como mostrava a edição de fevereiro de 1979.

Nos números, a diferença entre o Corcel comum e o novo GT era discreta, pelo menos até a primeira curva. Toda revisada, a suspensão desceu 1,3 cm e ficou mais firme, graças a molas dianteiras de maior carga.

As rodas eram do Corcel II, mas pintadas de preto e com sobrearo

As rodas eram do Corcel II, mas pintadas de preto e com sobrearo (Marco de Bari/Quatro Rodas/Grandes Brasileiros: Ford Corcel II GT)

Para não comprometer o conforto, as traseiras não mudaram, mas o eixo ganhou uma barra estabilizadora para reduzir a rolagem da carroceria, que parecia mais baixa com as novas faixas pretas laterais, como no carro da foto, um modelo 1979 recém-adquirido por um colecionador paulista. Com o maior equilíbrio, até as frenagens melhoravam.

Com o fim do Maverick, em 1979, o GT passou a ser o único esportivo da Ford. Neutro com leve tendência ao subesterço, ele transmitia segurança também em alta velocidade. Mas, com fama de lento e apelo restrito ao visual, o GT não resistiu à concorrência e encerrou sua breve carreira em 1981.

Teste QUATRO RODAS – Fevereiro de 1979

  • Aceleração: 0 a 100km/h 15,9 s
  • Velocidade maxima: 150,6 km/h
  • Frenagem: 80km/h a 0 35,3 m
  • Consumo: 13,56 km/l (médio)
  • Preço (janeiro de 1979): Cr$ 175 650
  • Atualizado (IGP-DI/FGV): R$ 114.110

 

Ficha Técnica – Ford Corcel II GT 1979

Motor longitudinal, 4 cilindros em linha, 1555 cm3, carburador de corpo duplo
Diâmetro x curso 79,9 x 83,5 mm
Taxa de compressão 8:1
Potência 90 cv (SAE) a 5600 rpm
Torque 13 mkgf a 4000 rpm
Câmbio manual de 5 marchas, tração dianteira
Dimensões comprimento, 446,8 cm; largura, 166 cm; altura, 133,8 cm; entre-eixos, 243,8 cm
Peso 950 kg
Suspensão dianteira independente com braços triangulares inferiores e simples superiores
Suspensão traseira eixo rígido com braços tensores longitudinais
Freios disco na frente e tambor atrás
Direção pinhão e cremalheira
Pneus 185/70 R13 radiais
Veja também
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s