Grandes Brasileiros: Fiat Uno Turbo

O pequeno Fiat foi primeiro turbo de série nacional. E como andava!

Aceleração era melhor que a de qualquer outro nacional

Aceleração era melhor que a de qualquer outro nacional (Jader da Rocha)

“Deste Uno, o primeiro turbinado de série do Brasil, já se pode dizer sem medo de errar: é o melhor esportivo fabricado por aqui. Por isso, se você é proprietário de um Gol GTi, ou de um Kadett GSi, ou mesmo de um Vectra GSi, e o Fiat surgir ao seu lado, propondo uma arrancada, recuse. Primeiro, porque os rachas são perigosos e ilegais – é bom nunca se esquecer disso. Segundo, porque seria inútil: esse novo puro-sangue bate qualquer outro nacional nas acelerações.”

Depois de uma apresentação dessas, publicada na edição de QUATRO RODAS de abril de 1994, vamos direto aos números: no 0 a 100 km/h, o Uninho equipado com motor 1.4 turboalimentado precisou de nada mais que 8,96 segundos, desbancando o Vectra GSi (9,22 segundos) no ranking de QUATRO RODAS.

Na prova de velocidade máxima, chegou aos 192,6 km/h, deixando uma nuvem de poeira para todos os concorrentes diretos: Escort 2.0i XR3 (187 km/h), Kadett GSi (185,6 km/h) e Gol Gti (180,7 km/h).

Para-choques tinham spoilers quase exagerados

Para-choques tinham spoilers quase exagerados (Jader da Rocha)

Anos antes de o pequeno Fiat Turbo i.e. ser lançado, já se falava nessa possibilidade. No Grande Prêmio Brasil de F-1 de 1985, em abril daquele ano, a Fiat apresentou o modelo italiano, um 1.3 sobrealimentado por um turbo japonês IHI.

Na época, o então diretor-superintendente da Fiat de Betim, Silvano Valentino, anunciava os estudos para a versão nacional, mas descartava a utilização do motor 1.3 como base, pois “resultaria num carro muito rápido para nosso trânsito”.

Quase dez anos se passaram da presença do aperitivo italiano por aqui até que fosse apresentado ao público nosso primeiro carro turbo de série, em março de 1994. E, contrariando as previsões, era um saudável 1.4. Antes do Turbo, no entanto, a Fiat já havia oferecido versões esportivas do seu carrinho mais popular: houve o 1.5 R, depois o 1.6 R e, por fim, o 1.6 R MPI, este com injeção eletrônica multiponto.

Teto solar dava toque de classe e diferenciava o pequeno foguete

Teto solar dava toque de classe e diferenciava o pequeno foguete (Jader da Rocha)

Com visual agressivo – até mesmo exagerado, mesmo para alguns de seus fãs –, o Uno Turbo nunca teve o item discrição na coluna das suas qualidades. Era oferecido nas cores amarelo, vermelho e preto. Não bastasse a diferenciação cromática, os pára-choques tinham spoilers integrados e as rodas eram de liga leve, incluindo o estepe.

No interior, bancos anatômicos, volante esportivo e um completo arsenal de instrumentos que incluía o manômetro para monitorar a pressão do turbo. Mas a estrela do painel era o velocímetro com escala que marcava até 240 km/h. Ao volante, a assistência hidráulica possibilitou uma relação mais direta, com respostas mais rápidas à direção.

No painel completo, além de pressão do turbo e óleo, velocímetro até os 240 km/h

No painel completo, além de pressão do turbo e óleo, velocímetro até os 240 km/h (Jader da Rocha)

Ao acelerar, o motorista sentia a entrada do turbo no serviço a 3.000 rpm, fornecendo torque de 17 mkgf a 3.500 rpm. Para dar conta dos 116 cavalos, a suspensão do Uno Turbo ficou 10 milímetros mais baixa e ganhou mais firmeza com amortecedores pressurizados. E a estrutura ganhou uma barra de reforço entre as torres dos amortecedores dianteiros, para evitar torção.

Motor 1.4 turbo produzia 114 cv e 17 mkgf

Motor 1.4 turbo produzia 114 cv e 17 mkgf (Jader da Rocha)

Para segurar tanto ímpeto, o irmão maior Tempra (com 120 quilos a mais que os 1.065 do Uno Turbo) cedeu os discos ventilados da dianteira e os tambores da traseira, assim como o servo e o cilindro-mestre. Com esse aparato, a distância de frenagem a 80 km/h era de 30,4 metros. No teste publicado na edição de abril de 1994, QUATRO RODAS acenava com um cartão amarelo para a falta do sistema ABS no foguetinho.

O Turbo preto que está nesta reportagem, modelo 1994, pertence, desde zero, ao curitibano Alvaro Antunes, que afirma ter sido multado apenas uma vez por estar a 150 km/h numa auto-estrada, pressionado por alguém mais apressado que ele. Mas ele nem costuma acelerar tanto nas retas. “Prefiro mesmo é pisar mais fundo nas curvas e subidas de serra, onde quase ninguém consegue me acompanhar”, diz.

Com o turbo no motor, estepe teve de ir para o porta-malas

Com o turbo no motor, estepe teve de ir para o porta-malas (Jader da Rocha)

Um dos primeiros exemplares, ele não veio com ar-condicionado, equipamento incorporado como item de série mais tarde.

O Turbo foi produzido entre maio de 1994 e abril de 1996, período em que foram feitas 1.801 unidades. Um mês após sua apresentação, a Fiat surpreendeu o mercado com o lançamento do Tempra Turbo, que acabou conquistando o título de carro mais veloz do Brasil, com a folgada marca de 212 km/h.

 

Turbinado paralelo

Fiat Uno MIlle Turbo

Antes da Fiat, tinha gente pensando na mesma coisa. Em 1991, a Larus Turbo e a Turbomax ofereciam a opção de turbinar o Mille, o que fazia a potência saltar de 48,5 para 80 cavalos, como mostrou a edição de fevereiro de 1991 – clique aqui para ler a matéria em nosso Acervo Digital, mas não se esqueça de desabilitar o bloqueador de pop-ups!

 

Teste QUATRO RODAS – abril de 1994

Aceleração 0 a 100 km/h: 8,9 s

Velocidade máxima: 192,6 km/h

Frenagem: 80 km/h a 0: 30,4 metros

Consumo: 11,4 km/l (média)

Preço (Julho 1994): R$ 22.493

Atualizado (IPC-A/IGBE): R$ 124.005

 

Ficha técnica – Fiat Uno Turbo i.e.

Motor: dianteiro, transversal, 4 cilindros, 1372 cm3, injeção multiponto, gasolina

Diâmetro x curso: 80,5 x 67,4 mm

Taxa de compressão: 7,8:1

Potência: 116 cv a 6000 rpm

Torque máximo: 17 mkgf a 3500 rpm

Câmbio: manual de 5 marchas, tração dianteira

Carroceria: monobloco

Dimensões: comprimento, 364 cm; largura, 156 cm; altura, 137 cm; entreeixos, 236 cm

Peso: 1.065 quilos

Suspensão: Dianteira: independente, tipo McPherson. Traseira: independente, braços oscilantes

Freios: disco ventilado na dianteira e tambor na traseira

Direção: hidráulica, tipo pinhão e cremalheira

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Franco Vieira

    Vendo o preço atualizado desse e de outros esportivos nacionais como o Gol GTI, constatamos que carro no Brasil sempre foi caro, esportivos então….

  2. Que belo painel!

  3. Christyan Lemos Leal

    Era um carrinho gostoso de acelerar e fazer bobagens na cidade, mas acabamento ainda mais pobre que o ja pobre Gol Gti. E no desempenho, em puxadinhs curtas até 2º marcha nao tinha para ninguem. Ao colocar a terceira o Gti equiparava. Em quarta marcha o Gti passava feito uma flecha pelo FIAT. Comparar com o Vectra GSi mesmo era ridiculo.

  4. Igor Pricandi

    Salvas as devidas proporções são números muito parecidos aos esperados para o up gti anunciado para europa em 2018. Até lá seriam 24 anos de poeira. rsrsrsrs