Ford Ranchero: o primeiro cupê utilitário

Criada para o trabalho, a Ford Ranchero caiu nas graças do público jovem e virou sinônimo de recreação e de desempenho

A Ranchero inovou: era uma picape derivada de carro de passeio

A Ranchero inovou: era uma picape derivada de carro de passeio (Christian Castanho)

Poucos automóveis foram tão idolatrados quanto o Chevrolet 1955: o estilo retilíneo com três volumes bem definidos e um novo motor V8 ofuscaram a concorrência, especialmente a Ford. O contra-ataque de Dearborn demorou dois anos: maior, mais baixo e mais largo, o Ford 1957 inovou com o Ranchero, o primeiro cupê utilitário feito nos EUA.

Desenvolvida para o trabalho no campo, nada mais era do que a perua de duas portas Ranch Wagon, sem a porção traseira do teto e com uma enorme caçamba. Sua capacidade de carga era superior à de picapes de entrada, mas foi o estilo definido por Gordon Buehrig que acabou conquistando outra parcela do público.

A quinta geração, como este exemplar, estreou em 1970

A quinta geração, como este exemplar, estreou em 1970 (Christian Castanho)

O motor de entrada era um seis cilindros em linha de 3,9 litros, já com válvulas no cabeçote: era o preferido dos frotistas, por combinar suavidade, durabilidade e boa economia de combustível. Entusiastas da alta performance optavam pelo V8 de bloco Y, com cilindrada entre 4,6 e 5,1 litros ou pelo big block FE, com 5,8 litros.

Havia duas versões, Standard e Custom. Esta, mais cara, oferecia frisos cromados e revestimento de luxo nos bancos e laterais de porta. Havia dez combinações de pintura em dois tons, além de direção hidráulica, freios assistidos e câmbio automático Fordomatic.

Conforto de automóvel: direção hidráulica e câmbio automático

Conforto de automóvel: direção hidráulica e câmbio automático (Christian Castanho)

O sucesso estrondoso pegou a concorrência de surpresa: a Chrysler não esboçou nenhuma reação, mas a GM rebateu com a Chevrolet El Camino em 1959, último ano da primeira geração do Ranchero. A segunda geração foi baseada no compacto Falcon – menor e mais leve, era impulsionada pelo motor de seis cilindros e apenas 2,4 litros.

O estilo melhorou na terceira geração, em 1966. A estratégia era fazer frente à El Camino. O V8 Windsor cresceu para 4,7 litros, dando início à linhagem de picapes de alto desempenho. A demanda por motores de alta cilindrada introduziu o Ranchero no seleto grupo dos muscle cars: o V8 de bloco grande FE chegava aos 6,4 litros e nada menos que 315 cv. Rápida e veloz, não demorou para que fosse oficializada com a versão GT.

Veja também

Recém-lançado em 1968, o médio Torino cedeu a plataforma para a quarta geração do Ranchero, que passava a contar com um V8 5.7. Redesenhado em 1970, chegava à sua quinta geração: o modelo 1971 que ilustra a reportagem pertence ao colecionador paulistano Munir Hayar.

Apesar do perfil baixo, seu comprimento é quase o mesmo de uma Ranger atual

Apesar do perfil baixo, seu comprimento é quase o mesmo de uma Ranger atual (Christian Castanho)

A sexta veio em 1972, com motores mais fracos devido à proibição do chumbo na gasolina: a solução encontrada foi apelar para novos motores de alta cilindrada. O V8 Cleveland subia para 6,5 litros. O formato da grade lhe conferiu o apelido Boca de Peixe, mas a harmonia de suas linhas duraria só um ano: enormes para-choques foram adotados em 1973 para atender à legislação norte-americana.

O modelo permaneceu quase inalterado até 1976, ano em que o Torino deixou de ser produzido. Enorme e desproporcional, a sétima e última geração durou só três anos: derivada do Ford LTD, saiu de linha em 1979, depois de pouco mais de 500.000 picapes produzidas em 22 anos.

Caçamba era enorme, mas nem sempre utilizada

Caçamba era enorme, mas nem sempre utilizada (Christian Castanho)

Ficha Técnica – Ford Ranchero GT 1971

Motor: 8 cil. em V, 7 litros, 360 cv a 4.600 rpm, 66,4 mkgf a 2.800 rpm

Câmbio: automático de 3 velocidades

Dimensões: comp., 534 cm; largura, 192 cm; altura, 135 cm; entre-eixos, 289 cm; peso, 1.563 kg

Desempenho: 0 a 100 km/h: 7 s, Velocidade máxima de 203 km/h

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s