Dez superesportivos raríssimos que vieram parar no Brasil

Alguns já foram revendidos para clientes de outros países, mas todos deram muitas alegrias a seus donos por aqui

Top ten - superesportivos raros no Brasil

Impostos, preços, burocracia, qualidade das vias. Dificuldades para se ter um superesportivo no Brasil não faltam. Ainda assim, vários carros raros não apenas no Brasil mas no mundo já tiveram uma garagem brasileira como lar. A seguir você confere alguns belos exemplos. 

Bugatti EB110

Bugatti EB110

Bugatti EB110

Irmão mais velho (e independente) do Veyron, o Bugatti EB110 teve apenas 139 unidades produzidas entre 1991 e 1995. Destas, uma veio para o Brasil, importada pelo empresário e colecionador Alcides Diniz. Era um exemplar prata da versão GT, que por volta de 2009 foi pintado de azul (Blu Bugatti) e transformado pela própria Bugatti em um SuperSport.

Com mudanças de acabamento e na mecânica, viu seu motor V12 3.5 com quatro turbos passar dos 561 cv originais para 611 cv. Sempre manual de seis marchas, chega aos 100 km/h em apenas 3,2 s. Foi colocado à venda em 2010 por R$ 1,7 milhão. 

LEIA MAIS:

>> Comparativo: Ferrari F40 x Ferrari 430 Scuderia

>> Um passeio por duas das maiores coleções de carros do Brasil

>> Teste: Porsche 918 Spyder, o híbrido recordista do asfalto

 

Mercedes CLK GTR

mercedes-benz_clk_gtr_amg

Mercedes CLK GTR AMG

Para participar da FIA GT, em 1997, a Mercedes teria de fazer algumas unidades de rua do carro que usaria no campeonato. Só que os carros de rua só ficaram prontos em 1998: era o Mercedes CLK GTR. Custando cerca de 1,5 milhões de euros, era o carro mais caro do mundo àquela altura. 

Com motor V12 6.9 (que viria a ser usado pelos Pagani), tinha 620 cv e 78,5 mkgf, com câmbio sequencial de seis marchas com acionamento por aletas no volante e pedal de embreagem. Também tinha bancos de couro e controle de tração, que não existiam nos carros de pista. Apenas 20 unidades do cupê (e cinco roadsters) foram produzidas. Um dos cupês veio parar no Brasil importado por Alcides Diniz (sim, de novo ele) e hoje, até onde se sabe, está nas mãos da família Fittipaldi. 

 

Lister Storm

Lister Storm

Lister Storm

Outro raríssimo esportivo trazido por Alcides Diniz, o Cidão, empresário irmão de Abílio Diniz e falecido em 2006. O Lister Storm chegou em 2002, e era um veterano do campeonato da FIA GT em 1999. No Brasil, o carro participou das Mil Milhas 2003 e 2004 em Interlagos e após a morte de Cidão foi vendido para a Inglaterra. 

A base do Lister Storm foi o Jaguar XJR Sportscars, quem também lhe emprestou o motor V12 7.0 de 554 cv e o câmbio manual de seis marchas que enviava toda a força para as rodas traseiras. Custando 350 mil dólares, apenas quatro carros foram produzidos entre 1993 e 1999. 

 

Jaguar XJ220

Jaguar XJ220

Jaguar XJ220

Até o lançamento do McLaren F1, o Jaguar XJ220 foi o carro mais rápido do mundo: chegava aos 352 km/h. O zero a 100 km/h era cumprido em 3,6 s. E isso com motor V6 3.5 biturbo de 550 cv, câmbio manual de cinco marchas e tração traseira, quando a ideia original era a ter motor V12 7.0 (sim, o mesmo que foi utilizado no Lister) e tração integral.

Esta mudança mecânica custou muitos possíveis compradores: foram vendidos apenas 271 carros, sendo que 1.500 interessados se inscreveram na pré-venda. Dois exemplares vieram parar no Brasil, um prata e um azul. Na foto acima, o exemplar prata durante um evento na pista da Embraer em Gavião Peixoto.

 

Pagani Zonda F Clubsport

Pagani Zonda F Clubsport

Pagani Zonda F Clubsport

Pelo menos três Pagani já passaram pelo Brasil. Um Roadster F Clubsport veio para o Salão do Automóvel de 2008 e um Zonda R (que teve apenas 10 unidades) chegou a ser oferecido no Brasil por R$ 10 milhões, mas logo voltou para a Europa. O único que foi vendido e emplacado foi um Zonda F Clubsport amarelo. 

O carro ficou quase dois anos no showroom da antiga importadora Platinuss antes de ser comprado, em 2010, por um empresário paulistano que teria desembolsado R$ 4 milhões. Era o único Zonda F com aerofólio do modelo bipartido no mundo, e foi vendido no início deste ano para um milionário de Londres. 

 

Ferrari F40 

Ferrari F40

Ferrari F40

Duas das 1.311 Ferrari F40 produzidas entre 1987 e 1992 vieram parar no Brasil. Uma delas ficou com a Fiat e teria sido destruída em acidente durante testes, enquanto outra está nas mãos de um colecionador. Com construção que privilegia o desempenho e não o luxo ou o conforto, tem motor V8 2.9 biturbo de 478 cv e é capaz de chegar aos 100 km/h em 3,8 s. 

 

Bugatti Veyron

Bugatti Veyron Grand Sport

Uma das grandes atrações do Salão do Automóvel de 2010, o Bugatti Veyron Grand Sport branco foi oferecido no Brasil por cerca de R$ 9 milhões. A versão teve apenas 150 unidades produzidas e se destacava pelo teto removível, mas tinha o mesmo motor W16 6.0 com quatro turbos de 1.001 cv que permite chegar aos 100 km/h em 2,8 s. O modelo ficou alguns meses no país mas, sem interessados, voltou para a Europa. 

 

Porsche Carrera GT 

Porsche Carrera GT

Porsche Carrera GT

Você pode odiar o Porsche Cayenne, mas foi o lucro garantido por suas vendas que permitiu à Porsche levar adiante o projeto do Carrera GT. Considerado o melhor esportivo da história da marca (pelo menos até a chegada do híbrido 918), usa motor V10 5.5 de 605 cv e câmbio manual de seis marchas. Chega à máxima de 330 km/h, mas não sem antes alcançar os 100 km/h após 3,5 s de aceleração. Dos 1.270 carros produzidos, 604 estão nos Estados Unidos e seis estão no Brasil.

 

Mercedes SLR McLaren

Mercedes-Benz SLR McLaren

Mercedes-Benz SLR McLaren

Fruto de parceria entre a McLaren e a Mercedes, o SLR McLaren foi um dos carros mais marcantes da década passada. Foi lançado em 2003 com motor V8 5.4 de 626 cv combinado com o câmbio sequencial de cinco marchas, combinação que permitia chegar aos 100 km/h em 3,4 s e à velocidade máxima próxima dos 330 km/h. Vendido por encomenda no Brasil, teve seis unidades roadster e três cupês (uma delas foi a que Thor Batista dirigia quando atropelou e matou um ciclista) importadas. 

 

Lamborghini Diablo 

Lamborghini Diablo GT

Antecessor do Murcielago, o Lamborghini Diablo foi o único modelo vendido pela fabricante italiana nos anos 90, quando ainda pertencia à Chrysler. Tinha motor V12 5.7 de 492 cv e câmbio manual de cinco marchas, garantindo aceleração de 0 a 100 km/h em 4 segundos, o que não era nada mal em 1990.

Se destacava entre os superesportivos da época pelo bom acabamento (com cor do couro personalizável) e pela possibilidade dos bancos serem fabricados de acordo com as medidas do proprietário. Existem apenas três no Brasil.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. V12 For Life

    O W16 do Veyron desloca 8 litros e não 6, no último trimestre do ano houve notícias fe que o CLK GTR teria sido vendido para a Europa mas nasa confirmado, e uma das Diabloss foi do Collor que aparentemente é fã ds marca pois possui uma Murcielago prata.