Dez materiais inusitados utilizados em automóveis

Aço? Vidro? Não! Tem marca que foi até plantar banana para achar materiais exóticos para produzir seus modelos

Ouro

McLaren F1

O cofre do motor e parte do sistema de escape do McLaren F1, clássico esportivo de 1993, foram revestidos de ouro 24 quilates. Extravagância? Nesse caso, não. É que o material é um ótimo condutor térmico e dissipa com facilidade as altas temperaturas.

 

Fibra de carbono

McLaren F1

Eis outro material em que o McLaren F1 foi o pioneiro. O carbono era aplicado no chassi e na carroceria para dar maior rigidez e resistência. Mais de 20 anos depois ainda é raro um carro ter estrutura desse material.

 

Magnésio

Chrysler Pacifica

Metal 74% mais leve que o aço e 33% mais leve que o alumínio, é comum encontrá-lo em rodas esportivas. Mas agora começa a ser utilizado na fabricação da porta elétrica corrediça da minivan Chrysler Pacifica.

 

Bananeira

Lincoln MKT

Em 2008, a folha dessa planta virou matéria-prima na confecção dos tapetes do SUV com cara de perua Lincoln MKT. A razão estava no fato de, além de ambientalmente sustentável, ser mais resistente ao calor.

 

Madeira

Linha de produção da Morgan

Se no início a regra era os carros terem estrutura de madeira, hoje só é encontrada por tradição nos conversíveis da Morgan, fundada em 1910. Ela aumenta a rigidez do chassi de alumínio e garante o baixo peso.

 

Vidro

Fiat Mobi

Visto sempre nas janelas dos carros, o vidro acabou virando a tampa do porta-malas do recém-lançado Mobi. Segundo a Fiat, isso representa até 6 kg a menos que o aço e um custo menor no caso da troca da peça toda.

 

Cânhamo

Lotus Eco Elise

Parente da maconha, a planta foi parar no Lotus Eco Elise. Exibida no Salão de Londres de 2008, a versão tinha 32 kg a menos por causa da fibra endurecida que era utilizada na base dos bancos e no aerofólio traseiro.

 

Fibra de coco

Fiat Uno Ecology

Desde 1994, esse produto biodegradável e natural recheia os bancos dos veículos comerciais da Mercedes no Brasil. Em 2010, foi a vez da Fiat com o seu protótipo Uno Ecology (foto), também nos assentos.

 

Soja

Banco de soja da Ford

O grupo Ford foi a pioneira na tecnologia da espuma da soja como alternativa ecológica aos estofamentos sintéticos. É o caso do seu esportivo Mustang de 2008 e dos SUVs Ford Escape e Mercury Mariner, de 2010.

 

Titânio

Vulcano Titanium

Material caríssimo, resistente e leve, ele só era visto em rodas e câmbio dos F-1. Até a italiana Icona criar o Vulcano Titanium, primeiro carro a utilizá-lo na carroceria. Por 2,5 milhões de euros, ele atinge 354 km/h.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Paulo Freire

    Que eu lembre, a F40 já utilizava fibra de carbono muitos anos antes da F1 sequer ser cogitada…

  2. Christyan Lemos Leal

    A MacLaren F1 tem os coletores em titânio também, para economizar no peso.

  3. gustavo musse

    Concordo com o Paulo, a F40 já era de carbono.

    O GT-R tem como opcional o escapamento de titânio.

    O Henry Ford sempre foi um entusiasta da soja.