Comissão aprova a volta da obrigatoriedade dos extintores ABC

Decisão de 2015 que tornou o extintor apenas facultativo em automóveis é questionada por deputados

Extintor ABC

(arquivo/Quatro Rodas)

Quase dois anos após a polêmica da obrigatoriedade ou não dos extintores de incêndio do tipo ABC em automóveis, a Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados voltou a aprovar o retorno do extintor como item obrigatório.

Os extintores do tipo ABC iriam se tornar obrigatórios a partir de outubro de 2015. Na época, a medida provocou um grande aumento nas vendas do equipamento. Duas semanas antes do prazo, porém, a resolução 556/15 do Contran tornou sua presença apenas facultativa.

Na época, o Contran justificou a decisão com um estudo de 90 dias que constatou a baixa incidência de incêndios dentro do volume total de acidentes com veículos, e que o uso do extintor sem preparo representaria mais risco ao motorista do que o incêndio em si.

O novo texto do Projeto de Lei 3404/15 do deputado Moses Rodrigues (PMDB-CE) questiona essa justificativa. Para o deputado, “não é plausível que o Contran, de um momento para outro, entenda que o extintor de incêndio não é mais considerado item de segurança do veículo e decida tornar facultativo o seu uso, deixando vulneráveis os ocupantes dos veículos em caso de incêndio”.

O relator do projeto, o deputado Remídio Monai (PR-RR), concorda com o argumento de Rodrigues. Segundo ele, “o custo do extintor de incêndio é insignificante em relação ao custo do próprio veículo, ainda mais se considerarmos os benefícios advindos de sua adequada utilização”.

Hoje encontráveis por até R$ 50,00, na época os extintores do tipo ABC chegaram a custar R$ 150,00 devido à intensa procura, ocasionando até mesmo fila de espera e acusações de fraudes.

Logo após a decisão do Contran de tornar o equipamento apenas facultativo (mantendo a obrigatoriedade apenas para veículos de transporte como ônibus, caminhões, triciclos de cabine fechada e veículos destinados ao transporte de produtos inflamáveis), a procura despencou drasticamente.

Após a aprovação pela Comissão de Viação e Transportes, o projeto 3404/15 ainda precisa ser analisado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania antes de passar para o Senado.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Julio Rodrigues Neto

    E obrigatório, nos Estados Unidos , o seu uso ? Se não, pronto. Não deve ser obrigatório, aqui, porque, lá, estão milênios de anos, à nossa frente, em conhecimento, estudos, e tecnologia.

  2. Wagner Freire

    Deve ser obrigatório sim!! mas…. que o valor da compra e recarga sejam deduzida do IPVA e ainda que possa ser deduzida do IR. independente de quantos automóveis você tenha. Essa é mais uma forma de beneficiarem uns… em detrimento de muitos.

  3. Sidnei Santos

    Casa da mãe Joana

  4. marcel wilson

    E os carros que foram vendidos sem extintores?Como fica?O proprietário é responsável pela compra?Em alguns carros, nem o suporte do extintor existe.

  5. Eduardo Sabedotti Breda

    Mais uma jabuticaba brasileira. O mundo não vende carros com extintores há anos. Ao que parece, o mundo está errado e só nós, brasileiros, é quem entendemos do assunto.

  6. Andrea Back Virmond

    Sou totalmente a favor! Não podemos nos comparar com as frotas de países desenvolvidos (tipo Estados Unidos), além do que o clima lá ser totalmente diferente daqui. Outro ponto é que na época fizeram testes em cima de carro de seguradora, estes as pessoas tem pouco interesse em utilizar extintores, e ainda, no Brasil a grande maioria dos veículos não possui seguros. Também, o que me pareceu na época é que isso foi interesse das montadoras em tirar esse custo delas, do carro já sair com este equipamento de segurança. Temos que mudar essa cultura de achar que é custo, e sim investimento na segurança, pois já presenciei alguns acidentes em que o extintor foi primordial.