Com aspirações de SUV, Suzuki lança nova geração do Ignis

Hatch traz até tração 4x4 e será comercializado na Europa

Suzuki Ignis em posição 3x4 de frente

Suzuki Ignis traz visual com identidade robusta (Divulgação/Suzuki)

Revelado em setembro no Salão de Paris, a Suzuki está lançando na Europa a nova geração do Ignis, um compacto com aspirações de SUV — a exemplo do Renault Kwid. O modelo integrará a gama formada por outros hatches vendidos no mercado no Europeu, como Celerio, Swift e Baleno.

A geração anterior, produzida entre 2001 e 2008, chegou a ser vendida no Brasil com relativo sucesso, apesar da presença discreta da marca. Com tamanho de hatch compacto, posição de dirigir mais elevada e opção de tração 4×4, ele antecipou em alguns anos a febre dos SUVs compactos.

O novo modelo traz personalidade no visual, já que tem carroceria com linhas retas, faróis integrados à grade, para-lamas abaulado e três vincos perto da coluna “C”. Já o estilo da traseira é mais controverso, com a tampa do porta-malas reta e janela traseira com queda acentuada. O carro mede 3,70 metros de comprimento (7 cm menor que um Fiat Uno) e pesa 810 kg na versão mais leve.

Suzuki Ignis de perfil

Lateral é marcada pelos três vincos na coluna “C” (Divulgação/Suzuki)

Por dentro, o Suzuki Ignis tem painel com linhas horizontais, bem como painel de instrumentos e saídas de ar circulares. O espaço no interior é suficiente para quatro pessoas. Sob o capô, o compacto terá um motor 1.2 a gasolina de quatro cilindros e 90 cv, atrelado a um câmbio manual ou automatizado de cinco marchas. A tração é 4×4 na configuração topo de linha SZ5 Allgrip.

Interior do Suzuki Ignis

Cabine tem espaço para quatro pessoas (Divulgação/Suzuki)

As versões SZ5 com caixa manual possuem um sistema híbrido (batizado de SHVs) na qual há a adição de um gerador de motor de arranque integrado (ISG) acionado por correia, além de uma compacta bateria de íon de lítio. O sistema também é usado no hatch Baleno e promete menor consumo de combustível. Segundo a Suzuki, o ISG ajuda o propulsor a gasolina na hora da partida e durante a aceleração, além de recuperar energia através da frenagem.

Entre os equipamentos, a versão de entrada SZ3 já vem com seis airbags, ar condicionado, rádio com conexão Bluetooth, rodas de 15 polegadas e vidros elétricos dianteiros. O modelo intermediário, SZ-T, adiciona rodas de 16 polegadas, moldura de plástico nos para-lamas, rodas de 16 polegadas, barras de teto e bancos traseiros individuais que deslizam para trás.

A topo de gama SZ5 reúne tudo isso, mais ar-condicionado automático, faróis com luzes diurna de led e de neblina, vidros elétricos traseiros e sistema keyless.

Suzuki Ignis na posição 3x4 de traseira

Traseira reta é inusitada, e deve dividir opiniões (Divulgação/Suzuki)

O novo Suzuki Ignis será vendido na Inglaterra por preços entre 9.999 libras (R$ 43.744) e 13.999 libras (R$ 61.244). Seu concorrente mais próximo no velho continente é o Fiat Panda — que também conta com versão 4×4.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Giovani Ferri

    tava tudo indo, muito bem obrigado, até chegar na traseira parece ate que os designers chegaram na traseira falaram (não temos mais tempo temos que parar por aqui) e ae só cortaram o carro e pronto esta feita a cagada na traseira do carro q até é bonito mas enfim é só a minha opinião

  2. Luciano Korn

    A dianteira parece o Twingo mas a traseira e cheia de personalidade, lembra os antigos lei jidosha da década de 60 e 70

  3. Gostei, ficou com cara dos carros populares dos anos 70. Fugiu da “frescura estilística” que os carros estão sofrendo. Enfim um carro pequeno com cara de homem.