Collor pode perder seu Lamborghini por atraso no pagamento

Financiamento no valor de R$ 1,6 milhão está atrasado; banco Bradesco pede a apreensão do carro

Famoso pelo gosto por carros esportivos e de luxo desde sua época como presidente da república, o atual senador Fernando Collor poderá ter seu Lamborghini Aventador roadster novamente apreendido. Motivo: atraso no financiamento.

LEIA MAIS:

>> Os carros de luxo, superesportivos e clássicos apreendidos na Lava Jato

>> Conheça a coleção de carros do polêmico Donald Trump

>> A incrível frota de supercarros apreendidos do vice-presidente da Guiné

O carro teria sido adquirido em 2014 em nome de uma empresa ligada ao ex-presidente, chamada de Água Branca. Segundo o banco Bradesco, o valor do Lambo na época era de R$ 3,2 milhões. Metade foi paga no ato, em dinheiro vivo, e o restante financiado em 60 parcelas mensais no valor de R$ 39,3 mil cada.

Em julho de 2015, o veículo foi apreendido (junto com uma Ferrari 458 Italia, um Porsche Panamera S e um Bentley Continental Flying Spur) durante uma das fases da Operação Lava Jato, que investiga Collor por um suposto recebimento de R$ 26 milhões em propina em contratos públicos.

Três meses depois, o Supremo Tribunal Federal determinou que a Polícia Federal devolvesse a frota, sob a curiosa alegação de que, por se tratarem de veículos especiais, eles precisariam de cuidados especiais para serem conservados – algo que não poderia ser feito no depósito da PF.

Agora, o Bradesco afirma que as parcelas de R$ 39,3 mil deixaram de ser pagas – segundo a Justiça de São Paulo, o débito do ex-presidente seria de R$ 1,2 milhão. O banco pede ao STF autorização para apreender o Aventador novamente e vendê-lo com o objetivo de quitar a dívida.

Além dos problemas com o financiamento do Lamborghini, Collor não pode vender nenhum dos veículos apreendidos (e devolvidos) em 2015, e ainda pode ter de devolver toda sua frota caso seja considerado culpado após a conclusão da Lava Jato.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Carlos Minkap

    Sempre o Collor metido em falcatruas.

  2. Angelo Pitta

    Ironic Mode on: Isso é injusto com ele (sujeito a ter os carros apreendidos nos desdobramentos da Lava a Jato). É injusto pois ele apoiou a queda da presidenta com a garantia que seria estancada a Lava a Jato e isso não está acontecendo plenamente. Ao menos os trouxas das panelas batendo pararam de fazer gracinha nas convocações em televisivas em rede nacional.

  3. Gerson Brasil

    E o Povo continua votando nesse gatuno

  4. Mateus Antunes

    a falcatrua começa, quando a gente chega a conclusão que o salario de senador, em tese, não pagaria a parcela mensal do carro. isto sem contar os outros modelos de sua frota particular.

  5. Pedro De Moura Brito

    Não tem nada de injusto, apenas o Collor lavou o dinheiro recebido do diretor de transportes da Petrobras, que era seu indicado e protegido!…