As marcas e modelos que rendem os maiores faturamentos no Brasil

Chevrolet é a líder. seguida por Fiat e Toyota; entre os modelos, destaque para Corolla, HR-V, Renegade, Hilux e Toro

Os faturamentos das montadoras no Brasil são tão bem guardados como a receita da Coca-Cola. A pedido da QUATRO RODAS, a consultoria Data2mkt garimpou diversos desses dados e reuniu os ganhos anuais das principais marcas do mercado a partir dos números de emplacamentos de cada fabricante, junto com o valor médio dos modelos vendidos.

Os resultados do estudo revelam o montante de dinheiro movimentado com as vendas – não confundir isso com o lucro das montadoras, que para ser calculado demandaria uma pesquisa muito mais ampla envolvendo as margens de lucro das concessionárias e os gastos operacionais e de desenvolvimento de cada marca.

Se em 2015 a Chevrolet consquistou o 1º lugar em faturamento, mesmo estando atrás da Fiat em número de emplacamentos, em 2016 ela obteve a liderança nos dois quesitos: foram 345,9 mil unidades emplacadas por um tíquete médio de R$ 50.514, resultando em um montante de R$ 17,5 bilhões em vendas.

Ainda que esse número represente uma queda de 9,4% no faturamento da marca em relação a 2015, considerando a inflação do período, o resultado pode ser considerado muito bom.  “O ano de 2016 foi um dos piores em vendas da indústria automotiva, com queda de 20%. Manter-se na liderança é um grande feito, e a Chevrolet deve isso principalmente ao sucesso do Onix”, diz Francisco de Castro Neves, responsável pela pesquisa.

Em 2º lugar veio a Fiat, que também foi a segunda montadora em emplacamentos: 304,9 mil unidades, com um valor médio de venda um pouco inferior ao da Chevrolet (R$ 47.590), totalizando R$ 14,5 bilhões.

Na terceira posição aparece a Toyota, que se manteve estável, com diferença de apenas 0,2% em relação ao faturamento de 2015. Chama a atenção aqui a política de preços da marca: mesmo com um número de emplacamentos bem inferior ao da Fiat (180,3 mil unidades), ela movimentou quase tanto dinheiro quanto a marca italiana (R$ 14 bilhões), graças aos patamares de valores superiores de seus veículos (R$ 77.889, em média).

Impulsionada pelo sucesso do Ka, terceiro carro mais vendido no país em 2016, a Ford subiu três posições no ranking em relação a 2015 e teve um raro crescimento positivo, mesmo que pequeno (1,6%).

O maior avanço entre todas as marcas listadas foi o da Jeep (36,9 %), em boa parte graças ao Renegade. Sozinho, o SUV garantiu uma movimentação de R$ 4,4 bilhões – no total, a Jeep acumulou R$ 5,48 bilhões em vendas, com o tíquete médio mais alto (R$ 92.038) entre as dez maiores montadoras.

Peugeot e Citroën (ambas do grupo PSA) também tiveram crescimento satisfatório, porém isso pode ser interpretado de maneira relativa: seus números de vendas e faturamento continuam bem pequenos na comparação com outras marcas.

Por outro lado, a Volkswagen foi quem tomou o maior tombo. Entre 2015 e 2016, o faturamento obtido com a venda de seus veículos caiu nada menos que 44,1%. Não por coincidência, o tíquete médio de suas vendas foi o menor entre todas as montadoras (R$ 44.936), fato que o próprio presidente da marca no Brasil já afirmou que terá de mudar no planejamento futuro da empresa.

“Esse resultado pode ser explicado pelo péssimo desempenho de seus principais produtos, Gol e Fox, que caíram 40,3% e 56,9% em vendas, respectivamente”, afirma Neves.

Já a metade inferior da tabela mostra que a crise finalmente chegou para as marcas premium. Com exceção da Porsche e da Volvo, todas tiveram quedas consideráveis em seus números de venda e faturamento.

Faturamento de vendas por marca:

Marca Fatur. ( em bilhões de R$) Ranking fatur. Emplac. (x 1.000) Ranking emplac. Preço médio por veículo (em R$) Variação 2015 a 2016
Chevrolet 17,4 1 345,9 1 50.514 -9,4%
Fiat 14,5 2 304,9 2 47.59 -23,5%
Toyota 14,0 3 180,3 5 77.889 -0,2%
Ford 10,4 4 178,6 6 58.287 1,6%
Volkswagen 10,2 5 228,4 3 44.936 -44,1%
Hyundai 10,1 6 197,8 4 51.44 -12,7%
Honda 9,8 7 122,5 8 80.271 -11,8%
Renault 7,8 8 150,0 7 52.153 -15,0%
Jeep 5,4 9 59,6 10 92.038 36,9%
Nissan 3,5 10 60,9 9 58.29 5,8%
Mitsubishi 3,1 11 25,2 12 112.812 -39,6%
Mercedes-Benz 2,3 12 11,7 15 202.971 -24,9%
BMW 2,2 13 11,8 14 187.855 -38,9%
Land Rover 1,9 14 6,7 18 290.216 -12,3%
Peugeot 1,7 15 25,8 11 67.136 26,6%
Audi 1,5 16 11,5 16 136.331 -33,8%
Citroën 1,3 17 24,4 13 56.348 13,9%
Kia 1,0 18 10,8 17 100.104 -31,5%
Volvo 0,6 19 3,5 19 119.013 5,4%
Porsche 0,4 20 1,0 21 471.968 37,5%

No ranking de faturamento de vendas por modelo, o soberano Toyota Corolla perdeu a posição de modelo mais rentável para o Onix. O compacto da Chevrolet, líder de mercado pelo segundo ano consecutivo, teve 153,4 mil emplacamentos em 2016, com tíquete médio de R$ 40.952, totalizando R$ 6,3 bilhões em vendas – número 21,5% maior que o de 2015.

Em 2º lugar aparece o Hyundai HB20 hatch, que também foi o segundo veículo mais emplacado no Brasil, com 121,6 mil unidades e um total de R$ 5,4 bilhões em faturamento, com valor médio de R$ 44.879.

A partir do 3º lugar, o valor médio por unidade aumenta substancialmente. Corolla (R$ 76.115), HR-V (R$ 84.908), Renegade (R$ 86.190) e Hilux (R$ 115.764) rendem faturamentos bem maiores que modelos populares que estão entre os mais vendidos, como Gol (R$ 32.074) e Palio (R$ 32.709).

No caso da Fiat, por exemplo, o volume de dinheiro movimentado pela Toro (R$ 3,8 bilhões) é muito maior que o faturamento gerado pelo Palio (R$ 2,1 bilhões), mesmo com o compacto vendendo bem mais unidades.

Faturamento das vendas por modelo:

Modelo Fatur. (em bilhões de R$) Ranking fatur. Emplac. (x 1.000) Rank. emplac. Preço médio por veículo (em R$) Variação 2015 a 2016
Onix 6,2 1 153,4 1 40.952 21,5%
HB20 5,4 2 121,6 2 44.879 6,7%
Corolla 4,9 3 64,7 5 76.115 -6,7%
HR-V 4,7 4 55,8 10 84.908 10,9%
Renegade 4,4 5 51,6 11 86.19 30,4%
Hilux 3,9 6 34,0 18 115.764 2,5%
Toro 3,7 7 41,3 14 91.45 n/d
Ka 3,1 8 76,6 3 41.5 -19,5%
Prisma 3,0 9 66,3 4 46.111 -8,4%
Sandero 2,9 10 63,2 7 47.161 -10,8%
S10 2,55 11 26,6 25 96.069 -3,2%
Strada 2,50 12 59,4 8 42.123 -45,0%
HB20S 2,3 13 46,0 12 50.008 -18,3%
Palio 2,1 14 64,0 6 32.709 -53,9%
Civic 2,0 15 20,9 33 98.863 -16,2%
Fox 1,9 16 43,7 13 43.835 -56,9%
Gol 1,8 17 57,4 9 32.074 -40,3%
EcoSport 1,79 18 28,1 24 63.791 -21,8%
Fit 1,74 19 28,4 23 61.338 -30,1%
Ranger 1,73 20 15,8 36 109.79 -3,5%
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Renner Vieira

    A VW já pode ir embora do.Brasil, carros porcos com preço de Premium, só trouxa compra

  2. Fernando Sobolwsky

    No caso do Golf os preços são uma piada, carro feio, estilo ultrapassado, interior bem feito ,porem espartano visualmente. Quem dá tanto dinheiro por uma coisa que parece uma peruazinha encurtada.

  3. Fernando Sobolwsky

    A tendencia da VW é perder cada vez mais mercado. Carros caros ,feios e de qualidade discutível, pra não falar de preços de seguro e menutenção.

  4. Roberto da Silva Rocha

    O faturamento da JEEP foi a metade do da Volkswagaen, justamente a fabricante que passa o ano inteiro fazendo promoções com descontos e abatimentos, e menos equipa seus carros com assessórios e equipamentos no mínimo indispensáveis imagine o o efeito na imagem da marca… terrível, só brasileiro mesmo para gostar de lixo