A evolução do design automotivo quadrado para o redondo

Influência europeia, menor consumo de combustível e novas tecnologias foram fatores decisivos para o arredondamento dos carros

Cadillac Fleetwood 1976 em posição 3x4 de frente

Cadillac Fleetwood 1976 (Reprodução/Internet)

Apesar das proporções terem permanecido as mesmas, o design automotivo evoluiu muito nos últimos 40 anos. A década de 1970 e meados de 1980 simbolizou a era dos veículos quadrados, principalmente nos Estados Unidos. Porém, na virada para os anos 1990, as formas angulares deram lugar a linhas arredondadas e cheias de curvas — mais próximo do que é visto atualmente.

Segundo o site Vox, três fatores foram fundamentais para a drástica mudança nas formas dos veículos. São eles: as tendências de estilo europeu, o foco na economia de combustível permitida pela melhor aerodinâmica e a chegada de novas tecnologias que proporcionaram que os fabricantes projetassem e criassem mais facilmente formas curvas.

Embora houvesse o domínio de carros “quadradões” nos Estados Unidos, a ideia de um modelo curvilíneo não era nenhuma novidade, pois modelos da década de 1930, a exemplo do Chrysler Airflow, tinham um design feito para diminuir a resistência ao vento.

Modelos americanos com linhas curvas predominaram até o final da década de 1960, com o mercado após a década de 1970 sendo quase todo formado por veículos cheios de arestas, cada vez maiores e quadrados.

Buick Le Sabre 1986 em posição 3x4 de frente

Buick LeSabre 1986 (Divulgação/Buick)

Na Europa era o inverso, pois a atenção ao arrasto aerodinâmico (e consequente foco na economia de combustível) era mais levada em consideração — justamente por conta do preço da gasolina ser mais caro que nos EUA. Nos anos 1960 e 1970, fabricantes de luxo como Porsche, Audi, BMW, Mercedes-Benz foram uns dos precursores a reimplantar o design com linhas curvas.

Dessa forma, as carrocerias arredondadas tornaram-se sinônimos de luxo tanto na Europa quanto nos EUA — onde esses carros chegaram como importados. Segundo David Gartman, autor do livro Auto Opium: A Social History of American Automobile Design, “montadoras americanas começaram a copiar a estética aerodinâmica europeia em meados da década de 1980 como uma forma de cortejar os consumidores de luxo.”.

Ford Sierra 1982 em posição 3x4 de frente

Ford Sierra 1982 (Reprodução/Internet)

O maior exemplo foi a Ford, que começou a trocar o desenho de arestas por formas curvilíneas nos automóveis de volume, a exemplo do Ford Sierra de 1982, que tinha linhas bem esguias para sua época. Ele não foi nenhum sucesso de público, mas posteriormente o consumidor se acostumou à novidade — copiada por outras marcas depois.

Ford Taurus 1986 em posição 3x4 de frente

Ford Taurus 1986 (Reprodução/Internet)

Contudo, em 1986 veio o novo Taurus, com seu estilo futurista para época e participação até no clássico filme Robocop, ajudando a alçar seu sucesso. O Buick LeSabre também ilustra bem a troca de visual no modelo 1986 (quadrado) para o 1992 (redondo).

Buick LeSabre 1992 em posição 3x4 de frente

Buick LeSabre 1992 (vale comparar com a foto do modelo 1986, mais acima) (Divulgação/Buick)

A economia de combustível também foi um dos principais motivos para os carros aderirem às formas mais suaves: em geral, para-brisas mais inclinados e superfícies mais curvas propiciam menor resistência ao vento. Ou seja, menos gasolina é queimada para movimentar o carro na mesma distância e velocidade do que um modelo quadrado.

Por último, o desenvolvimento da tecnologia facilitou a criação de designs mais ousados. Antes disso, os projetistas desenvolviam novos veículos usando argila, madeira e outros materiais físicos. No período da década de 1980, houve o advento do computador, que permitiu a modelagem 3D das formas da carroceria através de softwares.

As tecnologias de fabricação de peças também barateou e facilitou a produção de novas chapas de metal curvas. Consequentemente, a partir da década de 1990 os novos carros ganharam fluidez, deixando o quadrado no passado.

Atualmente, há modelos que ressuscitaram as linhas retilíneas, mas sempre acompanhadas de quinas arredondadas para priorizar a economia de combustível e, principalmente, a segurança (em relação ao pedestre para evitar maiores danos em caso de atropelamento).

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Matheus Barana

    Poderiam ter dado uma ênfase maior em termos de manufatura. O consumo de combustível foi relevante? – Sim, porém a evolução das fabricas em si, principalmente as estamparias, simulações virtuais e principalmente o CAD contribuíram muito mais do que a aerodinâmica em si.

  2. Franco Vieira

    Outros dois bons exemplos, seguindo essa época (anos 80 p/90): Gol e Eclipse da 1ª e 2ª geração.

  3. Marcelo Pires

    O Gol GTi quadradão ainda é o Gol mais bonito de todos

  4. Dax Consultoria Automotiva

    Texto não está bem escrito. Não é só o formato da carroceria que influi, o Uno 1984 tem coeficiente melhor que o Uno atual.. O Ford Sierra apesentado tem coeficiente melhor do que muitos (muitos mesmo) carros atuais.