Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Novo Corolla
  • Up
  • Logan
  • HB 20
  • Prisma
  • Novo Ka
  • Golf VII
  • Focus
  • Tracker
  • New Fiesta
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
NOTÍCIAS » Sustentabilidade
TEXTO  |RSS | Add to Google|
VW exibe Tiguan movido a hidrogênio
Por Vitor Matsubara | 19/03/2009
Ecológico, SUV compacto emite apenas vapor d’água

A Volkswagen promoveu nesta quinta-feira, 19 de março, um breve test-drive com o Tiguan HYMotion, protótipo apresentado na Ecogerma 2009.

O modelo, desenvolvido pela matriz da montadora em Wolfsburg, usa a tecnologia de células a combustível para se movimentar. O carro é impulsionado por 420 células, sendo que cada uma delas geram uma reação que combina hidrogênio e oxigênio.

O processo de oxidação libera energia, que é prontamente convertida em energia elétrica. A seguir, a eletricidade é transmitida por meio de um conversor e um inversor estático para um ou mais motores elétricos. Assim, o carro se movimenta sem emitir poluentes, apenas vapor d’água.

O tanque de hidrogênio fica alojado abaixo do banco traseiro, dentro do porta-malas. Por enquanto, a marca construiu dois postos de hidrogênio, localizados na Alemanha e nos Estados Unidos. Nestes locais, o processo de reabastecimento leva aproximadamente dois minutos.

Por dentro, o Tiguan HYMotion é idêntico ao modelo que deve chegar ao Brasil no final de abril. A única ressalva vai para a tela instalada no console central, que exibem gráficos e informações sobre o desempenho do carro.

Segundo a Volkswagen, a tecnologia ainda precisa ser aprimorada e os primeiros veículos produzidos em série não devem sair da linha de montagem antes de 2020.

hidrogeneozero (12/12/2010 @ 12:21)
Os Kits de hidrogénio engarrafado não tem muita lógica. Lógica tem os sistemas de Hidrogénio feito de água e sem depósito para misturar no uso do combústivel que o nosso carro usa, oleo,gasolina,diesel, alcool ou GPL ou GNC, assim estes sistemas instalam se em qualquer mecanico electricista em cerca de uma hora, diminuem o consumo,aumentam longevidade do motor e a potencia do veículo,mais autonomia entre revisões no mecanico e durabilidade do oleo do motor e redução do co2 em mais de 90% O site para encomendar é http://hidrogeneozero.webs.com
Ricardo Picchiarini (05/04/2009 @ 08:59)
Na década de 80, havia 5 centros de pesquisa no mundo desenvolvendo carros movidos a hidrogênio e o Brasil era um deles. Na UNICAMP, rodava pelas ruas do campus um dos primeiros carros do mundo movido a hidrogênio, um Gurgel Itaipu. Protótipo por protótipo, nem VW, nem Volvo, ou qualquer outra marca grande de automóveis fez um carro com tanta antecedência. Ao engenheiro químico Alicio que se apressou em colocar uma pá de cal no combustível hidrogênio, saiba que a produção do combustível não é só o que conta. Há um fato que vc, por não ser engenheiro mecânico, esqueceu: a armazenagem do combustível. Energia elétrica sempre será um problema para ser armazenada, já que envolve um peso considerável no carro, diminuindo em muito sua relação peso/potência e por isso sua autonomia. O hidrogênio terá (quando quiserem) condições de ser armazenado em polímeros leves, como favos de mel, sem tanques pressurizados, colocando a relação peso/potência em níveis nunca antes imaginados. Esta tecnologia foi desenvolvida no início dos anos 90. E volto a dizer: nada disso será realidade enquanto a força do petróleo estiver presente. Isso não é uma pesquisa com genoma, que um dia terá sido desenvolvido o suficiente para trazer grandes benefícios, e que não tem opositores, apenas barreiras de conhecimento. O hidrogênio tem barreiras políticas seríssimas. Tão sérias que derrubam presidentes, criam guerras bilionárias, milhões de mortos, ditam em grande parte a geopolítica mundial , etc. Não serão aceitas tentativas utópicas de dar um fim nele. Daí, a gente vai ficar vendo o lançamento de um protótipo de hidrogênio a cada década. Até o fim dos estoques de petróleo, ali por 2070...
Fernando Luiz (05/04/2009 @ 00:11)
Tanto a Mercedes Bens como a Volvo , a muitos anos tem carros a prontos para serem lançados no mercado ,movidos a hidrogenio .A Volks como na maioria das vezes vai apenas ``atras do bonde´´.
|Gabriel Fernandes (22/03/2009 @ 00:00)
Quem realmente manda neste país é a PETROBRÁS. O preço da gasolina no Brasil tá lá nas alturas e o LULA não tem coragem de mandar a Petrobrás baixar.Sabem quando esse carro chegará ao Brasil??? NUNCA.
|Gabriel Fernandes (22/03/2009 @ 00:00)
Quem realmente manda neste país é a PETROBRÁS. O preço da gasolina no Brasil tá lá nas alturas e o LULA não tem coragem de mandar a Petrobrás baixar.Sabem quando esse carro chegará ao Brasil??? NUNCA.
|Gabriel Fernandes (22/03/2009 @ 00:00)
Quem realmente manda neste país é a PETROBRÁS. O preço da gasolina no Brasil tá lá nas alturas e o LULA não tem coragem de mandar a Petrobrás baixar.Sabem quando esse carro chegará ao Brasil??? NUNCA.
Correção (21/03/2009 @ 00:00)
Correção primeiro carro turbo foi o fiat uno turbo e o honda clarity foi o primeiro carro a hidrogenio a VW so copiou.
Correção (21/03/2009 @ 00:00)
Correção primeiro carro turbo foi o fiat uno turbo e o honda clarity foi o primeiro carro a hidrogenio a VW so copiou.
Pedro (21/03/2009 @ 00:00)
Parabens para a VW a empresa automibilistica que mais cresce e inova no mundo, ja é a terceira colocado no ranking mundial!!! Rumo a liderança!!!
Henry (20/03/2009 @ 00:00)
WOW!! O carro nao polui e ainda "humidifica" o ar!! rs.. Nada mal!! Pena que vao demorar para chegar ao mercado....
cesar (20/03/2009 @ 00:00)
Moro no japao ha trez anos e quando cheguei aqui li uma reportagem que falava sobre uma nova tecnologia utilizada para aumentar a durabilidade dos pneus, que ja estava em fase de testes e logo chegaria ao consumidor, ainda, destacava a grande importancia da aplicacao desta tecnologia para a preservacao do meio ambiente, mas desde entao nunca mais li nem ouvi falar mais nada a respeito.....aproveitem para ler essa, pois pode ser que tenha o mesmo destino.
cesar (20/03/2009 @ 00:00)
Moro no japao ha trez anos e quando cheguei aqui li uma reportagem que falava sobre uma nova tecnologia utilizada para aumentar a durabilidade dos pneus, que ja estava em fase de testes e logo chegaria ao consumidor, ainda, destacava a grande importancia da aplicacao desta tecnologia para a preservacao do meio ambiente, mas desde entao nunca mais li nem ouvi falar mais nada a respeito.....aproveitem para ler essa, pois pode ser que tenha o mesmo destino.
Maurício (20/03/2009 @ 00:00)
Mais uma vez a VW sai na frente, o marca que não para, primeiro carro turbo, primeiro carro total flex, e agora carro a hidrogenio, que maravilha.
cesar (20/03/2009 @ 00:00)
Moro no japao ha trez anos e quando cheguei aqui li uma reportagem que falava sobre uma nova tecnologia utilizada para aumentar a durabilidade dos pneus, que ja estava em fase de testes e logo chegaria ao consumidor, ainda, destacava a grande importancia da aplicacao desta tecnologia para a preservacao do meio ambiente, mas desde entao nunca mais li nem ouvi falar mais nada a respeito.....aproveitem para ler essa, pois pode ser que tenha o mesmo destino.
Alicio (20/03/2009 @ 00:00)
Olá Galera, Sou Engenheiro Químico e especialista em combustíveis. Só conheço duas formas industriais de se obter hidrogênio. 1 Reforma a vapor utilizando metano, porém para utilização em escala industrial adequada, a única fonte deste insumo é o petróleo. (bio-gás produzido a partir de lixo não tem escala para isto) 2 Eletrólise da água. O insumo é a água e a energia elétrica. Uma vez que a energia elétrica já está disponível ela pode ser utilizada diretamente em um carro elétrico. Um abraço
Alicio (20/03/2009 @ 00:00)
Olá Galera, Sou Engenheiro Químico e especialista em combustíveis. Só conheço duas formas industriais de se obter hidrogênio. 1 Reforma a vapor utilizando metano, porém para utilização em escala industrial adequada, a única fonte deste insumo é o petróleo. (bio-gás produzido a partir de lixo não tem escala para isto) 2 Eletrólise da água. O insumo é a água e a energia elétrica. Uma vez que a energia elétrica já está disponível ela pode ser utilizada diretamente em um carro elétrico. Um abraço
MANIPULADO. (20/03/2009 @ 00:00)
Tudo isto é realmente muito bom muito lindo. mas num pais que os carros são bonitinhos por fóra e ordinarios por dentro onde a vw fas um comercial que dis não adiantar por luzinhas no painel mas nos dão manivélas para feixar os vidros onde se pergunta como vamos por air bag na insegura e ultrapassada kombi onde o presidente da CAOA estuda a volta da importação do lada niva. aqui eu não acredito na preocupação das montadoras enem do governo. só se rolar algum por fóra.
TONINHO (19/03/2009 @ 00:00)
È sem duvida uma realidade muito destante e nada barata 2020 la imagina aqui.
Henrique (19/03/2009 @ 00:00)
Tecnologia cara é sempre assim: Demora anos e anos para chegar no seu carro
TONINHO (19/03/2009 @ 00:00)
O ricardo picchiarini foi muito esclarecedor sobre a pressão das empresas petroliferas. eu realmente não tinha visto por esse angulo obrigado.
Ricardo Picchiarini (19/03/2009 @ 00:00)
Não há nada de caro no hidrogênio, ou em qualquer outra tecnologia de ponta. O fator que importa é escala. As TVs de plasma ou LCD só baratearam seu preço depois que uma certa escala de produção foi atingida. Assim seria tb com o hidrogênio. Porém, o problema político de ir contra os interesses de governos e empresas petrolíferas pesa muito para que nada seja feito. A Petrobrás se inclui nessa pressão contrária: de que adianta descobrir o maior poço de petróleo dos últimos tempos e não poder utilizá-lo?
John (19/03/2009 @ 00:00)
Prezado Ricardo, a comparação das tecnologias foi muito apropriada. Faz tempo que tento fazer as pessoas enxergarem isso. Temos de viver em uma época de tantas dificuldades, de tantas desigualdades, e ainda ter de ouvir os fabricantes promoverem o "diesel limpo" é decepcionante. Chega de petróleo manchado de sangue das guerras. Se o hidrogênio ainda precisa evoluir mais para poder ser usado em produtos de massa, o etanol está aí, podendo mudar a realidade de nações. Mesmo assim, nada justifica levar vinte anos para desenvolver um produto que já está sendo testado - isso é uma grande mentira. Vamos fazer valer nossa voz. Vamos divulgar e esclarecer o máximo de pessoas possível - somente assim haverá massa crítica - e política - para que a mudança, de postura e de ética, ocorra realmente. Abraço.
» TOPO