10 apelidos maldosos de carros no Brasil

Merecidos ou não, maldosos ou carinhosos, eles ganharam apelidos que acabaram caindo na boca do povo fanático por carros

Top Ten - apelidos maldosos

Vovorola, Lenoster, Monstrana e NhecoSport

Frágile

Chevrolet Agile

Lançado em 2009 durante a maior crise já enfrentada pela General Motors, o Agile foi criado para manter a Chevrolet do Brasil de portas abertas. Seu design, porém, não agradou a todos. Outro agravante para seu insucesso foi a construção na base do antigo Corsa B, de 1994, que lhe rendeu o infame apelido de “Frágile”.

Monstrana

Chevrolet Montana

A primeira geração da Montana, pertencente à gama do último Corsa vendido no Brasil, fez sucesso. Seu visual era harmônico e carregava certa esportividade não vista nas concorrentes Fiat Strada e Volkswagen Saveiro. Mas, o ditado de que “não se mexe em time que está ganhando” parece não fazer parte da filosofia da GM do Brasil. A picape se rendeu ao estilo polêmico do Agile e, aí, não teve jeito: ainda mais na duvidosa tonalidade verde de divulgação, virou Monstrana.

Capivara

Chevrolet Spin

Assim como Agile e Montana acima, a Spin nunca despertou paixões – ou, talvez, apenas nos amantes dos animais. Olhe bem para a dianteira da minivan. O focinho grande e arredondado, o nariz pronunciado e os olhos sempre atentos são características típicas da Capivara, um roedor semiaquático típico da América do Sul, e também da Spin. Ah! Não podemos esquecer da aventureira Spin Activ. Que tal uma capivara de mochila?

Botinha Ortopédica

Fiat Uno Mille

O popular da Fiat lançado em 1984 ganhou, logo de cara, um apelido maldoso e carinhoso ao mesmo tempo: botinha ortopédica. O motivo é óbvio quando se olha para o perfil do Uno e de uma bota feita para tratamentos ortopédicos. Para o bem ou para o mal, o formato garantiu seu sucesso, permanecendo até a atual geração do Uno com o conceito de “round square”, ou “quadrado redondo”.

NhecoSport

Ford EcoSport

A primeira geração do jipinho da Ford foi duramente criticada por falhas de projeto e acabamento, alguns corrigidos na primeira reestilização e na segunda geração do modelo. De qualquer forma, a fama permaneceu: o painel com barulhos e baixa qualidade no acabamento, além de vãos desproporcionais entre partes da carroceria, renderam os apelidos de NhecoSport, ou TrecoSport.

X-Egg3

Ford Escort XR3

Enquanto o Camaro amarelo ganhou apelido “doce”, o Escort XR-3 da mesma cor não teve a mesma sorte. O tom “amarelo gema” do cupê remetia a um ovo, assim como a sonoridade do “xis érre” lembrava do lanche X-Egg que, como ingrediente principal, tem o ovo. Não deu outra: Escort X-Egg 3.

Lentoster

Hyundai Veloster

Este é um caso que foi parar até na justiça – não o apelido, mas o motivo dele. Quando apresentou o Veloster ao Brasil, em 2011, a Hyundai divulgava uma potência de 140 cv para o modelo, que ainda oferecia algum sentido para o nome de esportivo. No entanto, a decepção dos proprietários começou quando a imprensa especializada revelou a verdade: eram 128 cv vindos do mesmo motor do compacto HB20, de categoria e preço inferiores. O desempenho raquítico rendeu uma série de apelidos. Lentoster foi o principal – mas também tinha Vagaroster, Lerdoster, Moloster…

Vovorolla

Toyota Corolla

Enquanto nos Estados Unidos o Corolla é tido como o primeiro carro de muitos jovens (e tem versões com design diferenciado que seguem a proposta), no Brasil o sedã é visto como um modelo para pessoas (especialmente homens) mais velhos e bem sucedidos, do tipo que “chegou lá”. Por isso, o modelo incorporou a fama de “carro de vô”, rendendo o neologismo “Vovorolla”.

Sapão

Volkswagen Golf

A segunda geração do Golf vendida no Brasil (quarta no mundo) foi, talvez, a mais marcante do modelo por aqui. Também foi a única marcada por um apelido, este inspirado em seu formato arredondado e de porte baixo – a famosa cor verde oferecida na época também favorecia. O Golf Sapão marcou época.

Pão de Forma

Volkswagen Kombi

Este é quase que auto-explicativo. Também apelidada de Velha Senhora, Guerreira, Porta Para o Céu, a Kombi também era chamada de Pão de Forma por ter o mesmo formato do alimento vendido fatiado no mercado perto de casa. 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Paulo Macedo

    Faltou o “carrinho da Barbie” ou “carrinho de boneca”… Isso mesmo, o Volkswagen Up!

  2. Júnior Nascimento

    Faltou o carro da barbie (mini cooper), caixa de leite moça (vw up) gol gourmet (audi a3), voyajao ( jetta), …

  3. Igor Pricandi

    Corrigindo: Moloster.

  4. Paulo Rogerio Gaeta

    Faltou o Zé do Caixão dos anos 70.
    VW 1600

  5. Odair Soliveira

    a kombi tambem era chamada de “jesus me chama”.

  6. Christian Bernert

    Um dos mais emblemáticos foi o Fusca anos 60 com teto solar.
    Logo trataram de apelidá-lo de “cornomóvel” ou “cornowagen”. O que era para ser um acessório de valor acabou se transformando em constrangimento e acabou rejeitado pelo mercado.