Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Novo Corolla
  • Up
  • Logan
  • HB 20
  • Prisma
  • Novo Ka
  • Golf VII
  • Focus
  • Tracker
  • New Fiesta
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
Nitro | Reportagens
Perfil à prova
Agosto 2006

Perfil à prova

Será que colocar rodas maiores melhora mesmo o comportamento do carro? Fizemos uma comparação entre os aros 15 e 17 e descobrimos algumas surpresas

Por Alexandre Ule Ramos/ foto: Ricardo Rollo
Lista de matérias por data:

ALTERAR O TAMANHO DA LETRA  

Quando se fala em tuning, é quase impossível não associá-lo à troca das rodas originais por outras de desenho diferenciado e, claro, de maior diâmetro. Nos Estados Unidos, existem utilitários esportivos que usam rodas de até 26 polegadas! Mas como fica na prática o comportamento dos carros que têm as rodas trocadas por outras maiores? Existe um critério para essa mudança de tamanho, ou vale a regra do ''se couber e rodar, está valendo''? Para responder a essas perguntas, fizemos um teste na pista de provas da Pirelli, em Sumaré (SP), comparando rodas de 15 polegadas com as de 17. O primeiro passo foi a escolha do carro. A opção foi a Saveiro, por três razões: tem grande popularidade entre os adeptos do tuning, é relativamente barata na hora de equipar e conta com uma quantidade variada de rodas à disposição dos interessados em mudar de aro. As rodas originais Volkswagen - liga leve de aro 15, calçadas com pneus 195/50 R15 - deram lugar a outro jogo, da marca TSW, com aro 17 e pneus 205/40 ZR17. Essa mudança não pode ser feita aleatoriamente. Numa operação que os fabricantes de pneus chamam de ''turn-over'' (algo como ''mudança para cima'', numa tradução livre), deve ser respeitado o limite máximo de 3% de diferença entre o diâmetro do conjunto original e o do que vai ser instalado (saiba mais clicando na última foto da galeria).

O teste foi dividido em dois: na parte subjetiva, foi avaliada a dirigibilidade em piso seco e molhado, além do conforto. Na parte instrumentada, novamente foi avaliado o conforto, dessa vez de forma mais objetiva e precisa, além da aquaplanagem, critério fundamental quando se fala em rodas e pneus. A tarefa de avaliar cada detalhe da mudança de comportamento entre o aro 15 e o 17 ficou nas mãos de dois experientes pilotos de teste da Pirelli, César Augusto Urnhani e Marcelo Moreno.

Com o dia ensolarado, 26 ºC de temperatura e 56% de umidade relativa do ar, encontramos as primeiras diferenças. Segundo a avaliação dos pilotos, no piso seco as rodas 17 são mais ''rápidas'' nas respostas do veículo e, por causa disso, o volante apresenta reações mais esportivas. Como há mais borracha em contato com o piso, as manobras do motorista são sentidas na pista com mais rapidez, tornando o carro mais arisco.

No entanto, quando o veículo chega ao limite da aderência numa curva ou em manobras de emergência, a perda de contato ocorre de forma mais rápida. Na prática, significa que o pneu com o aro 15 canta mais cedo e ''avisa'' que vai desgarrar, apresentando escorregamento em velocidades menores. Ou seja, o carro escorrega em velocidades menores, porém seu comportamento é mais previsível, sem sustos para o motorista menos habituado a essa situação. Já o aro 17 permanece mais tempo grudado no chão, porém é menos previsível, desgarrando em curvas fechadas sem aviso. ''A roda maior é mesmo indicada para quem procura uma condução mais esportiva, mas o motorista precisa estar à altura, senão perde controle fácil'', diz o piloto César Urnhani.

Naturalmente, com a maior área de contato, o aro 17 apresenta maior limite de aderência, permitindo que as curvas sejam feitas em maior velocidade, fazendo que a Saveiro levantasse uma das rodas traseiras numa manobra extrema. Outra conseqüência do uso do aro 17 é que o volante tende a ficar um pouco mais pesado.

No piso molhado, nova bateria de testes. Enquanto há pouca água no asfalto, as rodas maiores se saem melhor, com maior aderência. No momento em que existe o excesso de água - uma poça d'água, por exemplo -, os pneus com aro 17 aquaplanam com maior facilidade. A banda de rodagem perde contato com o asfalto em velocidades mais baixas, o que exige bastante atenção do motorista para que ele não perca o controle. Isso acontece porque a maior área de contato do pneu faz com que a pressão de contato da borracha com o piso seja menor.

Depois do teste subjetivo, é a vez de medir a aquaplanagem, em uma pista específica para esse fim. O veículo vem acelerando progressivamente sobre uma lâmina de água de 7 milímetros até o equipamento registrar a velocidade em que o pneu perdeu o contato com o chão. Com as rodas de 17 polegadas, a velocidade é 10% menor que nas de 15. Enquanto as de 17 perdem a aderência aos 78,6 km/h, as rodas originais vão aquaplanar a 87,5 km/h. Ao contrário do que alguns acham, com um pneu mais largo, o motorista precisa aliviar o pé direito mais cedo quando estiver rodando sob chuva.

Os pilotos da Pirelli lembram que variações no desenho da banda de rodagem dos pneus poderiam provocar uma leve diferença para cima ou para baixo nos números, mas nunca fariam com que a velocidade de aquaplanagem das rodas 17 fosse maior que as rodas de aro 15, desde que se mantivesse o mesmo peso do veículo.

Surpresa

Por último, é hora de medir a diferença no conforto. Para essa avaliação, foi instalado um sensor de aceleração na junção entre o amortecedor e o restante da suspensão, que media a intensidade dos impactos sofridos nesses componentes. Outro sensor foi colocado no volante, para saber quanto desses impactos chegava ao motorista. Os instrumentos mostraram que, com rodas de 17 polegadas, os impactos eram ligeiramente maiores do que com as de 15, mas a absorção feita por elas também era maior. Traduzindo em números, a absorção era de 6% no aro 17 contra 5% do aro 15. Contrariando a tese de que pneus com perfil de menor altura são menos confortáveis, quando comparados aos mais altos e com banda mais estreita, as rodas de aro 17 se saíram ligeiramente melhor. Na prática, estaria mais para um empate técnico, mas em números absolutos, os rodões ficaram na frente. ''Fiquei muito surpreso'', diz Urnhani. ''Sempre achei que a roda maior prejudicasse o conforto do motorista.''

Ao final, a conclusão é que as rodas de aro 17 são mais agressivas na condução, privilegiando quem gosta de andar mais rápido, em percursos sinuosos. No piso seco as rodas maiores são indicadas para quem gosta de - e sabe - andar mais esportivamente. Já as rodas originais são voltadas para quem dirige de forma mais tranqüila e prefere ser avisado antes dos limites do carro, para não levar sustos. No asfalto molhado, ao volante de um carro com pneus mais largos, o motorista terá de reduzir a velocidade para não aquaplanar mais cedo. Quanto ao conforto, como os números são próximos, comprovou-se que não há prejuízos com a colocação das rodas de maior diâmetro, desde que respeitadas as regras do turn-over e que as pressões originais sejam mantidas.


Pressão

Mesmo com rodas maiores, a pressão do pneu deve ser igual à do original. Com pressão mais alta, a suspensão sofrerá mais e haverá desgaste irregular no pneu. Com pressão mais baixa, há aumento do consumo e da temperatura do pneu, além de maior tendência à aquaplanagem.





» FOTOS

Publicidade