publicidade

publicidade

Grandes motonetas no Brasil

O mercado das scooters de maior cilindrada deve explodir também no Brasil

18/07/2012 13:53 - Por Eduardo Viotti

Grandes motonetas no Brasil Foto: Divulgação Grandes motonetas no Brasil

A motorização no Brasil está se orientalizando. Com a explosão da nova classe média e o crescimento desordenado das cidades, as motinhos tomam conta das ruas. Com tráfego parado, a tentação de se esgueirar entre os carros soma-se à ideia de economia para determinar a decisão de compra. Em algumas regiões, cubs e motinhos utilitárias surgem como opção ao transporte coletivo - nos casos dramáticos, à precariedade dos meios existentes. Esse fenômeno é claro no Nordeste, que reproduz a opção pela mobilidade individual de grande parte do Oriente longínquo, caso de toda a Indochina, Tailândia,Vietnã, Laos, Camboja, Birmânia - e da continental China. Diante da ausência de trens ou outros sistemas de transporte organizados, vale munir-se de duas rodas e um pouquinho de gasolina.

No Brasil, esse papel popular tem sido reservado às utilitárias, cuja versão emblemática é a Honda CG 125/150 (o veículo automotor mais vendido no país há anos), e às cubs, ou underbones. Os scooters menores têm se apresentado como opção mais charmosa, especialmente para o público feminino e jovem. Curiosamente, o primeiro veículo a motor feito no país foi a Lambretta, uma motoneta, em 1955. Os automóveis começaram no ano seguinte, comVemaguet e Kombi.

Em meados dos anos 80, a Vespa instalou-se em Manaus, em parceria com a Caloi, para montar a Vespa PX 200. Com a reabertura das importações, proibidas entre 1976 e 1990, houve ingressos pontuais de scooters de marcas como Peugeot e Piaggio, mas o segmento começou a renascer apenas em 2004, com o lançamento do Suzuki AN 125 Burgman, um sucesso visível nas cidades. A Yamaha lançou o Neo 115 em 2007, com rodas de aro mais amplo e pegada cub, seguida pela Dafra Laser 150 em 2008.A Honda apresentou o Lead 110 em 2009, com injeção de combustível moderna - e ele se mantém na liderança do segmento até hoje.

Entre os scooters de maior cilindrada, a onda do momento, a Suzuki também é a pioneira e a única marca a explorar esse mercado até hoje, com os Burgman 400 e 650. A Dafra começou a construir boa reputação com o Sym Citycom 300, lançado em 2010, sucesso de vendas nas maiores cidades. Aliás, em breve pode lançar a versão mais sofisticada do mesmo modelo, a GT, e até mesmo o irmão maior, o Sym 400i.

Esses produtos devem enfrentar concorrência em breve. A Piaggio, dona da Vespa, ronda e afaga.A Honda, do alto de sua sólida liderança, tem produtos para os diversos nichos, com topo no SilverWing 600 cc e no novo Integra, de 700 cc.

No Salão da Moto do ano passado, Yamaha e Kawasaki fizeram sondagens com o consumidor final. A marca dos diapasões trouxe o X-Max 250 e o T-Max 530. Alvos de atenção e especulações, nada foi confirmado oficialmente. É dada como certa a chegada do irmão maior dessa família. A Kawasaki trouxe dois modelos da marca deTaiwan Kymco: oAgility 200 e o Xciting 500. Sua chegada deve ocorrer ainda no segundo semestre. A BMW... Bem, você acaba de conhecer mais a fundo o C 600 Sport e o C 650 GT, que em breve devem chegar por aqui. As peças estão no tabuleiro.