A modalidade de venda que garante a recompra do seu carro

A recompra garantida está na moda e pode ser vantajosa para você, mas há regras

(Mauricio Pierro/Quatro Rodas)

As fabricantes buscam soluções para driblar a ainda presente crise. A recompra garantida é uma delas, que visa fidelizar o cliente ao assegurar boas condições na revenda de seu usado e na compra de um zero-quilômetro. No entanto, a prática não é tão simples e varia de acordo com alguns fatores.

A Toyota garante a recompra do veículo por meio do programa Ciclo Toyota, que consiste em uma entrada de 30% do carro novo, o parcelamento em até 36 vezes e uma parcela final que pode variar entre 20% e 50% do total.

Ao finalizar o pagamento das parcelas comuns, a concessionária paga 85% da tabela Fipe do modelo para quitar a parcela residual. O que sobrar desse valor é utilizado como entrada na troca pelo novo.

As vantagens são duas: primeiro, você tem a garantia (e a facilidade) de que seu usado será recomprado pela marca. Segundo, as parcelas intermediárias ficam mais leves, deixando o grosso para ser quitado justamente pelo valor da recompra.

“Para quem quer trocar de automóvel em um curto período, esse tipo de plano é vantajoso, principalmente por ter uma parcela mais acessível”, disse o consultor Paulo Garbossa em outra reportagem a respeito do assunto, quando fizemos uma tabela comparativa com diversos modelos.

Chevrolet, Hyundai, Nissan, Peugeot e VW, além das premium Audi, Mercedes-Benz e, mais recentemente, a Volvo, também têm seus programas de recompra – também chamado de financamento balão.

Mais que o pagamento, os programas têm outras regras a serem seguidas.

No Ciclo Toyota, por exemplo, há até manual disponível na web: o usado deve ter quilometragem inferior a 15.000 km por ano, riscos e amassados não podem passar de 5 cm, trincas em faróis e lanternas não são tolerados, a pintura deve ser original, a manutenções deve estar em dia, eventuais acessórios devem ser originais e o carro deve estar limpo no dia da avaliação, que deve ocorrer em, no máximo, dez dias antes do vencimento da parcela final.

A modalidade, portanto, demanda bastante cuidado com o carro. Se ele não cumprir os requisitos, o comprador terá de refinanciar o saldo devedor (que, lembrando, pode chegar a 50% do valor total) para quitar o financiamento, ou então vender o veículo por conta própria, caso ainda deseje trocá-lo.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Gabriel Medeiros

    Pra quem gosta de mexer no carro 0, ou seja, é doente que nem eu, não vai prestar. rsrs
    Meu Fiesta completou nem 1 ano e já tem K2ON no farol, retrofit planejado para o final do ano, filtro, multimídia e uma penca de adereços estéticos para deixar com cara de Titanium. Assim que possível ganha forração de couro. Só não abro mão da garantia do motor.