Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Up
  • Onix
  • Duster
  • HB 20
  • Novo Ka
  • Corolla
  • Civic
  • Golf
  • Focus
  • New Fiesta
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
Carros | Usado do mês
Ford Fusion
Agosto 2010

Ford Fusion

Espaçoso e equipado, agrada quem quer status a um preço acessível, desde que não se importe com o alto preço de peças

Por Fernando Garcia
Lista de matérias por data:

ALTERAR O TAMANHO DA LETRA  

Você já foi dono de Vectra, Corolla e Civic e agora almeja um pouco mais. O próximo passo na escola evolutiva dos sedãs estaria num modelo maior e mais luxuoso, como o Ford Fusion. Custando menos de 45 000 reais, o sedã agrada pelo espaço (é 13 cm maior no entre-eixos que um Corolla) e pelo bom custo-benefício. O preço inclui itens como câmbio automático, airbags frontais, laterais e de cortina e freios ABS com distribuição eletrônica de frenagem. É mais em conta que um Civic LXS 2007 manual, que sai por 46 068 reais.

Além de bem equipado, seu design e o porte imponente empolgam seus donos, assim como seu seguro, que não é exatamente barato, mas é um dos mais baixos da categoria: 2 948 reais, contra 3 656 do Honda Accord e 3 183 do Hyundai Azera. Por outro lado, sofre com a desvalorização alta e o preço de peças elevado – um para-choque chega a ser vendido nas concessionárias por quase 1 500 reais. Ao comprar um usado, tome um cuidado que costuma passar despercebido por muitos: prefira os carros fabricados a partir do segundo semestre de 2007, pois ainda estarão na garantia de fábrica de três anos.

O Fusion começou a ser importado do México em meados de 2006 em uma única versão. A SEL vinha de série com câmbio automático de cinco marchas, airbag duplo (de dois estágios), lateral e de cortina, freio a disco com ABS e EBD, revestimento de couro, ar-condicionado automático, banco do motorista com regulagem elétrica, CD player com MP3 para seis discos, computador de bordo e controles de rádio, ar-condicionado e piloto automático no volante. Só o teto solar era opcional. O motor era um 2.3 de quatro cilindros, que rendia 162 cv.

No ano seguinte, ficou ainda mais equipado: ganhou sensor de estacionamento, monitoramento da pressão dos pneus e teclas na porta para abertura por código numérico. Em maio de 2009, a linha 2010 traria uma reestilização que daria um ar mais esportivo, com alteração em grade, para-choques, faróis e lanternas. A mudança vinha acompanhada de dois motores: um 2.5 16V de 173 cv e um 3.0 V6 de 243 cv, este com sistema de tração integral.

 



FUJA DA ROUBADA

Os lojistas recomendam evitar os raros carros nas cores azul, verde e vinho, que dão muito trabalho para revender.

 

 



NÓS DISSEMOS
Julho de 2006

 



“Se Accord e Civic são os opostos, o Ford Fusion é a síntese. É grande como o Accord (...), com vantagens: o quinto passageiro não levanta tanto os joelhos (...) e temos o maior portamalas (530 litros). O Fusion é mais generoso em equipamentos que o Vectra, com rodas aro 17 e faróis com acendimento automático, opcionais no Chevrolet, e airbags de cortina, que ninguém tem. (...) Na opinião do piloto de testes César Urnhani, todos tinham o que mudar, sem ferir suas personalidades (...), sobre o Fusion, disse: ‘Não precisa mudar nada, ele é todo coerente. Tem um rodar classudo: sólido, mas sem ser duro a ponto de sugerir esportividade’.”

 

 



PREÇO DOS USADOS (EM MÉDIA)

Fusion SEL 2.3 16V

2006: 44 538
2007: 46 791
2008: 52 404
2009: 58 457

 

 

 



PREÇO DAS PEÇAS

Para-choque dianteiro
Original: 1468
Paralelo: 350

Farol completo (cada um)
Original:
754
Paralelo: 390

Disco de freio dianteiro (par)
Original:
447
Paralelo: 300

Pastilha de freio dianteira (jogo)
Original:
415
Paralelo: 150

Retrovisor (cada um)
Original:
363
Paralelo: 300

Amortecedor diant./tras. (cada um)
Original:
239/190
Paralelo: 480/380

 

 



PENSE TAMBÉM EM UM...
Hyundai Azera

 



O modelo coreano é ainda mais equipado e oferece itens de série que muitos não têm, como acabamento de madeira, dez airbags, câmbio automático de cinco marchas, bancos de couro com ajustes elétricos e ar-condicionado digital de duas zonas. Ainda pesa a favor a garantia de cinco anos, ou seja, comprando um usado de 2008, você terá mais três anos pela frente. Também agrada sua dirigibilidade, graças a um rodar mais suave, que filtra bem as imperfeições do piso. O motor é um V6 de 3,3 litros com 245 cv. As reclamações ficam no menor número de concessionárias (161 contra 508 da Ford) e no alto preço das peças e revisões.

 



ONDE O BICHO PEGA

 



Bancos: Não é raro ver os bancos forrados de couro sintético com riscos ou mesmo rasgos. Certifique-se se eles ainda estão na garantia, do contrário terá que arcar com a troca, que pode sair por até 2 000 reais para cada banco dianteiro, se for feita na concessionária.

Coxim: Vibrações e ruídos metálicos revelam o desgaste precoce dos coxins de motor e câmbio. A substituirão custa até 970 reais.

Teto solar: Alguns donos reclamam da baixa durabilidade da borracha de vedação do teto solar, que com o tempo apresenta trincas. Na dúvida, leve-o para teste em um lava-rápido.

Freios: São comuns relatos de ruídos e trepidações, tema de reportagem na seção Autodefesa na edição de outubro de 2008. Segundo a Ford, o defeito estaria no pino e molas de fixação do cavalete e nas pinças, que precisariam ser trocadas.

Direção: Há casos em que o braço e a barra de direção apresentam desgaste acelerado, que pode ser revelado por ruídos ao rodar em uma rua de paralelepípedo. Se o carro estiver fora da garantia, as duas peças vão lhe custar 1200 reais.

Recall: O modelo 2010 foi chamado para conserto do reclinador do encosto do banco do passageiro, que pode mover-se para trás em colisões. Cheque no 0800 ou site da Ford se seu carro passou pelo recall.

 



A VOZ DO DONO

 



“Tenho dois Fusion, um 2.3 2008 e um 3.0 V6 2010. São completos, seguros, confortáveis e de ótima dirigibilidade. Na estrada se comportam de forma exemplar e, na cidade, os itens de conforto e a alta qualidade do som e sua acústica ajudam bastante. Mas alguns pontos poderiam ser melhorados, como ‘tropicalizar’ o GPS, que não funciona no Brasil, e tornar as setas traseiras mais visíveis.”
Cesar Andrade, 51 anos, engenheiro, São Paulo (SP)

O QUE EU ADORO

“Além de ser imponente e ter status, dispõe de boa motorização, acabamento primoroso e diversos itens de segurança. Também gosto da mecânica robusta, que dificilmente dá manutenção.”
Anderson Cruz, 31 anos, corretor de imóveis, Salvador (BA)

O QUE EU ODEIO

“Os freios são suscetíveis a ruídos e vibrações, problema crônico do carro. Os coxins, por sua vez, são subdimensionados, o que causa a quebra frequente em uso severo.”
Rodrigo Franco, 28 anos, administrador de empresas, São Carlos (SP)

 

 






Publicidade