Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Novo Sandero
  • Vezel
  • Novo Fox
  • Duster
  • HB 20
  • Golf
  • Novo Ka
  • Corolla
  • Civic
  • Saveiro cab dupla
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
Carros | Usado do mês
Volkswagen Bora
Abril 2008

Volkswagen Bora

Completo e gostoso de dirigir, o Bora traz as vantagens do Golf, com o adicional de ter mais porta-malas e seguro menor

Por FERNANDO GARCIA
Lista de matérias por data:

ALTERAR O TAMANHO DA LETRA  

O que você acha de andar de Golf com mais porta-malas e não pagar muito mais por isso? O Bora tem dirigibilidade exemplar e ainda vem equipado com tudo que é importante. Gostou da idéia, mas tem medo do seguro? Por ser pouco visado pelos ladrões, o sedã não assusta nesse aspecto: a apólice de um Bora 2001, para um homem casado de São Paulo, sai entre 1 500 e 2 000 reais, enquanto um Golf não paga menos de 4 000.

Além do porta-malas de 455 litros (125 a mais que no hatch), o preço também atrai: um 2001 - que traz de série trio elétrico, direção hidráulica, bancos dianteiros com regulagem de altura e trava elétrica com controle remoto - custa 25 000 reais, cerca de 2 500 reais mais barato que um Celta novo "pelado".

O Bora começou a ser importado do México em dezembro de 2000, como modelo 2001, nas versões 2.0 Mi e 2.0 Mi Comfortline - este adicionava ao pacote básico ar-condicionado, airbag, freio ABS com EBD, rodas de liga, além de um interior mais caprichado. O motor é o mesmo do Golf 2.0, com potência de 116 cv. Como opcional, havia um bom câmbio automático de quatro marchas (leia texto ao lado). Em 2001, o Bora ganhou como opcionais o ar-condicionado digital Climatronic e o computador de bordo, além de oferecer de série rádio com CD player.

A partir da linha 2005, todos incorporaram os itens do Comfortline e mais o Climatronic, piloto automático e faróis de neblina. Por fora, houve leves retoques, como os cromados em pára-choques, frisos e grade do radiador, além da luz de seta branca nas lanternas. Em 2007 o Bora sofreria sua primeira reestilização.

Ele tem como ponto forte a condução mais esportiva. "Ele é silencioso, confortável e responde rápido ao pedal. Só lamento o alto consumo, de 8 km/l", diz o estudante Danilo Moraes, de 18 anos. Na manutenção, o Bora ainda é beneficiado por compartilhar com o Golf a maioria das peças mecânicas e boa parte do acabamento. Sua desvantagem fica pela dificuldade de revenda e pela oferta reduzida no mercado.

PREÇO DOS USADOS (EM MÉDIA)*

2000
2.0 Mi: 25 300
2.0 Mi Comfortline: 26 818
2.0 Mi Autom.: 26 818

2001
2.0 Mi: 27 500
2.0 Mi Comfortline: 29 150
2.0 Mi Autom.: 29 150

2002
2.0 Mi: 29 900
2.0 Mi Comfortline: -
2.0 Mi Autom.: 31 694

2003
2.0 Mi: 32 500
2.0 Mi Comfortline: -
2.0 Mi Autom.: 34 450

2004
2.0 Mi: 36 300
2.0 Mi Comfortline: -
2.0 Mi Autom.: 38 478

FONTE: MOLICAR

PREÇO DAS PEÇAS*

ORIGINAL
Pára-choque dianteiro: 870
Farol dianteiro completo (cada um): 720
Retrovisor completo (cada um): 430
Amortecedor: 440

PARALELO
Pára-choque dianteiro: 380
Farol dianteiro completo (cada um): 180
Retrovisor completo (cada um): 250
Amortecedor: 420

* BORA 2000

NÓS DISSEMOS

Dezembro de 2000
"O câmbio automático é tão esperto que vai acabar seduzindo quem ainda tem resistência a esse tipo de equipamento. (...) Ele conta com sensores que fazem o câmbio se adaptar ao estilo de direção: se você gosta de pisar fundo, as trocas serão feitas no limite dos giros do motor, mas, se seu modo de guiar é tranqüilo, as trocas serão feitas em baixas rotações. A força do motor surge a partir dos 2 500 giros e isso contribui para tornar o Bora gostoso de dirigir."

ONDE O BICHO PEGA


Tampa do porta-luvas
Cheque se a tampa está abrindo e fechando normalmente, pois a fechadura pode quebrar com facilidade. As concessionárias chegam a cobrar 900 reais pelo conserto.
Forração interna
Confira se o revestimento emborrachado das portas e do painel não está descascando. Esse é um problema comum não só no Bora, mas também no Golf e no Audi A3.
Chave reserva
Não se esqueça de ver se há a chave reserva, que é codificada. Para fazer outra igual (que tem até botões das travas) numa concessionária vai custar 878 reais. Já num chaveiro sai por 390.
Freios ABS
Num carro fabricado em 2001, cheque numa autorizada se ele atendeu ao recall de freio ABS. Alguns tiveram o chip trocado, que poderia superaquecer e se incendiar.
Motor e assoalho
Por ser um carro de vocação mais esportiva, são comuns casos de motor maltratado, embreagem patinando e folga excessiva na troca de marcha. Tente olhar sob o assoalho para verificar possíveis arranhões ou mesmo trincas na parte inferior.

FUJA DA ROUBADA

Mesmo sendo mais barato, nunca compre os Bora sem o ar-condicionado, fabricados entre 2000 e 2002. Bem raros no mercado, eles são um verdadeiro mico para revender.

PENSE TAMBÉM EM UM...


Focus: usado com visual de zero

Ford Focus Sedan
O Focus tem vários pontos de semelhança com o Bora: apresenta acabamento bem cuidado, oferece ótima dirigibilidade e tem seguro baixo. Mas em alguns pontos ele leva vantagem, como o espaço maior no porta-malas - são 35 litros a mais, totalizando 490 litros -, a oferta mais generosa no mercado de usados e seu visual, que apesar de antigo ainda está alinhado com o do modelo zero-quilômetro.


A VOZ DO DONO

"Estou com meu Bora há três anos e é o melhor carro que já tive. Só estou vendendo porque quero comprar um automóvel maior. Ele oferece ótima relação custo/benefício e não tem a desvantagem de ter um seguro tão caro como o do Golf. Outra coisa que também aprecio muito é sua pegada esportiva. Só acho o consumo um pouco elevado."
Rodrigo Nery, 28 anos, gerente de vendas, São Paulo (SP)

O QUE EU ADORO

"O Bora é um carro completo. Tem uma ótima relação custo/benefício. Faz sete anos que o comprei e viajo freqüentemente para São Paulo. Ele é superconfortável."
Luiz Carlos Naya, 64 anos, cirurgião-dentista, Laranjal (MG)

O QUE EU ODEIO

"Assim como o Golf, o revestimento das portas e painel do Bora acaba ocasionando muito barulho com o tempo. É uma coisa que me incomoda muito."
Ciro André de Moraes, 35 anos, economista, Curitiba (PR)






Publicidade