QUATRO RODAS - Volkswagen Golf
Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Up
  • Onix
  • Duster
  • HB 20
  • Novo Ka
  • Corolla
  • Civic
  • Golf
  • Focus
  • New Fiesta
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
Carros | Usado do mês
Volkswagen Golf
Outubro 2006

Volkswagen Golf

Motor, câmbio e suspensão combinam com perfeição para quem gosta de direção esportiva. O problema é o seguro

Por Alexandre Ule Ramos | Fotos: Marco de Bari
Lista de matérias por data:

ALTERAR O TAMANHO DA LETRA  

Um trecho de uma reportagem da QUATRO RODAS de fevereiro de 2004 é a perfeita síntese do que é ter um Golf 1.6. "Se você não se intimida com o preço do seguro e aprecia uma condução mais esportiva, o Golf pode ser o seu número. Sua estabilidade merece aplausos em pé. Todo motorista deveria dirigir um de tempos em tempos para ajustar seus parâmetros sobre o que é boa dirigibilidade." Sem dúvida, é mesmo um carro para quem gosta de estar atrás do volante, trocando marchas milimetricamente precisas, empurrado por um motor de funcionamento suave e embalado por uma suspensão equilibrada. Basta torcer que você tenha um bom perfil para enfrentar seu seguro caro, que pode custar o dobro dos rivais Stilo e Astra. Por isso, nunca faça a loucura de comprar um Golf sem fazer antes uma cotação. A versão que você vê na foto acima é a quarta geração, que chegou ao Brasil ainda como importada em 1998, vinda da Alemanha. O carro era vendido em três versões: 1.6 com motor SR, de 101 cavalos, 2.0 (116 cavalos) e 1.8 GTi Turbo (150 cavalos), sempre com quatro portas.

A partir de 2000 passou a ser produzido no Paraná e, em 2001, o 1.6 ganhou o motor nacional EA-111, que fez a fama do Golf com o bom torque em baixas rotações - junto veio o acelerador eletrônico. A linha 2001 trocou a cor dos piscas laterais: sai a lente branca, entra a âmbar. É nesse ano que surge o GTi de duas portas. Em 2002 a VW lançou o GTi com 180 cavalos e opção de câmbio automático Tiptronic. Foi um ano de várias séries especiais, como Trip 1.6, Generation 1.6 e Black and Silver 1.6 e 2.0. Também foi quando a linha 2.0 ficou mais "pelada", com o fim do trio elétrico e ar-condicionado de série. Nem adianta procurar pelo motor flex, que chegou em março deste ano.

Entre tanta variedade, o melhor é investir no 1.6 com motor AE111: tem melhor relação custo/benefício, conjunto mecânico mais equilibrado que o 2.0, oferta mais variada e maior facilidade de revenda. O 1.6 com motor SR também tem boa aceitação. Para quem tem vocação esportiva, o GTi é uma boa opção, exigindo o cuidado de checar o estado das rodas e da parte inferior, um busca de marcas de maus tratos. Procure por sinais de repinturas, pois sinistros no GTi são mais comuns do que se imagina.

Outra vantagem do Golf: é o hatch médio com a maior oferta de câmbio automático. Enquanto o Stilo não tem e no Astra só foi oferecido a partir de 2002, no Golf existe desde o início da produção, com o motor 2.0.


Fuja da roubada

Pior que um Golf sem ar-condicionado, só mesmo um modelo também sem trio elétrico, que deve ser evitado pela possibilidade de casamento eterno.


A voz do dono

"O que mais gosto no meu Golf 1.6 é o design, que eu considero ainda atual, apesar da idade do projeto. Também adoro o conforto interno e o desempenho do motor, que tem bom torque mesmo em baixas rotações. Apesar de ser um modelo de 2001, o barulho interno é o que mais me incomoda, pois vem aumentando com o passar do tempo."
Maurício Cunha 31 anos, engenheiro,São Paulo (SP)

O que eu adoro

"Comprei meu Golf 1.6 2000 zero e nunca tive problema. Foi por isso que comprei um Generation para minha esposa. Em termos de manutenção, apenas a rotina, como óleo, filtros etc."
Gustavo Faria de Souza 35 anos, comerciante,Curitiba (PR)

O que eu odeio

"Sem dúvida o pior é o seguro: tenho um BMW 330i 2001 que me custa 3800 reais por ano de seguro. Já pelo meu Golf 2001 pediram 5800 reais. E ele custa cerca de quatro vezes menos."
Renato Amaral Peixoto 41 anos, advogado,Rio de Janeiro (RJ)


Nós dissemos

Setembro de 2002
"No dia-a-dia, o Golf se saiu melhor. Apesar de ser uma evolução, se comparado ao Brava, o câmbio do Stilo ainda não chegou ao nível de precisão e maciez que o Golf entrega. A direção é leve mas, outra vez, não tem as respostas rápidas e diretas do Golf. (...) Alguém falou em estradas? Daquelas cheias de curvas fechadas? Essa é a parte dos testes que eu gosto. Principalmente se acrescentarem boas frenagens. Vitória para o Golf, melhor em todas as baterias. (...) E, nas curvas, o Golf oferece mais firmeza na condução. (...) Ambos inclinam pouco a carroceria e ameaçam escapar de frente. O Golf é um pouco mais no chão que o Stilo. Pouca coisa."


Preço dos usados (em média)*

2000
1.6 Mi - 24800
2.0 Mi - 26600
1.8 Turbo - 34100

2001
1.6 Mi - 25850
2.0 Mi - 28800
1.8 Turbo - 37600

2002
1.6 Mi - 28480
2.0 Mi - 31000
1.8 Turbo - 40700

2003
1.6 Mi - 32200
2.0 Mi - 34000
1.8 Turbo - 53500*

2004
1.6 Mi - 34500
2.0 Mi - 37100
1.8 Turbo - 63400*
*Versão de 180 cavalos

Preço das peças

ORIGINAL
Jogo de pastilhas dianteiras - 432
Pára-choque dianteiro - 421
Amortecedor dianteiro - 654
Farol dianteiro - 732
Espelho retrovisor externo - 743

PARALELO
Jogo de pastilhas dianteiras - 110
Pára-choque dianteiro - 250
Amortecedor dianteiro - 155
Farol dianteiro - 345
Espelho retrovisor externo - 280


Pense também em um...

Fiat Stilo
É a compra mais próxima de quem está de olho num Golf. Os dois se equivalem em preço de peças e desempenho, mas o Stilooferece seguro bem menor e nível de conforto ligeiramente superior, graças principalmente à suspensão mais macia. Disponível com duas opções de motores, a versão 1.8 8V é mais bem aceita no mercado que a 1.8 16V. Tem a vantagem de ser - e parecer - mais moderno e não estar para ganhar uma nova reestilização, como vai acontecer com o Golf no ano que vem.


Onde o bicho pega

Vidros
As presilhas que sustentam os vidros dentro da porta se quebram com o uso. Não estranhe se, ao fechá-los, o vidro sair da canaleta. Aproveite e verifique todos os botões dos vidros elétricos, pois eles podem apresentar defeito.

Suspensão dianteira
Em geral é uma fonte de ruídos, causados principalmente pelas buchas de bandeja e da barra estabilizadora. O típico "nhec-nhec" na dianteira, mais freqüente ao passar por lombadas, é um forte indício de que a suspensão precisa de manutenção.

Frente baixa
Nos carros com motor SR 1.6, a frente é mais baixa que nas versões seguintes. Por isso, dê uma boa olhada na parte inferior e cheque se há problemas no bujão (parafuso) do cárter, que costuma espanar e provocar vazamentos.

Borboleta
Ainda nos Golf SR 1.6, verifique se há instabilidade da marcha-lenta, o que pode significar alguma avaria no corpo de borboleta.

Acabamento emborrachado
Cheque cuidadosamente o estado do acabamento emborrachado do painel e das portas, que se desgasta com facilidade. Alguns proprietários chegam a desmontar as peças, retirando a película emborrachada com água quente e detergente, deixando-as lisas.

* Reportagem publicada na edição de outubro de 2006 da revista QUATRO RODAS





» FOTOS


Publicidade