QUATRO RODAS - Uno Mille
Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Up
  • Onix
  • Duster
  • HB 20
  • Novo Ka
  • Corolla
  • Civic
  • Golf
  • Focus
  • New Fiesta
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
Carros | Usado do mês
Uno Mille
Dezembro 2005

Uno Mille

O modelo certo para quem está mais interessado em preço baixo e manutenção barata que em prazer de dirigir

Lista de matérias por data:

ALTERAR O TAMANHO DA LETRA  

Alexandre Ramos | fotos: Ricardo Rollo; Marcelo Spatafora eMarco de Bari

Seus donos às vezes não gostam do carro, consideram-no sem graça, reclamam da falta de conforto ou maldizem seu acabamento empobrecido demais. Mas em geral afirmam que estão satisfeitos. Sinal de incoerência? Nada disso. É porque o Uno Mille é uma compra puramente racional. Pela mesma quantia de dinheiro você não leva nenhum modelo mais novo. Com baixo preço de peças, bom espaço interno, fácil manutenção e grande oferta, o Mille tanto serve para quem está comprando seu primeiro automóvel como para quem busca o segundo ou terceiro carro da família.

Sua história começa em 1990, quando a Fiat lança o Uno Mille, com motor de 994 cm3 e apenas 48 cavalos.

A falta de itens de série era o segredo para o baixo custo: faltavam grades de ventilação nas extremidades do painel, tampa do porta-luvas, retrovisor direito, servofreio e encostos de cabeça. A ignição ainda contava com o antigo platinado. Em 1991 surge o Mille Brio, com carburador de corpo duplo. A potência saltava para 54 cavalos, sendo produzido apenas entre junho e dezembro de 1991.

Em 1993 chega a versão Electronic e opção de carroceria de quatro portas. A grande novidade era o sistema de ignição digital - não confundir com injeção eletrônica, ainda não disponível. Um ano depois é apresentado o ELX, mais luxuoso, criado para combater o então recém-lançado Corsa. Trazia como diferencial uma nova frente, além de painel de instrumentos redesenhado. Em julho de 1995 o Mille recebe injeção eletrônica de combustível e a sigla EP. O Electronic ainda sobreviveu como a versão de entrada com o nome de Mille i.e. A partir de 1997, passa a existir apenas o SX. No ano seguinte é renomeado para EX e perde uma luz de ré. No início do ano 2000 torna-se Smart, com acabamento diferenciado, painel cinza com mostradores brancos e novas calotas. Na linha 2002 foi a vez de virar Fire, com seu novo motor de 55 cavalos. E, finalmente, é a partir de 2004 que o Uno passa pela segunda cirurgia plástica. Ufa! Mas, em todos esses anos, o carrinho mantém as mesmas vantagens de seus primórdios: é econômico, ágil, barato de comprar e de manter e, na hora da venda, não dá dor de cabeça.


Fuja da roubada
O Mille é um dos poucos modelos que não apresentam configurações e versões micadas. Mas é bom evitar os mais antigos, feitos antes de 1993, que vinham até mesmo com platinado no lugar da ignição eletrônica. Nesse caso, só como peça de coleção, pois a manutenção pode ser mais difícil.


A voz do dono
"Em abril comprei um Uno Mille 1996 de quatro portas. Era o carro mais barato e mais novo que eu podia comprar. Estou satisfeito, pois o Uno é econômico, barato de manter e de fazer seguro. E ainda por cima não chama atenção. Mas ele é muito desconfortável para usar no dia-a-dia, já que a suspensão é muito dura."

Laurindo Santos Silva, 35 anos, professor de educação física, São Paulo (SP)

O que eu adoro
"Eu só coloco óleo e gasolina e ele vai embora. E, quando preciso arrumá-lo, as peças fora da autorizada não são caras."

Roberto Rossano, 42 anos, dono de um Mille Electronic 1993

O que eu odeio
"A correia dentada do meu carro estourou com 40000 quilômetros e acabou me dandoum grande prejuízo."

Lucia Monteiro de Lima, 26 anos, dona de um Mille Fire 2002


Nós dissemos

Abril de 2004

"Mesmo mais fraco que seus dois rivais, o Mille não se intimidou nos testes e superou o Gol na aceleração de 0 a 100 km/h. Nas retomadas, os dois praticamente empataram, com uma pequena vantagem para o VW. Quem já teve um Mille (...) vai perceber onde a Fiat economizou alguns reais. Com o passar do tempo, o acabamento e a qualidade dos materiais no interior do carro foram piorando. Em compensação, a posição de dirigir continua boa e a visibilidade também. O Mille foi o mais silencioso em todas as medições de ruído interno, mas, quando o assunto é itens de série, ele traz um mínimo: barra de proteção lateral e imobilizador eletrônico."


Preço dos usados (em média)*


1998
EX 4p
- 10185
SX 4p - 10796
SX Young 2p - 10476
Smart 4p - -
Fire 1.0 8V - -

1999
EX 4p
- 10185
SX 4p - 10796
SX Young 2p - 10476
Smart 4p - -
Fire 1.0 8V - -

2000
EX 4p
- 11550
SX 4p - 12243
SX Young 2p - -
Smart 4p - 11660
Fire 1.0 8V - -

2001
EX 4p - -
SX 4p - -
SX Young 2p - -
Smart 4p - 12554
Fire 1.0 8V - 12600

2002
EX 4p - -
SX 4p - -
SX Young 2p - -
Smart 4p - -
Fire 1.0 8V - 13000

FONTE: MOLICAR
*Valores em reais, coletados em novembro


Preço das peças*


ORIGINAL
Amortecedor dianteiro (cada) - 102
Pastilhas (par) - 56
Farol dianteiro (cada) - 218
Pára-choque dianteiro - 172
Espelho externo esquerdo - 145

PARALELO
Amortecedor dianteiro (cada) - 80
Pastilhas (par) - 38
Farol dianteiro (cada) - 150
Pára-choque dianteiro - 150
Espelho externo esquerdo - 150


Pense também em um

Chevrolet Celta

O acabamento é igualmente espartano, assim como a quantidade de equipamentos de série também não é seu forte. No entanto, como o projeto é mais moderno, oferece mais segurança e conforto que o popular da Fiat. A recente valorização tem feito dele uma boa compra. É o carro para quem precisa de um Mille, mas pode pagar um pouco a mais para ter uma vida melhor no trânsito.


Onde o bicho pega


Volante e manopla do câmbio
Se achar essas peças desgastadas, não pense que é indício de uso excessivo - e quilometragem adulterada. Graças ao material de qualidade inferior, o desgaste acelerado fez com que a Fiat trocasse os dois componentes, mesmo em carros fora da garantia.

Suspensão traseira
São comuns os rangidos na traseira, em geral atribuídos à mola única transversal. Mas a verdade é que na maior parte dos casos basta trocar os batentes dos amortecedores traseiros - cerca de 70 reais cada.

Correia dentada
Ao comprar um Uno, não arrisque: troque a correia dentada e seu tensor. O preço varia de 100 a 400 reais, mas vale a pena, pois, em caso de quebra, o estrago é grande.

Radiador
Verifique se a água está límpida e se há vazamentos na mangueira. Marca de ferrugem em qualquer ponto do motor ou no radiador é outro mau sinal.

Motor
Em algumas unidades ocorrem falhas no motor após trocas de marcha. Perde potência, mas logo depois responde. Houve muitos boletins de garantia abertos nas autorizadas, sem que se descobrisse a razão do defeito.


* Reportagem publicada na ediçãoextra de dezembrode 2005 da revista QUATRO RODAS





» FOTOS


Publicidade