QUATRO RODAS - Mitsubishi Eclipse
Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Novo Sandero
  • Vezel
  • Novo Fox
  • Duster
  • HB 20
  • Golf
  • Novo Ka
  • Corolla
  • Civic
  • Saveiro cab dupla
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
Carros | Usado do mês
Mitsubishi Eclipse
Maio 2005

Mitsubishi Eclipse

Amado por adeptos do tuning, ele é bonito, estável e anda bem. Difícil é achar um carro em bom estado

Por Alexandre Ramos
Lista de matérias por data:

ALTERAR O TAMANHO DA LETRA  

O Eclipse voltou à moda. Se antes já contava com uma fiel parcela de admiradores, após queimar pneu no filme Velozes e Furiosos, ele tornou-se um dos preferidos dos adeptos do tuning. Em função disso, o preço que andava em baixa voltou a subir. Hoje não é difícil achar um 1995 por até 29000 reais. O Eclipse desembarcou aqui em fins de 1990. Em 1995 vinha a nova geração, bonita até hoje e bem aceita no mercado - justamente a que você vê nestas fotos. Tinha motor 2.0 16V turbo de 213 cavalos, ar-condicionado, CD e airbag duplo. De opcional, câmbio automático, teto solar, freios ABS e bancos de couro com regulagem elétrica. Apesar de a Mitsubishi não negar nem confirmar a informação, os lojistas garantem que não vieram os modelos 1996 e 1997. Em 1998 ele voltou, com rodas novas, pára-choques mais robustos, novos retrovisores e faróis com lentes escurecidas. Além do GS-T, vieram alguns GS-X, com tração integral. Visual atual à parte, o Eclipse é estável, confortável e resistente. E anda bem: no teste QUATRO RODAS da época, o manual foi de 0 a 100 km/h em 7 segundos e o automático levou 9,5. Mas ambos atingiram 206 km/h. Lembre-se de que sua roupagem esportiva implica uma certa dificuldade para entrar e sair, além da posição "deitada" de condução. Visibilidade também não é seu forte. Para usá-lo no dia-a-dia, um aviso: a embreagem é pesada e pode cansar. Seu maior pecado são as peças caras. Porém a variedade entre os importadores independentes de peças pode salvar o dia: um farol, que na autorizada vai até 900 reais, pode ser encomendado no paralelo por 400 reais.


Onde o bicho pega

TETO SOLAR

Nos modelos com teto solar, pode haver ruídos ou pane no mecanismo de abertura. A lubrificação dos trilhos por onde corre o vidro ajuda, mas não contorna totalmente os defeitos. Por isso, na hora de comprar um Eclipse, verifique o funcionamento do sistema.

EMBREAGEM

O pedal é mais pesado que o normal. No entanto, se estiver duro demais ou com trepidação, talvez seja hora de trocar o kit completo da embreagem.

SUSPENSÃO

Atenção às buchas de suspensão traseira, que podem sofrer danos devido ao piso irregular. Na dianteira, as buchas também devem ser conferidas, assim como o estado dos braços auxiliares do sistema multilink.

TRASEIRA

Embora possa haver ruídos nas portas e painel, a maior fonte de barulho está no tampão que cobre o porta-malas e na cobertura do estepe, no assoalho. Nada que um bom rolo de fita adesiva e espuma não resolvam.

PARTE INFERIOR

Por ser relativamente baixo, o Eclipse merece olho vivo na parte inferior. Há uma barra de apoio do motor, fixada entre o assoalho e a suspensão dianteira. Veja se a barra não está torta, pois ela acaba encostando no câmbio, anulando o efeito dos coxins e diminuindo a precisão dos engates de marchas.


A voz do dono

"Fiquei louco quando vi a matéria do novo Eclipse na QUATRO RODAS de setembro de 1994. Naquele momento eu disse: vou ter um desses. Dois anos depois comprei um GS-T com apenas 5000 quilômetros. Fiquei com ele até 2002, quando troquei por outro mais novo. O carro é maravilhoso e não dá grandes problemas. E ainda chama muita atenção. Pena que a Mitsubishi cobre tanto pelas peças e mão-de-obra. Eles deveriam ficar mais atentos, pois quem tem esse carro é como eu, um fã de carteirinha."

Eduardo Kreutzberg, 33 anos, São Paulo (SP)


Nós dissemos

"O GS-T mostrou-se um carro fácil de manobrar, bom de curvas e acelerações. Sua direção, hidráulica progressiva, é leve e precisa. O câmbio parece 'seco', exigindo que se conduzam as marchas até o fim do curso. (...) Suas relações de marchas apresentam-se mais curtas e o espaço entre os engates ficou reduzido. Na prática isso proporcionou uma pilotagem mais esportiva, com trocas rápidas e precisas. Inteiramente nova, a suspensão do Eclipse conta com sistema multilink."

QUATRO RODAS, Setembro de 1994


Preço de peças (em reais)

Original

Amortecedor dianteiro (cada) - 672
Pastilhas (jogo dianteiro) - 381
Pára-choque dianteiro - 2705
Retrovisor externo completo - 1207
Lanterna traseira - 1143

Paralelo

Amortecedor dianteiro (cada) - 350
Pastilhas (jogo dianteiro) - 250
Pára-choque dianteiro - 900
Retrovisor externo completo - 450
Lanterna traseira - 250


Check-up do coração

Quem compra um esportivo quer mesmo é acelerar. O que significa que é difícil achar um Eclipse em bom estado. Em geral, ou ele está bem maltratado ou está inteiro - não há meio-termo. Mesmo em ótimo estado, alerta máximo para o motor, que é o coração de um importado de alto desempenho - e por isso precisa sempre de atenção extra. Para começar, verifique o estado da correia dentada. Tire a pequena capa removível, localizada acima da correia e fixada à tampa protetora por três parafusos. Cheque se há excesso de queima de óleo, que pode vir tanto dos retentores como dos anéis ou da própria turbina. Este último item deve ser analisado com cuidado. Carros sem manutenção adequada podem apresentar problemas no turbocompressor. Como os mancais do rotor do turbo são apoiados em uma película de óleo, qualquer descuido na lubrificação pode causar falhas graves. O efeito mais visível é a fumaça cinza saindo do escapamento. A presença de uma borra nas ponteiras do escape também pode indicar o problema. Na dúvida, leve sempre a um mecânico de confiança.


Preços médios dos usados (em reais)*

1991

GS-T 2.0 16V - 15600
GS-X 2.0 16V - 16800

1992

GS-T 2.0 16V - 16900
GS-X 2.0 16V - 18300

1993

GS-T 2.0 16V - 19200
GS-X 2.0 16V - 20800

1994

GS-T 2.0 16V - 22600
GS-X 2.0 16V - 24400

1995

GS-T 2.0 16V - 26600
GS-X 2.0 16V - 28700

1998

GS-T 2.0 16V - 48000
GS-X 2.0 16V - -

*Valores apurados em abril

Fonte: Molicar

* Reportagem publicada na edição de maio de 2005 da revista QUATRO RODAS





» FOTOS


Publicidade