Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Novo Corolla
  • Up
  • Logan
  • HB 20
  • Prisma
  • Novo Ka
  • Golf VII
  • Focus
  • Tracker
  • New Fiesta
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
Carros | Usado do mês
Chevrolet Celta
Outubro 2008

Chevrolet Celta

O modelo é um ótimo carro de entrada, com preço baixo, farta oferta e peças baratas

Por Alexandre Ule Ramos
Lista de matérias por data:

ALTERAR O TAMANHO DA LETRA  

O Celta foi criado para ser o carro mais barato do Brasil. E daí vêm suas virtudes e pecados. Ele tem peças baratas, pois aproveita a plataforma do Corsa antigo, lançado em 1993. Por ser barato, é um dos mais vendidos do mercado, o que garante grande oferta de carros e facilidade de revenda. Mas na sua origem também estão seus pontos fracos. O acabamento é simples demais, usando plásticos de baixa qualidade e pouco revestimento acústico – com isso, o nível de ruído também é alto.

Lançado em setembro de 2000, o Celta surgiu com motor 1.0 de 60 cv e, em 2003, recebeu o VHC de 70 cv. No ano seguinte vieram as quatro portas e o Energy, com motor 1.4, que nunca decolou nas vendas (morreria em 2007). Em 2005, ele ganha o motor 1.0 flex, com 70 cv tanto na gasolina quanto no álcool.

Sua primeira cirurgia plástica viria em abril de 2006, com uma nova frente, bem parecida com a do Vectra. A traseira apresenta nova tampa do portamalas, que abriga a placa, além dos pára-choques e lanternas traseiras reestilizados. Por dentro, forração e painel novos e de melhor qualidade.

Ao comprar um Celta usado com motor VHC, verifique se há um ruído metálico no motor, que seria sinal da famosa “batida de pino”. Mas, segundo a GM, a causa não é a pré-ignição, e sim falhas na construção dos pistões, que teriam sido feitos abaixo das especificações. Com isso, em determinadas situações, ele “bate saia” e provoca o ruído metálico.

Porém, para Denis Marum, especialista em Chevrolet e dono do Chevy Auto Center, devido à alta taxa de compressão e ao uso de gasolina de baixa qualidade, ocorre a formação de depósitos no pistão. “Isso gera desgaste nos pinos de pistão, além da prédetonação ou batida de pino. Em geral o uso de aditivo para gasolina ou de combustível de melhor qualidade resolve o problema. Mas há casos em que tem de abrir o motor.” Por isso, Marum avisa: “Se, com o motor frio, houver o ruído metálico, cuidado: pode ser que você tenha de trocar várias peças.”


FUJA DA ROUBADA

Cuidado com carros com as tão comuns placas de Curitiba, Palmas e Belo Horizonte que estejam fora de suas praças originais. Em geral são carros de frota, sendo em média mais rodados e maltratados. No
futuro, a revenda será mais difícil.

  


A VOZ DO DONO

 [04]

 

“Gosto muito do meu Celta, que hoje está com 23 000 quilômetros. É econômico, ágil, compacto e tem seguro baixo. O que poderia ser melhor é o acabamento interno, que considero muito inferior, mesmo levando em conta que o Celta é um carro barato. Mas ele não teve nenhum defeito grave e, justamente por isso, compraria outro.” Alexandro Silva Santos, 35 anos, São Paulo (SP)


O QUE EU ADORO
“Ele é econômico e anda bem. O acabamento poderia ser melhor, mas o seguro barato e o baixo consumo acabam compensando.” Gervásio Alves de Lima Filho, 45 anos, Curitiba (PR)


O QUE EU ODEIO
“O carrinho vai mal nas ladeiras, pipocando em todas elas. A batida de pino já me custou um motor, sem falar no péssimo acabamento e no ruído elevado.” Roberto Santos Villaça, 35 anos, Belo Horizonte (MG)


NÓS DISSEMOS


Maio de 2006

[02]


“A nova versão foi equipada com entradas espalhadas pela carroceria para facilitar o acesso de ferramentas, o que serve para baixar o tempo de reparo em funilaria e, conseqüentemente, o preço do conserto. (...) Com 70 cv, o motor 1.0 VHC Flexpower coloca o Celta entre os mais potentes modelos do segmento – só perde para o VW Fox, que tem 71 cv. Mas o consumo de combustível continua sendo o ponto fraco do 1.0 Flexpower. Com álcool, ele fez 6,7 km/l na cidade e 9,7 km/l na estrada.”


PREÇOS DOS USADOS (EM MÉDIA)

2001
1.0 PFI: R$ 12.900,00
1.0 VHC: -
Life 1.0 VHC: -

2002
1.0 PFI: R$ 13.500,00
1.0 VHC: R$ 13.483,00
Life 1.0 VHC: -

2003
1.0 PFI: -
1.0 VHC: R$ 13.900,00
Life 1.0 VHC: -

2004
1.0 PFI: -
1.0 VHC: 14.600,00
Life 1.0 VHC: R$18.430,00

2005
1.0 PFI: -
1.0 VHC: -
Life 1.0 VHC: R$19.000,00


PREÇOS DAS PEÇAS

Lanterna Traseira esquerda
ORIGINAL: R$ 110,00
PARALELO: R$ 65,00

Farol Esquerdo
ORIGINAL: R$ 168,00
PARALELO: R$ 80,00

Retrovisor esquerdo
ORIGINAL: R$ 336,00
PARALELO: R$ 200,00

Amortecedor dianteiro (cada um)
ORIGINAL: R$ 246,00
PARALELO: R$ 150,00

Pastilha dianteira (jogo)
ORIGINAL: R$ 141,00
PARALELO: R$ 75,00


PENSEI TAMBÉM EM UM


FORD KA

[03]

 

Ele está na mesma faixa de preço do Celta, mas tem acabamento melhor e motor mais confiável, que não costuma dar problemas. Ao volante, é um carrinho mais ágil e gostoso de dirigir, graças à suspensão bem
acertada, que leva um tempero mais esportivo que o do Celta. Porém o Ka só tem opção de duas portas, oferece pouquíssimo espaço no banco traseiro (só leva duas pessoas) e um portamalas mínimo (144 litros, contra 260 do Celta).


ONDE O BICHO PEGA

[01]

 


Marcador de combustível

O modelo digital (até 2006) apresenta grande imprecisão em alguns carros. Muito cuidado para não ficar sem combustível ao entrar na reserva. Junta elástica do escape Presa ao motor por parafusos, conecta o coletor ao sistema de escape. Como o coxim do câmbio é muito macio, a vibração faz com que essa peça se solte com freqüência, gerando um ruído metálico (como um estalo), principalmente nas arrancadas e retomadas. Trambulador Problema causado pelos coxins macios demais, o trambulador costuma quebrar. O primeiro sintoma é quando a marcha escapa. Com o tempo vem a quebra, que impede o engate das marchas. Marcha-lenta Quando ela está irregular, nem sempre a simples limpeza dos bicos resolve.
Acabamento interno Além de montagem deficiente, há falhas no material. Veja se os plásticos não têm riscos ou trincas, principalmente nas laterais de porta e no tampão sobre o porta-malas. A baixa qualidade dos plásticos faz com que se risquem e rachem facilmente.






Publicidade