Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Novo Sandero
  • Vezel
  • Novo Fox
  • Duster
  • HB 20
  • Golf
  • Novo Ka
  • Corolla
  • Civic
  • Saveiro cab dupla
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
Carros | testes
VW Fox Prime 1.6 8V
Novembro 2009

VW Fox Prime 1.6 8V

Aperfeiçoado e mais atraente por fora e por dentro, o compacto chega para encarar o Agile

Por Péricles Malheiros | Fotos: Marco de Bari
Lista de matérias por data:

ALTERAR O TAMANHO DA LETRA  

No mundo do livre mercado, não se pode dizer se algo é bom ou ruim sem, antes, saber o seu preço*. No caso do novo Fox que você conhece agora – e cujo valor de tabela a Volkswagen fez questão de esconder –, uma fonte ligada à fábrica garante que os preços permanecerão basicamente os mesmos. Caso a informação se confirme, seus fãs podem comemorar, pois ele está mais bonito e atual por dentro e por fora.

(*Reportagem da edição de novembro da QUATRO RODAS. Os preços do modelo foram divulgados alguns dias após a publicação da revista e podem ser vistos aqui)

Walter de’Silva, chefe de design do Grupo Volkswagen, autorizou o face-lift sugerido pela filial brasileira. Isso quer dizer que o novo Fox é o primeiro modelo nacional a incorporar o visual que todo veículo da marca terá daqui para a frente. Luis Alberto Veiga, o desenhista-pai do Fox, comenta a remodelação: “As linhas estão mais diretas, sobretudo na dianteira. O farol, por exemplo, tem contornos retos em substituição ao perfil suave e arredondado do anterior”.

Conserto barato
Há novidades também no catálogo de versões, que continua ofertando os motores 1.0 e 1.6. Agora a carroceria duas-portas é exclusiva do 1.0 (30 000 reais) – portas traseiras são vendidas como opcionais, por 2 000 reais extras. As demais versões são: 1.6 (35 500 reais) e a topo-de-linha 1.6 Prime (38 500 reais), como a que foi cedida para teste. A direção hidráulica é de série e o câmbio automatizado ASG pode ser incorporado aos modelos 1.6, por 2 400 reais. Em tempo: como a fábrica se negou a fornecer os preços do novo Fox, todos os valores citados são estimados.

Além dos faróis, a frente ganhou uma nova grade e para-choque com a porção central inferior (preta) separada. Por trás das peças plásticas, a estrutura frontal (minifrente) é fixada com apenas oito parafusos. “São detalhes como esses que contribuem para diminuir o custo de reparação”, diz Kai Hohmann, gerente de desenvolvimento. Na mesma linha de raciocínio, o airbag do passageiro não danifica o painel quando detonado e pode ser trocado em 3 minutos, segundo o gerente de produtos e serviços, Ricardo Carreira.

No perfil, a principal novidade é o retrovisor mais aerodinâmico – a pintura na cor do carro é de série na versão Prime, mas os repetidores do pisca na carcaça e o acionamento elétrico são opcionais. Para verificar as maiores mudanças na traseira, é bom estar numa garagem escura. As lanternas continuam com o mesmo formato, mas o layout luminoso foi alterado: a luz de neblina desceu para o para-choque, liberando espaço nas peças para as luzes principais. Mudança discreta, mas com um interessante efeito visual.

Terminado o giro ao redor do Fox, é hora de analisar um dos pontos mais criticados do hatch até então: a cabine. E que grata surpresa traz a linha 2010. Para começar, os painéis das portas agora contam com uma boa porção de tecido, conferindo um ar menos pobre que os anteriores, inteiros de plástico. O porta-luvas, agora com tampa, é apenas parte de um eficiente conjunto de bons porta-objetos espalhados pela cabine. No painel, outra medida que vem para atender aos anseios de quem tem um Fox atual: um quadro de instrumentos mais completo. Kai Hohmann ainda destaca o novo sistema de ventilação: “Os dutos que distribuem o ar pela cabine foram redimensionados para melhorar a eficiência no desembaçamento do para-brisa e ampliar o conforto acústico”.

Em termos de mecânica, praticamente nenhuma alteração, apenas coxins montados em carcaça de alumínio para redução da vibração gerada pelo motor, sobretudo em marcha lenta. Amortecedores e molas, segundo a VW, ganharam sutis mudanças de carga de trabalho e, apesar da carroceria curta e alta, o Fox continua com boa dirigibilidade. Mas a mesma suspensão firme que equilibra o hatch de centro de gravidade elevado nas curvas sacrifica o conforto ao passar sobre piso irregular. Aproveitei uma chuva rápida que caiu sobre a pista da TRW, em Limeira (SP), para fazer uma frenagem “mista” e colocar à prova o novo ABS 8.2 que a Bosch passou a fornecer para a Volkswagen desde a estreia do novo Gol. Com duas rodas no asfalto e duas no granito molhado, pisei forte no pedal do freio e... aprovado. Vindo a 80 km/h, parou com um desvio mínimo de trajetória.

Ao ouvir seus clientes, a Volkswagen conseguiu dar ao Fox um interessante pacote de mudanças. Os pontos fracos foram corrigidos e os fortes, ressaltados. Tudo para encarar os concorrentes e, claro, continuar vendendo bem. Mas será que, na calculadora, o Fox é o que há de melhor no mercado? Vire a página e veja a vida dura que ele terá daqui para a frente.

 



DESMONTE DE FÁBRICA

 



Assim como QUATRO RODAS faz em sua seção Longa Duração, algumas fábricas também realizam o desmonte completo do carro após uma extensa quilometragem de severos testes de durabilidade. O motivo é o mesmo: verificar o estado de saúde de cada componente, um a um. E olha que não são poucos. O Fox, segundo a Volkswagen, é um quebra-cabeça de nada menos que 6200 peças.





» FOTOS


Publicidade